Escolha uma Página

O grupo terrorista Hamas foi fundado em 1988, em Gaza, na época da Primeira Intifada, com um estatuto agora infame por seu antissemitismo e sua recusa em aceitar a existência do Estado sionista de Israel. Mas por mais de uma década antes, as autoridades israelenses ativamente permitiram sua existência e auxiliaram sua ascensão.

Na época, o principal inimigo de Israel era o partido Fatah, do falecido Yasser Arafat, que formava o coração da Organização de Libertação da Palestina (OLP). O Fatah era secular e lançado nos moldes de outros movimentos de guerrilha revolucionária de esquerda que travaram insurreições em outras partes do mundo durante a Guerra Fria. A OLP realizou assassinatos e sequestros e, embora reconhecida pelos estados árabes vizinhos, era considerada uma organização terrorista por Israel; Agentes da OLP nos territórios ocupados enfrentaram uma brutal repressão nas mãos das forças israelenses.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas sentadas
Guerrilheiros palestinos lêem o “Livro Vermelho” de Mao Tsetung, Jordânia, 1970. 

Enquanto isso, as atividades dos extremistas afiliadas à Irmandade Muçulmana banida do Egito foram permitidas a céu aberto em Gaza – uma mudança radical de quando a Faixa era administrada pelo governo nacionalista secular egípcio de Gamal Abdel Nasser. O Egito perdeu o controle de Gaza para Israel depois da guerra árabe-israelense de 1967, na qual Israel também tomou a Cisjordânia. Em 1966, Nasser havia executado Said Qutb, um dos principais intelectuais da Irmandade e o “pai” ideológico do terrorismo islâmico moderno. Os israelenses viram os partidários de Qutb nos territórios palestinos, incluindo Ahmed Yassin, o líder religioso muçulmano em cadeira de rodas, como um contrapeso útil à OLP secular de Arafat.

Resultado de imagem para hamas sheykh yassin"
O clérigo palestino fundador do Hamas, sheykh Ahmad Yasin em seu ”retorno triunfal” a Gaza em 1997 após mais um período de detenção em Israel.

O clérigo paraplégico, aproveitando-se da amizade israelense, montou uma ampla rede de escolas, clínicas, uma biblioteca e jardins de infância. Yassin formou o grupo islâmico Mujama al-Islamiya, que foi oficialmente reconhecido por Israel como uma instituição de caridade e, em seguida, em 1979, como uma associação. Israel também endossou o estabelecimento da Universidade Islâmica de Gaza, que agora considera um foco de militância. Posteriormente, a universidade foi um dos primeiros alvos atingidos por aviões de guerra israelenses na Operação Chumbo Fundido de 2008-9, na qual foram mortos por volta de 1.383 civis palestinos.

O Mujama de Yassin se tornaria o Hamas, o qual, pode-se argumentar, era o Talibã de Israel: um grupo extremista cujos antecedentes haviam sido estabelecidos pelo Ocidente em uma batalha contra um inimigo esquerdista, como o grupo afegão fora para os EUA na guerra contra os soviéticos.

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sentadas e área interna
Durante a invasão soviética do Afeganistão (1979-1989), o governo dos Estados Unidos, através da chamada Operação Ciclone, nome em código do programa da CIA, armou os mujahidins do Afeganistão, que mais tarde se tornariam o talibã. Foi uma das mais longas e dispendiosas operações da CIA jamais realizadas. Entre 1987 e 1989, os serviços secretos do Paquistão (ISI) e a CIA operavam juntas, armando as milícias que combatiam as tropas soviéticas. Na foto, o presidente americano Ronald Reagan em um encontro com os líderes do movimento mujahidin afegão no Salão Oval da Casa Branca em 1983.

Israel condenou Yassin em 1984 com uma sentença de 12 anos após a descoberta de esconderijos de armas em seus domínios, mas ele foi libertado um ano depois. Os israelenses estavam mais preocupados com outros inimigos.

Eventualmente, as mesas giraram. Depois dos acordos de Oslo de 1993, o reconhecimento formal de Israel da OLP e o início do que hoje conhecemos como o processo de paz, o Hamas era agora ”uma pedra no sapato” de Israel, pois seu objetivo original de criação já não existia. O Hamas se recusou a aceitar Israel ou a renunciar à violência e se tornou talvez a principal instituição de resistência palestina à ocupação israelense, que, muito além da ideologia religiosa extremista embebida em marxismo, é a principal razão para sua contínua popularidade entre setores da sociedade palestina.

Yassin foi morto em um ataque aéreo israelense em 2004. Em 2007, após uma vitória legítima do Hamas que enfureceu tanto o Ocidente quanto o Fatah, o grupo extremista assumiu Gaza – um movimento que levou a estritos bloqueios israelenses e ao ciclo de conflito que é mais uma vez repetido.

Dai em diante, um relacionamento estranho e autossustentável permanece. O governo sionista de Israel – compreendendo muitos políticos que têm pouco interesse em ver a criação de um estado palestino separado, e no passado ajudaram a criar o próprio Hamas – usa como bandeira a suposta ”ameaça à segurança” que os foguetes toscos e mal feitos do Hamas representam. E o Hamas depende, de sua parte, de uma ideologia e estratégia impregnada de confronto e resistência, ainda que inútil e sem qualquer resulta alcançado além da morte de seus escudos humanos civis.

Israel precisa do Hamas para continuar matando palestinos com uma justificativa, e o Hamas precisa de Israel para continua lutando sua resistência falida.

Como Israel ajudou a criar o Hamas

Você sabia que o Hamas – que é uma sigla em árabe para o “Movimento de Resistência Islâmica” – provavelmente não existiria hoje se não fosse pelo Estado sionista? Ou que os israelenses ajudaram a transformar uma pequena organização de militantes palestinos marginais no final dos anos 1970 em um dos grupos extremistas mais notórios do mundo?O ex-oficial israelense Yitzhak Segev, que foi governador militar israelense em Gaza no início dos anos 80, disse a um repórter do New York Times que ele ajudou a financiar o movimento islâmico palestino como um "contrapeso" aos secularistas e esquerdistas da Organização de Libertação da Palestina do Fatah, liderada por Yasser Arafat. Avner Cohen, ex-funcionário de assuntos religiosos israelenses que trabalhou em Gaza por mais de duas décadas, disse ao Wall Street Journal em 2009 que o Hamas é " criação de Israel". O Hamas foi o resultado disso, como Mehdi Hasan explica. Primeiro, os israelenses ajudaram a construir uma linhagem militante do islamismo político palestino, na forma do Hamas e de seus precursores da Irmandade Muçulmana; depois, os israelenses mudaram de rumo e tentaram bombardear, sitiar e bloquear a sua existência.

Posted by História Islâmica on Tuesday, August 28, 2018

Leia Também