Notícias

Os Omíadas vão para a Espanha – A jornada de Abdul Rahman, príncipe fugitivo e primeiro califa da Europa

Em nosso último artigo, cobrimos a história do Califado Omíada centrado em Damasco na Síria que sucedeu o Califado Rashidun e iniciou a tradição monárquica islâmica, pondo fim aos califas eletivos. Dentre os anos  748–750, os omíadas enfrentaram sua pior crise politica, com insatisfação geral por parte de seus súditos, principalmente centrados em Khorassan no Oriente persificado devido a suas posturas politicas. O que acabou conduzindo a Revolução Abássida e o massacre de praticamente todos os membros da dinastia. Dentre os poucos que conseguiram escapar, estava Abdul Rahman, que mais tarde ficaria conhecido como Abdul Rahman I, posteriormente fundador do Emirado de Córdoba na Ibéria islâmica, ou, al-Andalus.

Nascido perto de Damasco, na Síria, Abdul Rahman era filho do príncipe omíada Mu’awiya ibn Hisham e de sua concubina Ra’ha, uma mulher berbere de Nefzaoua, e, portanto, neto de Hisham ibn Abd al-Malik, califa de 724 a 743. Ele tinha vinte anos quando sua família, os omíadas, foram derrubados pela Revolução Abássida. Abdul Rahman e uma pequena parte de sua família fugiram de Damasco; as pessoas que se deslocam com ele incluem seu irmão Yahya, seu filho de quatro anos, Sulayman, e algumas de suas irmãs, assim como seu escravo liberto grego, Bedr. A família fugiu de Damasco para o rio Eufrates. O caminho estava cheio de perigo, pois os abássidas haviam despachado cavaleiros pela região para tentar encontrar o príncipe omíada e matá-lo. Os abássidas eram extremamente impiedosos com qualquer omíada que encontrassem. Agentes abássidas cercaram Abdul Rahman e sua família enquanto eles estavam se escondendo em uma pequena aldeia. Ele deixou seu filho com suas irmãs e fugiu com Yahya. As contas variam, mas Bedr provavelmente escapou com Abdul Rahman.

Abdul Rahman, Yahya e Bedr deixaram a aldeia, escapando por pouco dos assassinos abássidas. No caminho para o sul, os cavaleiros abássidas novamente alcançaram o trio. Abdul Rahman e seus companheiros então se jogaram no rio Eufrates. Os cavaleiros pediram que voltassem, prometendo que nenhum dano lhes adviria; e Yahya, talvez com medo de se afogar, voltou atrás, enquanto Abdul Rahman suplicava para que continuasse. Yahya retornou à costa próxima e foi rapidamente morto pelos cavaleiros. Eles cortaram sua cabeça e deixaram seu corpo para apodrecer. Abdul Rahman foi tão dominado pelo medo que da margem distante ele correu até a exaustão dominá-lo. Só ele e Bedr foram deixados para enfrentar o desconhecido.

Depois de mal escaparem com suas vidas, Abdul Rahman e Bedr continuaram para o sul através da Palestina, o Sinai e depois para o Egito. Abdul Rahman teve que se disfarçar enquanto viajava. Pode-se supor que ele pretendia ir pelo menos até o noroeste da África (Magrebe), a terra de sua mãe, parcialmente conquistada por seus antecessores omíadas. A jornada pelo Egito seria perigosa. Na época, outro Abdul Rahman, Ibn Habib al-Fihri era o governador semi-autônomo de Ifriqiya (aproximadamente a Tunísia moderna) e um ex-cliente omíada. O ambicioso Ibn Habib, um membro da ilustre família Fihrida, há muito procurava estabelecer Ifriqiya como um domínio privado para si mesmo. A princípio, ele buscou um entendimento com os abássidas, mas quando eles recusaram seus mandatos e exigiram sua submissão, Ibn Habib rompeu abertamente com os abássidas e convidou os remanescentes da dinastia omíada para se refugiarem em seus domínios. Abdul Rahman foi apenas um dos vários membros sobreviventes da família omíada a ir para Ifriqiya neste momento.

Mas Ibn Habib logo mudou de ideia. Ele temia que a presença de exilados omíadas proeminentes em Ifriqiya, uma família mais ilustre que a dele, pudesse se tornar um ponto focal para a intriga entre os nobres locais contra seus próprios poderes usurpados. Por volta de 755, acreditando ter descoberto tramas envolvendo alguns dos mais proeminentes exilados omíadas em Kairouan, Ibn Habib se voltou contra eles. Na época, Abdul Rahman e Bedr mantinham-se discretos, permanecendo em Kabylie, no acampamento de um chefe berbere da tribo nafza, seu amigo. Ibn Habib enviou espiões para procurar o príncipe omíada. Quando os soldados de Ibn Habib entraram no campo, a esposa do chefe berbere Tekfah escondeu Abdul Rahman sob seus pertences pessoais para ajudá-lo a passar despercebido. Assim que se foram, Abdul Rahman e Bedr partiram imediatamente para o oeste.

Em 755, Abdul Rahman e Bedr chegaram ao atual Marrocos perto de Ceuta. O próximo passo seria cruzar o mar até al-Andalus, onde Abdul Rahman não poderia ter certeza se seria bem-vindo ou não. Após a Revolta Berbere dos anos 740, a província estava em um estado de confusão, com a comunidade muçulmana dilacerada por dissensões tribais entre os árabes iemenitas e sírios, e as tensões raciais entre os árabes e berberes. Naquele momento, o governante nominal de al-Andalus, emir Yusuf ibn Abdul Rahman al-Fihri – outro membro da família Fihrida e um favorito dos antigos colonos árabes, principalmente do sul da Arábia ou iemenitas – estava em uma disputa com seu vizir (e genro) al-Sumayl ibn Hatim al-Kilabi, o chefe dos árabes sírios – que haviam chegado em 742.

Entre os sírios havia contingentes de velhos clientes omíadas, que somavam talvez 500,e Abd al-Rahman acreditava que ele poderia alimentar suas velhas lealdades e fazê-los recebê-lo. Bedr foi despachado através dos estreitos para fazer contato. Bedr conseguiu alinhar três comandantes sírios – Ubayd Allah ibn Uthman e Abdullah Ibn Khalid, ambos originalmente de Damasco, e Yusuf ibn Bukht de Qinnasrin. O trio se aproximou do arqui-comandante sírio al-Sumayl (então em Zaragoza) para obter seu consentimento, mas al-Sumayl recusou, temendo que Abdul Rahman tentasse se fazer emir. Como resultado, Bedr e os clientes omíadas enviaram emissários aos seus rivais, os comandantes iemenitas. Embora os iemenitas não fossem aliados naturais (os omíadas são uma tribo qaysida, árabes do norte), seu interesse foi despertado. O emir Yusuf al-Fihri provou ser incapaz de manter sob controle o poderoso al-Sumayl e vários líderes iemenitas sentiam que suas perspectivas futuras eram pobres, seja em um Fihrida ou na Ibéria dominada pelos sírios, de modo que eles tivessem uma melhor chance de progresso se eles se alinhassem ao brilho do nome omíada. Embora os omíadas não tivessem uma presença histórica na região (nenhum membro da família omíada era conhecido por ter chegado a al-Andalus antes) e havia sérias preocupações sobre a inexperiência do jovem Abdul Rahman, vários dos comandantes iemenitas sentiam que eles tinham pouco a perder e muito a ganhar, e concordaram em apoiar o príncipe.

Bedr voltou à África para contar a Abdul Rahman do convite dos clientes omíadas de al-Andalus. Pouco tempo depois, eles partiram com um pequeno grupo de seguidores para a Europa. Quando algumas tribos berberes locais souberam da intenção de Abdul Rahman de zarpar para al-Andalus, eles rapidamente cavalgaram para alcançá-lo na costa. Os membros da tribo poderiam ter imaginado que poderiam manter Abdul Rahman como refém e forçá-lo a comprar sua saída da África. De fato, ele entregou uma certa quantia de dinares aos subitamente hostis berberes locais. Assim que Abdul Rahman lançou seu barco, outro grupo de berberes chegou. Eles também tentaram obter uma taxa dele por sair. Um dos berberes segurou a embarcação de Abdul Rahman e supostamente teve sua mão cortada por um dos tripulantes do barco. Abdul Rahman desembarcou em Almuñécar, em al-Andalus, a leste de Málaga, em setembro de 755.

Resultado de imagem para Statue of Abd al-Rahman I in Almuñécar, Spain
Estátua de Abdul Rahman I em Almuñécar, Espanha.

Ao desembarcar em al-Andalus, o príncipe foi recebido por Abu Uthman e Ibn Khalid e uma escolta de 300 cavaleiros. Durante seu breve período em Málaga, ele conseguiu reunir rapidamente o suporte local. Ondas de pessoas foram até Málaga para prestar homenagem ao príncipe que julgavam estar morto, incluindo muitos dos sírios já mencionados. Lendas falam que um notável sírio ofereceu uma bela jovem escrava a Abdul Rahman, mas ele recuou-se a desposa-la humildemente.

A notícia da chegada do príncipe se espalhou como fogo pela península. Durante esse período, o emir al-Fihri e o comandante sírio al-Sumayl ponderaram o que fazer com a nova ameaça à sua instável influência no poder. Eles decidiram adicionar o príncipe a suas famílias via casamento. Se isso não funcionasse, então Abdul Rahman teria que ser morto. Abdul Rahman aparentemente era sagaz o suficiente para esperar tal enredo. A fim de ajudar a acelerar sua ascensão ao poder, ele estava preparado para aproveitar as brigas e dissensões. No entanto, antes que qualquer coisa pudesse ser feita, surgiram problemas no norte de al-Andalus. Zaragoza, uma importante cidade comercial na Marcha Superior de Andalus, fez uma tentativa de autonomia. Al-Fihri e al-Sumayl foram para o norte para aniquilar a rebelião. Este poderia ter sido um momento afortunado para Abdul Rahman, já que ele ainda estava conseguindo uma posição. Em março de 756, Abdul Rahman e seu crescente número de clientes sírios e iemenitas conseguiram tomar Servilha sem violência. Ele conseguiu quebrar a tentativa de rebelião em Zaragoza, mas apenas nessa época o governador de Córdoba recebeu notícias de uma rebelião basca em Pamplona. Um destacamento importante foi enviado por Yusuf ibn ‘Abd al-Rahman para anulá-la, mas suas tropas foram aniquiladas. Após o revés, al-Fihri voltou seu exército para o sul para enfrentar o “pretendente” ao trono. A luta pelo direito de governar al-Andalus estava prestes a começar. Os dois contingentes se reuniram em lados opostos do rio Guadalquivir, nos arredores da capital Córdoba, nas planícies de Musarah.

O rio estava, pela primeira vez em anos, transbordando suas margens, anunciando o fim de uma longa seca. No entanto, a comida ainda era escassa e o exército de Abdul Rahman sofria de fome. Em uma tentativa de desmoralizar as tropas de seu rival, al-Fihri assegurou que suas tropas não só fossem bem alimentadas, mas também comiam quantidades vorazes de comida à vista das linhas omíadas. Uma tentativa de negociações logo se seguiu, na qual é provável que Abdul Rahman tenha sido defrontado com a proposta da mão da filha de al-Fihri em casamento e grande riqueza. Abdul Rahman, no entanto, se contentaria com nada menos que o controle do emirado, e um impasse foi alcançado. Mesmo antes de a luta começar, a dissensão se espalhou por algumas linhas de Abdul Rahman. Especificamente, os árabes iemenitas estavam insatisfeitos com o fato de o príncipe estar montado em um belo cavalo espanhol, e como a coragem dele não fora testada na batalha, assim os iemenitas observaram de maneira significativa que um cavalo tão belo seria uma excelente montaria para escapar.

Sendo um político sempre cauteloso, Abdul Rahman agiu rapidamente para recuperar o apoio dos iemenitas, e passou o cavalo para um chefe deles que estava montado em uma mula. O príncipe afirmou que seu cavalo era difícil de domar e estava acostumado a tirá-lo da sela. Ele se ofereceu para trocar seu cavalo pela mula, um acordo para o qual o chefe surpreso prontamente concordou. A troca reprimiu a rebelião iemenita latente. Logo os dois exércitos estavam em suas linhas na mesma margem do Guadalquivir. Abdul Rahman não tinha estandarte e, assim, improvisou-se um ao desenrolar um turbante verde e amarrá-lo ao redor da ponta de uma lança. Posteriormente, o turbante e a lança tornaram-se a bandeira e o símbolo dos omíadas andaluzes. Abd al-Rahman liderou a investida contra o exército de al-Fihri. Al-Sumayl, por sua vez, avançou com sua cavalaria para enfrentar a ameaça dos 0míadas. Depois de uma luta longa e difícil, Abdul Rahman obteve uma vitória mais completa, e o campo estava cheio de corpos do inimigo. Ambos al-Fihri e al-Sumayl conseguiram escapar do campo (provavelmente) com partes do exército também. Abdul Rahman triunfante marchou para a capital, Córdoba. O perigo não ficou muito atrás, já que al-Fihri planejou um contra-ataque. Ele reorganizou suas forças e partiu para a capital que Abd al-Rahman usurpou dele. Mais uma vez, Abd al-Rahman encontrou al-Fihri com seu exército; Desta vez, as negociações foram bem-sucedidas, embora os termos tenham mudado um pouco. Em troca de sua vida e bens, al-Fihri seria um prisioneiro e não poderia deixar os limites da cidade de Córdoba. Al-Fihri teria que se apresentar uma vez por dia a Abdul Rahman, além de entregar alguns de seus filhos e filhas como reféns. Por um tempo, al-Fihri cumpriu as obrigações da trégua unilateral, mas ele ainda tinha muitas pessoas leais a ele; pessoas que gostariam de vê-lo de volta ao poder.

Al-Fihri finalmente fez outra tentativa de tomar. Ele deixou Córdoba e rapidamente começou a reunir apoiadores. Al-Fihri conseguiu reunir um exército supostamente em número de 20.000. É duvidoso, no entanto, que suas tropas fossem soldados “regulares”, mas uma miscelânea de homens de várias partes de al-Andalus. O governador nomeado por Abdul Rahman em Sevilha iniciou a perseguição e, após uma série de pequenas lutas, conseguiu derrotar o exército de al-Fihri. O próprio al-Fihri conseguiu escapar para a antiga capital visigoda de Toledo, no centro de al-Andalus; uma vez lá, ele foi prontamente morto. A cabeça de Al-Fihri foi enviada para Córdoba, onde Abdul Rahman a pregou em uma ponte. Com este ato, o outrora príncipe se proclamou emir de al-Andalus, e por sua vez, continuação do califado omíada na Europa. Um ato para tomar o sul da Península Ibérica tinha que ser realizado: o general de al-Fihri, al-Sumayl, tinha que ser tratado, então fora garroteado enquanto preso em Córdoba. Agora a maior parte do centro e do norte de al-Andalus (Toledo, Zaragoza, Barcelona, ​​etc.) estava fora do seu governo, com grandes faixas remanescentes nas mãos dos partidários de al-Fihri até 779 (submissão de Zaragoza ).

Não é claro se Abdul Rahman se proclamou califa. Há documentos nos arquivos de Córdoba que afirmam que esse foi seu primeiro ato ao entrar na cidade. Ele mesmo acreditava que ele estava destinado a ser califa por causa das profecias que ouvira quando menino, então parece provável que fosse. No entanto, historicamente ele é registrado como emir e não como califa. O 7º descendente de Abdul Rahman, Abdul Rahman III, iria, no entanto, assumir o título de califa. Nesse meio tempo, uma chamada foi feita pelo mundo muçulmano de que al-Andalus era um refúgio seguro para amigos da casa omíada, e para possíveis membros da família dispersa de Abdul Rahman que conseguiram escapar das lâminas abássidas. Abdul Rahman provavelmente ficou feliz em ver seu chamado ser respondido por ondas de fiéis e familiares omíadas. Ele foi finalmente reapresentado com seu filho Sulayman, a quem ele viu pela última vez chorando nas margens do Eufrates com suas irmãs. As irmãs de Abdul Rahman não conseguiram fazer a longa viagem a al-Andalus. O príncipe colocou seus familiares em altos cargos em todo o país, pois ele acreditava que poderia confiar neles mais do que em não-familiares. A família omíada voltaria a crescer grande e próspera ao longo de sucessivas gerações. No entanto, por volta de 763 ele teve que voltar ao negócio da guerra. Al-Andalus havia sido invadida por um exército abássida.

Longe, em Bagdá, o atual califa abássida, al-Mansur, há muito planejava depor os omíadas que ousavam se chamar de emires de al-Andalus. Al-Mansur instalou al-Ala ibn-Mugith como governador da África (cujo título lhe dava domínio sobre a província de al-Andalus). Foi al-Ala quem chefiou o exército abássida que desembarcou em al-Andalus, possivelmente perto de Beja (na atual Portugal). Grande parte da área ao redor de Beja capitulou para al-Ala, e de fato se reuniu sob as bandeiras negras abássidas contra o “Falcão dos Coraixitas”, como o príncipe era agora conhecido. Abdul Rahman teve que agir rapidamente. O contingente dos abássidas era muito superior em tamanho, contava com por volta de 7.000 homens. O emir rapidamente partiu para o reduto de Carmona com seu exército. O exército abássida foi rápido em seus calcanhares e sitiou Carmona por aproximadamente dois meses. Abdul Rahman deve ter percebido que o tempo estava contra ele à medida que comida e água se tornavam escassas, e o moral de suas tropas provavelmente foi questionada. Finalmente, ele reuniu seus homens e os recompôs. Abdul Rahman escolheu 700 combatentes de seu exército e os conduziu ao portão principal de Carmona. Lá, ele começou um grande incêndio e jogou sua bainha nas chamas. O emir disse a seus homens que havia chegado a hora de lutar, em vez de morrer de fome. O portão se levantou e os homens de Abdul Rahman caíram sobre os desprezíveis abássidas, desviando-os completamente. A maior parte do exército abássida foi morto. Os chefes dos principais líderes abássidas foram estraçalhados. Suas cabeças foram preservadas em sal e identificadas com marcas presas aos seus ouvidos. As cabeças foram embrulhadas em um pacote horrível e enviadas para o califa abássida que estava em peregrinação em Meca. Ao receber a evidência da derrota de Al-Ala em al-Andalus, al-Mansur teria ofegado: “Deus seja louvado por colocar um mar entre nós!” Al-Mansur odiava, e aparentemente respeitava Abdul Rahman.

De acordo com os cronistas, o califa abássida al-Mansur uma vez perguntou a seus cortesãos quem merecia o título exaltado de “Falcão dos Coraixitas” (Saqr Quraish, em alusão a tribo do Profeta, os coraixitas, da qual tanto Abdul Rahman quanto al-Mansur eram membros, só que de clãs diferentes, um omíada o outro hashemita). Os cortesãos obsequiosos naturalmente responderam “Você, ó comandante dos fiéis!”, Mas o califa disse que não. Então eles sugeriram Muawiya (fundador do califado omíada), mas o califa novamente disse não. Então eles sugeriram Abdul Malik ibn Marwan (um dos maiores califas omíadas), mas novamente não. Então quem, perguntaram, e o califa al-Mansur respondeu:

O falcão dos coraixitas é Abd al-Rahman, que escapou com sua astúcia as pontas das lanças e das espadas das, que depois de vagar solitário pelos desertos da Ásia e da África, teve a ousadia de buscar sua fortuna sem um exército, em terras desconhecidas para ele além do mar. Não tendo a mínima confiança e perseverança, ele mesmo assim humilhou seus orgulhosos inimigos, exterminou rebeldes, organizou cidades, mobilizou exércitos, assegurou suas fronteiras contra os cristãos, fundou um grande império e reuniu sob seu cetro um reino que parecia já dividido entre outros. Nenhum homem antes dele jamais fez tais feitos. Muawiya subiu à através do apoio de Omar e Osman, cujo apoio lhe permitiu superar as dificuldades; Abdul Malik, por causa de uma nomeação anterior; e o Comandante dos Fiéis [i.e. al-Mansur] através da luta de seus parentes e da solidariedade de seus partidários. Mas Abdul Rahman fez isso sozinho, com o apoio de ninguém menos que seu próprio julgamento, dependendo de ninguém além de sua própria determinação.”

Apesar de uma vitória tão tremenda, Abdul Rahman teve que reprimir continuamente as rebeliões em al-Andalus . Várias tribos árabes e berberes lutavam entre si por diferentes graus de poder, algumas cidades tentaram se separar e formar seu próprio estado, e até mesmo membros da família de Abdul Rahman tentaram tirar o poder dele. Durante uma grande revolta, os dissidentes marcharam sobre a própria Córdoba; No entanto, Abdul Rahman sempre conseguiu ficar um passo à frente e esmagou toda a oposição; como ele sempre lidou severamente com a dissidência em al-Andalus.

Apesar de todo esse tumulto em al-Andalus, Abdul Rahman queria levar a luta de volta para o leste em Bagdá. A vingança pelo massacre de sua família nas mãos dos abássidas deve certamente ter sido o fator determinante dos planos de guerra de Abdul Rahman. No entanto, sua guerra contra Bagdá foi suspensa por mais problemas internos. A cidade de Zaragoza, na Marcha Superior, permaneceu fora do alcance do líder omíada desde os tempos de Yusuf al-Fihri, pedindo autonomia. Abdul Rahman nem sonhava que, quando ele partiu para resolver questões naquela cidade do norte, suas esperanças de guerra contra Bagdá seriam indefinidamente suspensas.

Zaragoza provou ser uma cidade muito difícil de reinar não apenas pelo emir, mas também por seus sucessores. Nos anos 777-778, vários homens notáveis, incluindo Sulayman ibn Yokdan al-Arabi al-Kelbi, o auto-nomeado governador de Zaragoza, reuniram-se com os delegados do líder dos francos, Carlos Magno. O exército de Carlos Magno foi convocado para ajudar os governadores muçulmanos de Barcelona e Zaragoza contra o emir Córdoba. Essencialmente, Carlos Magno estava sendo contratado como mercenário, embora ele provavelmente tivesse outros planos de aquisição a área de seu próprio império. Depois que as colunas de Carlos Magno chegaram aos portões de Zaragoza, Sulayman vacilou e se recusou a deixar os francos entrarem na cidade, depois que seu subordinado, al-Husayn ibn Yahiya, derrotou e capturou com sucesso o general mais confiável de Abdul Rahman, Thalaba Ibn Ubayd. É possível que ele percebesse que Carlos Magno iria querer usurpar o poder dele. Depois de capturar Sulayman, a força de Carlos Magno finalmente voltou para a França através de uma passagem estreita nos Pirineus, onde sua retaguarda foi eliminada pelos rebeldes bascos e gascônicos. Carlos Magno também sofreu um ataque de parentes de Sulayman, que o libertaram.

Agora Abdul Rahman podia lidar com Sulayman e a cidade de Zaragoza sem ter que lutar contra um enorme exército cristão. Em 779, o emir ofereceu a Husayn, um dos aliados de Sulayman, o cargo de governador de Zaragoza. A tentação foi demais para al-Husayn, que assassinou seu colega Sulayman. Como prometido, al-Husayn foi premiado com Zaragoza com a expectativa de que ele seria sempre um subordinado de Córdoba. No entanto, dentro de dois anos, al-Husayn rompeu relações com Abdul Rahman e anunciou que Zaragoza seria uma cidade-estado independente. Mais uma vez, o emir teve que se preocupar com os acontecimentos nos Marcos. Ele tinha a intenção de manter essa importante cidade fronteiriça do norte dentro do reinado omíada. Por 783 o exército de Abdul Rahman avançou em Zaragoza. Parecia que ele queria deixar claro para essa cidade problemática que a independência estava fora de questão. Incluído no arsenal do exército do emir estavam trinta e seis armas de cerco. As famosas muralhas defensivas de granito branco de Saragoça foram quebradas sob uma torrente de artilharia das linhas omíadas. Os guerreiros de Abdul Rahman se espalharam pelas ruas da cidade, frustrando rapidamente os desejos de independência de al-Husayn.

Após o período de conflito mencionado anteriormente, Abdul Rahman continuou a melhorar a infraestrutura de al-Andalus. Ele garantiu que as estradas fossem iniciadas, que os aquedutos fossem construídos ou melhorados e que uma nova mesquita fosse bem financiada em sua capital, Córdoba. A construção do que viria a ser a mundialmente famosa Grande Mesquita de Córdoba foi iniciada por volta de 786. Abdul Rahman sabia que um de seus filhos um dia herdaria o governo de al-Andalus, mas que era uma terra devastada pela contenda. Para governar com sucesso em tal situação, o emir precisava criar um serviço civil confiável e organizar um exército permanente. Ele achava que nem sempre podia confiar na população local para fornecer um exército leal; e, portanto, comprou um enorme exército permanente composto principalmente por bérberes do norte da África, bem como escravos de outras áreas. O número total de homens do exército sob seu comando era de quase 40.000. Como era comum durante os anos de expansão islâmica, a tolerância religiosa era praticada. Abdul Rahman continuou a permitir que judeus e cristãos  retivessem e praticassem suas crenças. A população muçulmana de al-Andalus chegara aos 80% até o século X.

Cristãos mais frequentemente se converteram ao Islã do que judeus, embora houvesse judeus convertidos entre os novos seguidores do Islã. Houve muita liberdade de interação entre os grupos: por exemplo, Sarah, a neta do rei visigodo Wittiza, casou-se com um muçulmano e teve dois filhos que depois foram contados entre as fileiras da mais alta nobreza árabe. Abdul Rahman I foi capaz de forjar uma nova dinastia dos omíadas com sucesso contra Carlos Magno, os abássidas, os berberes e outros espanhóis muçulmanos. O emir morreu em sua cidade adotiva de Córdoba e supostamente foi enterrado sob o local da Mesquita. O suposto filho favorito de Abdul Rahman foi sua escolha para sucessor, e mais tarde seria conhecido como Hisham I. A descendência do outrora príncipe fugitivo continuaria a governar al-Andalus em nome da casa omíada por várias gerações, com o zênite de seu poder vindo durante o reinado de Abd al-Rahman III.

Bibliografias:

al-Maqqari, Ahmad ibn Muhammad (1964). The EarlyHistory of the Mohammedan Dynasties in Spain

Lewis, David L. (2009). El Crisol de Dios. El Islam y el nacimiento de Europa (570-1215).

H. Kennedy (1996) Muslim Spain and Portugal: a political history of al-Andalus.

Thomas F. Glick. Islamic and Christian Spain in the Early Middle Ages.

 

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar