Notícias

Os Senhores de Damasco – A História do Califado Omíada

Em nosso artigo anterior sobre as guerras civis  que marcaram o inicio da história politica islâmica, cobrimos o califado de Ali a dissidência de Muawiyah sob a questão da morte de Osman, bem como os eventos que levaram a famosa Batalha de Karbala onde foi morto o neto do Profeta Muhammad, Hussein, dando assim inicio de facto a dinastia omíada sob Yazid I.

A notícia da morte de Hussein alimentou mais movimentos de oposição, principalmente nas cidades santas de Meca e Medina. Inicialmente, o povo de  Madina não se juntou a nenhum levante, mas após a privação de direitos por parte do governo omíada, eles enviaram uma delegação a Yazīd. A delegação retornou, tendo testemunhado em primeira mão seu estilo de vida e métodos de governar. Após uma conferência com os notáveis de Medina, incluindo alguns dos sahabas que ainda estavam vivos e muitos de seus seguidores proeminentes, foi decidido unir oposição ao governo omíada. Os representantes omíadas se vendo em grande apuro e descontentamento, solicitaram a ajuda de Yazid.

Yazid respondeu enviando Muslim Ibn Uqbah al Marri, liderando por volta de 12.000, para por fim a dissidência contra seu governo. Inicialmente, as ordens eram para não criar qualquer tipo de violência caso o povo de Medina se rendesse, mas o descontetamento com o governo omíada e o assassinato de Hussein em Karbala ainda fazia o sangue daqueles muçulmanos ferver, resultando assim na recusa em aceitar Yazid como califa. Depois de acamparem em Harrah perto de Medina, Ibn Uqbah ordenou que a luta começasse. O povo de Madina não tinha um exército permanente. A força de 12.000 era naturalmente ascendente, e a “luta” desceu em uma carnificina de assassinato e pilhagem. As forças omíadas pilharam a cidade por  três dias e noites. Diversos companheiros do Profeta ainda vivos foram mortos, e as atrocidades cometidas por Muslim Ibn Uqbah lhe fizeram ganhar o apelido infame na história islâmica de ”Musrif” Ibn Uqbah, que mudava o significado de seu nome de “muçulmano” para “violador”.

Yazid I morreu enquanto o cerco ainda estava em andamento, e o exército omíada retornou a Damasco, deixando Ibn al-Zubayr ainda no controle de Meca, liderando a resistência. O filho de Yazid, Muawiya II (683-84), inicialmente o sucedeu, mas parece nunca ter sido reconhecido como califa fora da Síria. Duas facções se desenvolveram dentro da Síria: a Confederação de Qays, que apoiou Ibn al-Zubayr, e a Quda’a, que apoiou Marwan, um descendente de Umayya, patriarca fundador da linhagem omíada, via Wa’il ibn Umayyah. Os partidários de Marwan triunfaram numa batalha em Marj Rahit, perto de Damasco, em 684, e Marwan tornou-se califa pouco depois.

A primeira tarefa de Marwan foi afirmar sua autoridade contra as reivindicações rivais de Ibn al-Zubayr, que nessa época era reconhecido como califa na maior parte do mundo islâmico. Marwan recapturou o Egito para os omíadas, mas morreu em 685, tendo reinado por apenas nove meses. Marwan foi sucedido por seu filho, Abd al-Malik (685-705), que reconsolidou o controle omíada do califado. O início do reinado de Abd al-Malik foi marcado pela revolta de Al-Mukhtar, baseada em Kufa. Al-Mukhtar esperava elevar Muhammad ibn al-Hanafiyyah, outro filho de Ali, ao califado, embora o próprio Ibn al-Hanafiyyah não tenha tido qualquer ligação com a revolta. As tropas de al-Mukhtar travaram batalhas com os omíadas em 686, derrotando-as no rio Khazir, perto de Mosul, e com Ibn al-Zubayr em 687, quando a revolta de al-Mukhtar foi esmagada. Em 691, tropas omíadas reconquistaram o Iraque e em 692 o mesmo exército se dirigiu a Meca para finalizar de uma vez por todas com Ibn al-Zubayr, que foi derrotado e morto, Os danos dos cercos omíadas a Meca foram tão grandes, que as catapultas utilizadas pelos sitiantes chegaram a destruir a própria Caaba.

O segundo grande evento do início do reinado de Abd al-Malik foi a construção do Domo da Rocha em Jerusalém. Embora a cronologia permaneça incerta, o edifício parece ter sido concluído em 692, o que significa que estava em construção durante o conflito com Ibn al-Zubayr. Isso levou alguns historiadores, tanto medievais quanto modernos, a sugerir que o Domo da Rocha foi construído como um destino de peregrinação para rivalizar com a Caaba, que estava sob o controle de Ibn al-Zubayr, visto que Jerusalém, ainda que em menor grau, é considerada uma cidade santa no Islã.

Domo da Rocha em Jerusalém. E estrutura atual representa diversas heranças arquitetonicas que vão dos omíadas aos otomanos sob o reinado de Suleiman I no século XVI.

Acredita-se que Abd al-Malik centralizou a administração do califado e estabeleceu o árabe como língua oficial. Ele também introduziu uma moeda exclusivamente muçulmana, marcada por sua decoração anicônica, que suplantou as moedas bizantinas e sassânidas que anteriormente estavam em uso. Abd al-Malik também recomeçou a guerra ofensiva contra Bizâncio, derrotando os bizantinos em Sebastópolis e recuperando o controle sobre a Armênia e a Ibéria caucasiana.

Dinar de ouro omíada retratando a figura do califa Abd al-Malik, em modelo alusivo ao bizantino, cunhada por volta de 695.

Após a morte de Abd al-Malik, seu filho, al-Walid I (705-15), tornou-se califa. al-Walid também foi ativo como construtor, patrocinando a reconstrução e reforma da Mesquita do Profeta em Medina e da Grande Mesquita de Damasco, que seria conhecida desde então como a Mesquita Omíada. O local de construção da mesquita era a Igreja de São João Batista, que já era usada há anos como local de culto por cristãos e muçulmanos, onde acredita-se que repouse os restos mortais do próprio João Batista, figura reverenciada tanto por muçulmanos como por cristãos. Para compensar a total transformação do prédio em mesquita, al-Walid entregou diversos templos a população cristã da cidade.

Os omíadas tinham muitos não-muçulmanos, ex-administradores romanos e persas em seu governo. São João Damasceno, por exemplo, foi um alto administrador no califado omíada. Mesmo após tomar cidades, eles deixavam os representantes políticos em sua administração, com poucas mudanças no geral. Os impostos para o governo central eram calculados e negociados pelos representantes políticos dos povos. O governo central era pago pelos serviços que prestava e o governo local, composto por não-muçulmanos, também. Muitas cidades cristãs também usaram alguns dos impostos para manter suas igrejas e administrar suas próprias organizações. Mais tarde, os omíadas foram criticados por alguns muçulmanos por não removerem as taxas de jizyah mesmo de convertidos. Esses novos convertidos continuaram a pagar os mesmos impostos que foram negociados anteriormente, gerando muito descontentamento.

No ano de 712, Muhammad bin Qasim, um general omíada, com por volta de 15 anos de idade, partiu do Golfo Pérsico para Sindh no Paquistão e conquistou as regiões Sindh e Punjab ao longo do rio Indus, após os ataques de piratas da região a navios muçulmanos. A conquista de Sindh e Punjab, no atual Paquistão, embora dispendiosa, foram grandes ganhos para o califado omíada. No entanto, mais ganhos foram detidos por reinos hindus na Índia nas campanhas do califado na Índia. Os árabes tentaram invadir a Índia, mas foram derrotados pelo rei do norte da Índia, Nagabhata, da Dinastia Pratihara de Gurjara, e pelo imperador do sul da Índia, Vikramaditya II, da dinastia Chalukya, no início do século VIII.

Uma figura importante durante os reinados de al-Walid e Abd al-Malik foi o cruel governante omíada do Iraque, Hajjaj Ibn Yusuf. Muitos iraquianos permaneceram resistentes ao governo dos omíadas, e para manter a ordem al-Hajjaj importou tropas sírias, que ele abrigou em uma nova cidade de guarnição, Wasit. Essas tropas tornaram-se cruciais na supressão de uma revolta liderada por um general iraquiano, Ibn al-Ashath, no início do século VIII.

Al-Walid foi sucedido por seu irmão, Sulayman (715-17), cujo reinado foi dominado por um prolongado cerco a Constantinopla. O fracasso do cerco marcou o fim de sérias ambições árabes contra a capital bizantina. A conquista da cidade pelos muçulmanos teria de esperar séculos, até 1453. No entanto, as duas primeiras décadas do século VIII testemunharam a contínua expansão do califado, que penetrava a Península Ibérica no oeste, e a transoxiana na conquista muçulmana da Transoxiana (sob a influência de Qutayba ibn Muslim) e do norte da Índia no leste.

Fontes árabes alegam que Qutayba ibn Muslim brevemente tomou Kashgar da China e retirou-se depois de um acordo. O Califado árabe dos Omíadas em 715 depôs Ikhshid, rei do Vale Fergana, e instalou um novo rei, Alutar, no trono. O rei deposto fugiu para Kucha (sede do Protetorado de Anxi) e buscou a intervenção chinesa. A dinastia Tang chinesa enviou 10.000 tropas sob Zhang Xiaosong para Ferghana. Ele derrotou Alutar e a força de ocupação árabe em Namangan e reinstalou Ikhshid no trono. A dinastia Tang chinesa derrotou os invasores omíadas na Batalha de Aksu (717). O comandante árabe dos Omíadas al-Yashkuri e seu exército fugiram para Tashkent depois que foram derrotados.

Sulayman foi sucedido por seu primo, Omar ibn Abd al-Aziz (717 a 20), cuja posição entre os califas omíadas é um tanto incomum. Ele é o único governante omíada a ser reconhecido pela subsequente tradição islâmica como um califa genuíno e não meramente como um simples rei mundano, principalmente por sua piedade. Omar é homenageado por sua tentativa de resolver os problemas fiscais, bem como pelo seu combate a vida luxuosa na corte, legando um governo de extrema prosperidade. Após a morte de Omar, outro filho de Abd al-Malik, Yazid II (720-24) tornou-se califa. Yazid é mais conhecido por seu “édito iconoclasta”, que ordenou a destruição de imagens cristãs dentro do território do califado, provavelmente numa tentativa de agrado politico ao imperador bizantino Leão III, o Isauro, que havia feito um decreto da mesma natureza no mesmo período, instaurando a iconoclastia. Em 720, outra grande revolta surgiu no Iraque, desta vez liderada por Yazid ibn al-Muhallab.

O último filho de Abd al-Malik a tornar-se califa foi Hisham (724-43), cujo reinado longo e cheio de acontecimentos foi sobretudo marcado pela redução da expansão militar. Hisham estabeleceu sua corte em Resafa, no norte da Síria, que ficava mais perto da fronteira bizantina do que Damasco, e retomou as hostilidades contra os bizantinos, que haviam se sucumbido após o fracasso do último cerco a Constantinopla. As novas campanhas resultaram em uma série de ataques bem sucedidos na Anatólia, mas também em uma grande derrota (a Batalha de Akroinon), e não levou a nenhuma expansão territorial significativa.

O portão norte da cidade de Resafa, local do palácio e corte de Hisham.
Estátua que acredita-se ser do califa al-Walid II, trajando um robe em estilo romano, espada e barba em um pedestal sobre dois leões em sinal de triunfo, na entrada da casa de banhos do palácio.

Das bases africanas do noroeste do califado, uma série de ataques às áreas costeiras do Reino Visigótico abriu o caminho para a ocupação permanente da maioria da Ibéria pelos omíadas (a partir de 711), e para o sudeste da Gália em Narbonne em 759. O reinado de Hisham testemunhou o fim da expansão no oeste, após a derrota de uma pequena tropa de saqueadores árabes pelos francos na Batalha de Tours em 732. Em 739 uma grande revolta berbere eclodiu no norte da África, foi provavelmente o maior revés militar no reinado do califa Hisham. Dele emergiram alguns dos primeiros estados muçulmanos fora do califado. É também considerado como o início da independência marroquina, pois o Marrocos nunca mais ficaria sob o domínio de um califa oriental ou de qualquer outra potência estrangeira até o século XX. Foi seguido pelo colapso da autoridade omíada em al-Andalus, que ainda controlada por muçulmanos, não possuía autoridade unificada no momento especifico. Na Índia, os exércitos árabes foram derrotados pela dinastia Chalukya do sul da Índia e pela Dinastia Pratiharas do norte da Índia no século VIII e os árabes de lá foram expulsos.

No Cáucaso, o confronto com os khazares atingiu o auge com Hisham: os árabes estabeleceram Derbent como uma grande base militar e lançaram várias invasões no norte do Cáucaso, mas não conseguiram subjugar os nômades khazares. O conflito foi árduo e sangrento, e o exército árabe sofreu até uma grande derrota na Batalha de Marj Ardabil em 730. Marwan ibn Muhammad, o futuro Marwan II, finalmente terminou a guerra em 737 com uma invasão maciça que teria atingido até o Volga, mas os khazares continuavam sem ser subjugados.

Hisham sofreu derrotas ainda piores no leste, onde seus exércitos tentaram subjugar tanto a Bactria, com seu centro em Balkh, e a Transoxiana, com seu centro em Samarcanda. Ambas as áreas já haviam sido parcialmente conquistadas, mas permaneciam difíceis de governar. Mais uma vez, uma dificuldade particular dizia respeito à questão da conversão de não-árabes, especialmente os sogdianos da Transoxiana. Após a derrota omíada no “Dia da Sede” em 724, Ashras ibn ‘Abd Allah al-Sulami, governador de Khorasan, prometeu alívio fiscal para os sogdianos que se convertessem ao Islã, mas voltou atrás em sua oferta quando se mostrou muito popular e ameaçou reduzir as receitas fiscais. O descontentamento entre os proprios árabes da região aumentou drasticamente após as perdas sofridas na Batalha do Defile em 731. Em 734, al-Harith ibn Surayj liderou uma revolta que recebeu amplo apoio de árabes e nativos, capturando Balkh, mas não tomando Merv. Após essa derrota, o movimento de al-Harith parece ter sido dissolvido. O problema dos direitos dos muçulmanos não-árabes continuaria a atormentar os omíadas até o fim, pois, não-muçulmanos ainda que convertidos, continuavam a pagar a jiziyah. Isso se mostrou uma política fiscal desastrosa.

Hisham foi sucedido por al-Walid II (743-44), filho de Yazid II. É relatado que al-Walid estava mais interessado em prazeres terrenos do que em religião, uma reputação que pode ser confirmada pela decoração dos chamados “palácios do deserto” (incluindo Qusayr Amra e Khirbat al-Mafjar) que foram atribuídos a ele. Ele rapidamente atraiu a inimizade de muitos, tanto por executar um número daqueles que se opuseram à sua ascensão, como por perseguir os membros da seita Qadariyya, movimento religioso que negava a doutrina da predestinação divina na criação.

A imagem pode conter: 5 pessoas
Poucos palácios do Califado Omíada de Damasco, a primeira dinastia islâmica da história (661-750) sobreviveram ao tempo, com os exemplos mais bem preservados sendo o de Qusayr Amra e Khirbar al-Mafjar na Jordânia. O Palácio de Khirbat al-Mafjar foi construído pelo califa Hisham ibn Abd al-Malik (691 – 743) ou seu filho Walid II ( 743-744) em meados do século VIII, e é um perfeito exemplo da vida de luxo e imitação da corte bizantina dos últimos califas omíadas. O palácio contém além de outras dependências uma mesquita, uma casa de banhos e uma sala de audiência todos ricamente decorados, No entanto, a decoração dos interiores do complexo são sem duvida um tanto controversas. Há muitas estatuas de figuras humanas, desde estátuas de mulheres seminuas trajando apenas toalhas ou tangas, como do próprio califa em um pedestal sobre dois leões de pedra. Há também mosaicos em estilo bizantino e colunas gregas.

Em 744, Yazid III, filho de al-Walid I, foi proclamado califa em Damasco e seu exército localizou e matou al-Walid II. Yazid III recebeu uma certa reputação de piedade. Ele morreu apenas seis meses em seu reinado. Yazid nomeara seu irmão, Ibrahim, como seu sucessor, mas Marwan II (744-50), neto de Marwan I, liderou um exército da fronteira norte e entrou em Damasco em dezembro de 744, onde foi proclamado califa. Marwan imediatamente mudou a capital para o norte, para Harran, no extremo sul da Anatólia. Uma rebelião logo eclodiu na Síria, talvez devido ao ressentimento pela realocação da capital, e em 746 Marwan arrasou as muralhas de Homs e Damasco em retaliação.

Marwan também enfrentou uma oposição significativa dos khawarij no Iraque e na Pérsia, que colocaram primeiro Dahhak ibn Qays e depois Abu Dulaf como califas rivais. Em 747, Marwan conseguiu restabelecer o controle do Iraque, mas a essa altura uma ameaça mais séria havia surgido em Khorasan.

O movimento Hashimiyya (uma sub-seção dos xiitas kaysanitas), liderado pela família abássida, iniciou uma rebelião armada e aberta contra os omíadas nas províncias persas do califado. Taxações abusivas e discriminação de muçulmanos não-árabes são causas comumente levantadas quando se estuda os motivos que levaram a famosa Revolução Abássida no ano de 750 . Os abássidas eram membros do clã Hashim, rivais dos omíadas, mas a palavra “Hashimiyya” parece se referir especificamente a Abu Hashim, neto de Ali e filho de Muhammad ibn al-Hanafiyya, que fora o ícone de outra revolta anos atrás. De acordo com certas tradições, Abu Hashim morreu em 717 em Humeima na casa de Muhammad ibn Ali, o chefe da família abássida, e antes de morrer nomeou Muhammad ibn Ali como seu sucessor. Essa tradição permitiu que os abássidas reunissem os partidários da fracassada revolta de Mukhtar, que se representava como partidários de Muhammad ibn al-Hanafiyya.

Começando por volta de 719, as missões da Hashimiyya começaram a buscar adeptos em Khorasan. Sua campanha era impulsionada por um forte proselitismo politico xiita, que visava restauras autênticos descendes diretos do clã do Profeta Muhammad, os Banu Hashim, contra os alegadamente corruptos omíadas. Eles buscaram apoio para um “membro da família” do Profeta, sem fazer menção explícita aos abássidas. Essas missões tiveram sucesso tanto entre árabes quanto não-árabes (mawalis), tendo estes desempenhado um papel particularmente importante no crescimento do movimento.

Por volta de 746, Abu Muslim assumiu a liderança da Hashimiyya em Khorasan. Em 747, ele iniciou com sucesso uma revolta aberta contra o governo omíada, que foi realizado sob o signo da bandeira negra. Ele logo estabeleceu o controle de Khorasan, expulsando seu governador omíada, Nasr ibn Sayyar, e despachou um exército para o oeste. Kufa caiu para a Hashimiyya em 749, a última fortaleza omíada no Iraque, Wasit, foi sitiada, e em novembro do mesmo ano Abul Abbas as-Saffah foi reconhecido como o novo califa na mesquita de Kufa. Neste ponto, Marwan mobilizou suas tropas de Harran e avançou em direção ao Iraque. Em janeiro de 750, as duas forças se encontraram na batalha de Zab e os omíadas foram derrotados. Damasco caiu para os abássidas em abril e, em agosto, Marwan foi morto no Egito.

Os vitoriosos abássidas profanaram os túmulos dos omíadas na Síria, poupando apenas o do famoso santo califa Omar II, e a maioria dos membros remanescentes da família omíada foram perseguidos e mortos. Quando os abássidas declararam anistia aos membros da família omíada, oitenta se reuniram para receber indulto e todos foram massacrados. Um neto de Hisham, Abd al-Rahman I, sobreviveu, escapou pelo Norte da África e estabeleceu um emirado na Ibéria, que mais tarde seria o famoso Al-Andalus, que seria governado por seus descendentes a partir de Córdoba. Numa afirmação não reconhecida fora de al-Andalus, ele afirmava que o Califado Omíada, o verdadeiro e autêntico califado, mais legítimo do que os abássidas, continuava através dele em Córdoba.

Alguns estudiosos apontam que o declínio dos omíadas foi devido a rápida expansão territorial. Durante o período omíada, conversões em massa trouxeram persas, berberes, coptas e aramaicos para o Islã. Esses mawalis eram frequentemente mais instruídos e mais civilizados de que seus conquistadores árabes, e conseguiam articular-se contra eles quando queriam. Os novos convertidos, com base na crença de igualdade de todos os muçulmanos, transformaram a paisagem política combatendo os omíadas, que ainda eram muito imbuídos de tribalismo árabe, muitas vezes não respeitando os laços islâmicos da Ummah (nação islâmica). O califado omíada legou ao Islã um vasto território, a primeira marinha muçulmana, pilotada por cristãos monofisistas, coptas e assírios que venceram os bizantinos na Batalha dos Mastros em 654, bem como grandes reformas administrativas e arquitetônicas que podem ainda ser vista nas ruínas de seus palácios na Síria, e nas grandes mesquitas em Damasco e Jerusalém.

The Umayyad Caliphate at its greatest extent in 750 AD
Extensão máxima dos domínios omíadas (661–750) com 11,100,000 km2 e 33 milhões de habitantes, em sua imensa maioria, não muçulmanos.

Bibliografia:

G. R. Hawting, The first dynasty of Islam: the Umayyad caliphate, AD 661–750 Rutledge Eds. (London, 2000)F. M.

Donner, The early Islamic conquests (Princeton, 1981).

Kennedy, Hugh N. (2004). The Prophet and the Age of the Caliphates: The Islamic Near East from the 6th to the 11th Century

The Battle of Al-Harrah: The Massacre & Pillage of Madina by Muslim Ibn ‘Uqbah

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar