Notícias

Said Qutb: O pai Marxista do terrorismo Islâmico moderno

O Islã radical e revolucionário, que emergiu através de reações ao colonialismo, foi inspirado mais por valores socialistas do que por valores democráticos liberais [também não inspirados pelos valores do Islã tradicional], e formularam seus princípios de acordo com essa perspectiva. Era comum no mundo islâmico até a década de 1980 considerar o islã como uma fonte de ideologia, bem como uma ideologia revolucionária. Foi particularmente a revolução iraniana, que se tornou uma referência inspiradora para os movimentos islâmicos na época. Neste período, o Islã foi tomado por pensadores muçulmanos de origem iraniana, bem como por aqueles de origem norte-africana, quase como uma espécie de religião estatal, uma ideologia revolucionária e uma estrutura política teocrática.

Tais interpretações do Islã podem ser rastreadas, no caso de alguns países do norte da África, até o período entre a segunda metade do século XIX e até a primeira metade do século XX. Naquele momento, os países muçulmanos começaram a sofrer um longo período de doloroso revés diante do incrível crescimento econômico e desenvolvimento que os países ocidentais estavam experimentando.

Além disso, as ambições coloniais dos países ocidentais que caiam diretamente sobre os territórios islâmicos provocaram fortes reações de alguns pensadores muçulmanos que começaram a se articular em termos de leninismo.  Isso explica muito a distância que os muçulmanos começaram a sentir em relação ao liberalismo, democracia, capitalismo e outros sistemas e idéias similares.

Os dois principais conceitos que esses pensadores tomaram emprestado do leninismo foram o “estado” e a “revolução”. Na opinião deles, o Estado simbolizava a justiça e unidade social na luta contra o Ocidente. Tal estado só poderia ser estabelecido através da revolução, sob a liderança de um grupo pioneiro.

As obras de Said Qutb ( 1906-1966), um intelectual muçulmano egípcio que foi enforcado pelo regime de Nasser em 1966, por exemplo, enfatizam o papel de um grupo revolucionário.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas sentadas
Guerrilheiros palestinos leem o “Livro Vermelho” de Mao Tsetung, Jordânia, 1970.

Em grande parte por causa de sua formação leninista, Qutb previu o estabelecimento de um Estado islâmico por meio de uma revolução liderada por um grupo especialmente treinado e versado nos valores islâmicos. O projeto para a criação de tal grupo, na verdade, pode ser visto como uma tentativa de substituir as vanguardas do proletariado de Lênin por suas contrapartes muçulmanas. Para Qutb, a salvação dos muçulmanos, assim como a totalidade da humanidade, dependia de um estado islâmico que representasse uma terceira via, ou seja, uma alternativa ao total socialismo e ao capitalismo (ainda que mantivesse as próprias influencias socialistas que influenciaram seu pensamento).

Embora críticos de certos aspectos do socialismo, muitos intelectuais islâmicos, como no caso de Said Qutb, operaram valores que poderiam ser combinados com um estilo leninista de socialismo de estado de alguma forma através de sua ênfase na fraternidade coletiva, revolução, igualdade, salvação, um estado centralizado , anticapitalismo e antidemocracia, entre outros.

Disse Qutb em Ma’rakat al-Islam wa’l-Ra’s Maliyya (”A Guerra entre o Islã e o Capitalismo”), 13º edição, 1993, (p. 44):

بل في يد الدولة أن تنزع الملكيات والثروات جميعاً، وتعيد توزيعها على أساس جديد، ولو كانت هذه الملكيات قد قامت على الأسس التي يعترف بها الإسلام، ونمت بالوسائل التي يبررها؛ لأن دفع الضر عن المجتمع كله أو اتقاء
الأضرار المتوقعة لهذا المجتمع أولى بالرعاية من حقوق الأفراد
””Em vez disso, é obrigação do Estado confiscar todas as posses e fortunas e redistribuí-las sob uma nova base, mesmo se essas posses tiverem sido obtidas através de fundações lícitas que o Islã reconhece, e aumentadas por meios que o Islã determina. Porque a repulsa pelos danos à toda a sociedade ou a proteção contra os danos esperados a essa sociedade é mais digna de ser considerada do que os direitos dos indivíduos.”

Assim, tanto os regimes autoritários quanto os intelectuais muçulmanos, com uma experiência em primeira mão da dominação colonial, recusaram completamente o Ocidente e procuraram estabelecer instituições alternativas, de caráter autoritário. Ao entender a seu próprio modo que as interpretações tradicionais do Islã ficaram aquém de permitir a implantação de meios adequados para resolver os problemas existentes, eles começaram a usar conceitos e perspectivas do socialismo russo, que era anticapitalista e de caráter antiliberal, para desenvolver um mito islâmico como uma alternativa.

Embora tais escritores produzissem obras a partir da perspectiva de explicar a falta de democracia, ou a oposição à democracia nas terras muçulmanas, suas análises das origens das ideologias baseadas nas noções de “estado” e “revolução”  emprestadas do bolchevismo russo são extremamente precisas. Isso pode ser visto nos escritos de autores como Abu Ala Mawdudi e muito mais claramente nos escritos de Sayyid Qutb.

O escritor e estudioso Phil Paine, observa, depois de ler o ”Marcos” de Said Qutb pela primeira vez:

”A primeira coisa que se percebe sobre o pensamento ideológico de Qutb é quão pouco tem a ver com as tradições do Islã, ou as necessidades das pessoas nos países islâmicos. É profundamente europeu em inspiração, e seus principais modelos são Hitler, Marx e Lenin … Lenin é de longe a influência mais forte.

Passagens inteiras parecem simplesmente copiadas de suas obras e depois uma terminologia pseudo-islâmica é inserida, “vanguarda revolucionária” se tornando “vanguarda islâmica”, e assim por diante. Como a bobagem marxista justifica a narração de qualquer mentira, a traição de qualquer valor, o compromisso de qualquer atrocidade, em nome de um destino implacável, também faz presença em Marcos …

… Qutb não estava sozinho. Nas décadas de 1920 e 1930, a Irmandade Muçulmana e outros precursores do atual movimento jihadista foram profundamente influenciados pelo marxismo e pelo nazismo. Antes da Segunda Guerra Mundial, Hitler foi a maior influência, mas com a sua derrota, o comunismo se tornou a principal inspiração. De fato, o próprio Qutb era um delegado da Internacional Comunista, sua principal ligação com a Irmandade Muçulmana. [R. R. Reilly, “As Raízes da Ideologia Islâmica”]

… Qutb baseia-se na tradição teológica asharita, bem como em fontes marxistas e nazistas. Mas o islamismo totalitário de hoje não é uma tentativa de restaurar as glórias do início do Islã. Longe disso – ele se inspira nos desvios do islamismo clássico que destruiu essas glórias (segundo os revolucionários)…

É muito interessante ver como indivíduos que são instruídos, letrados e bem versados ​​podem imediatamente reconhecer – depois de ler apenas um único livro (Marcos) – as verdadeiras e reais origens da ideologia de Qutb.  E também ter a capacidade de  conhecimento e a compreensão para reconhecer as inclinações de asharitas do mesmo. Ao contrário de jornalistas e escritores ignorantes que  que ligam Qutb a Salafiyyah.”

Ladan e Roya Boroumand escreveram em um artigo intitulado “Terror, Islamismo e Democracia”, Journal of Democracy 13.2 (2002) 5-20:

”Como Mawdudi e vários totalitaristas ocidentais, ele [Qutb] identificou sua própria sociedade (no seu caso, política muçulmana contemporânea) como entre os inimigos que uma minoria virtuosa, ideologicamente autoconsciente e de vanguarda teria que combater por qualquer meio necessário, inclusive revolução violenta, para que uma sociedade nova e perfeitamente justa pudesse surgir. Sua sociedade ideal era uma sociedade sem classes em que o “indivíduo egoísta” das democracias liberais seria banido e a “exploração do homem pelo homem” seria abolida. Somente Deus governaria isso através da implementação da lei islâmica (shari’a). Este era o leninismo em trajes islâmicos.”

Membros contemporâneos da Irmandade Muçulmana reconhecem que Qutb foi influenciado pela metodologia revolucionária leninista. Ibrahim al-Houdaiby escreve em um artigo “Quatro Décadas Depois da Execução de Sayyid Qutb”:

”Em “Marcos”, Qutb apresenta um manifesto para a mudança, fortemente influenciado pelo “O que deve ser feito” de Lenin, com a clara islamização de suas noções básicas. Ele argumentou que a sociedade estava sofrendo de “jahiliyya” (um estado de ignorância que precede a revelação do Islã) e que, consequentemente, não há espaço para um meio termo entre os islamistas revolucionários e suas sociedades.”

Paul Berman escreve em um artigo publicado no New York Times, 23 de março de 2003

”Os poucos tinham que se unir no que Qutb em “Marcos” chamou de vanguarda – um termo que ele deve ter pego emprestado de Lenin …”

Em “Sayyid Qutb: O Pai da Al-Qaida”, publicado no Independent em agosto de 2006, Daniel Martin cita Lawrence Wright observando o livro “Marcoss”:

… Seu tom apocalíptico de toque pode ser comparado com o ”Contrato Social” de Rousseau e ”O que deve ser feito” por Lenin – com consequências sangrentas semelhantes.

Rod Dreher escreve no Dallas Morning News (27 de agosto de 2006):

”O que deve ser feito? Lenin perguntou famosamente sobre a Rússia czarista. A resposta de Qutb à mesma pergunta sobre o Ocidente foi, em parte, “Marcos”, um tratado ao estilo leninista que defendia a revolução islâmica mundial.”

Como bem observado pelo ideólogo saudita Rabee al-Madkhali em suas analises sobre Qutb publicadas em 1995:

” Esta legislação que Said Qutb atribui ao Islã (referindo-se aqui a alguns aspectos do socialismo-marxismo relacionado ao confisco de riqueza dos ricos para redistribuição entre os pobres que Qutb permitiu), ele os tomou dos princípios e teoremas comunistas e ocidentais que se tornaram difundidos em sua vida. De fato, ele mesmo costumava absorver (tais princípios e teoremas) e eles permaneciam estabelecidos em sua alma e em seu intelecto na época em que ele escreveria em nome do Islã. Especialmente quando ele montou o auge da revolução ditatorial nasrita que, em sua aplicação, centrou-se em torno do socialismo, baseado no teorema de Said Qutb e seus iguais, aqueles que misturaram o socialismo marxista com a vestimenta do Islã e pelo qual o islamismo e os muçulmanos foram aglutinados.”

Said Qutb baseou suas ideologias em sua própria base socialista, marxista e leninista. Ele já estivera envolvido em uma revolução do estilo leninista quando ele, juntamente com Nasser e os Oficiais Livres, tramaram a revolução pela qual Nasser chegou ao poder – embora ele e Nasser tenham se separado depois (e Qutb, tendo sido mais tarde executado por Nasser).

O fato de Said Qutb ter sido fortemente influenciado pelo socialismo marxista e pelo leninismo está sendo firmemente estabelecido à medida que mais e mais estudos acadêmicos são conduzidos, observando a evolução dos escritos e ideologias de Qutb no pano de fundo das paisagens sociais, econômicas e políticas em mudança.

Como todos os grupos takfiristas e jihadistas contemporâneos que promovem a revolução como um meio de reforma inevitavelmente tomaram suas metodologias de Said Qutb, eles podem ser corretamente chamados de Leninistas-Kharijitas, já que a verdadeira base intelectual de suas ideologias e metodologias foi completamente exposta. O Leninismo  de Qutb não conseguiu encontrar a revolução que imaginou no Alcorão, na Sunnah ou em qualquer um dos estudiosos muçulmanos ortodoxos.

Fonte: https://www.abc.se/home/m9783/ir/ez/isl2/S-Qutb-Lenin.html

Equipe História Islâmica

O História Islâmica é uma iniciativa com mais de meia década de existência, que visa preencher uma importante lacuna no conhecimento popular: a consciência do legado muçulmano. Sendo a maior página de seu gênero em língua portuguesa, buscamos sempre nos atualizar em pesquisas para trazer um conteúdo de qualidade ao nosso público.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar