História Islâmica

Os 46 eruditos do Mundo Islâmico que influenciaram o Ocidente

As grandes realizações intelectuais de individuos que habitaram uma extensão geografica que ia da Ibéria à China, conhecida coletivamente como “Mundo Islâmico”, não são notáveis apenas porque muçulmanos as protagonizaram. E sim porque a própria civilização islâmica forneceu um contexto no qual por séculos qualquer um poderia contribuir para a melhoria da sociedade, mesmo os não-muçulmanos e muçulmanos com crenças divergentes da maioria. A beleza da civilização islâmica é que, apesar disso, eles não foram excluídos socialmente nem foram instruídos a não contribuir para a pesquisa científica, ou viveram completamente marginalizados por suas concepções intelectuais ou mesmo suas fés. Os muçulmanos (e seus governos) tradicionalmente foram capazes de rejeitar as crenças não ortodoxas de alguém, embora ainda apreciassem suas habilidades pessoais que levavam à maslaha, ou “beneficio comum”. Neste sentido, disponibilizamos uma extensa lista com curtas biografias dos 46 eruditos do Mundo Islâmico, sejam eles muçulmanos, judeus ou cristãos, que mais contribuiram para o avanço das diversas ciências no mundo Ocidental, com seus nomes latinizados e originais em árabe:

Nº 1 – Abulfaraje, Abalphatus – Mahmūd al-Isfahani

Biografia: Um matemático do século 10 do Irã. Ele floresceu por volta de 982 CE em Isfahan. Editor e comentarista de alguns livros da Cônica de Apolônio. Seu trabalho nas Cônicas era conhecido na Europa.

Nº 2 – Abenguefith – Ali Ibn al-Husain Ibn al-Wafid al-Lakhmi

Biografia: Médico de Toledo, viveu de 1008 a 1074. É autor de um tratado de oftalmologia e de outro sobre substâncias médicas. Este último ficou famoso na Europa sob o título Liber Abenguefith Philosophi de virtutibus medicinarum et ciborum, após sua tradução para o latim por Gherard de Cremona.

Nº 3 -Abenezra – Abraham ben Meir ibn Ezra Ibn Azra

Biografia: Astrônomo judeu andaluz, nascido em Tudela, Emirado de Saragoça em 1092/93. Ele foi um poeta, gramático, viajante, filósofo e astrônomo. Ele deixou sua terra natal de Andaluz antes de 1140 e viajou por toda a Europa. Suas viagens o levaram ao Norte da África, Egito, Palestina, Itália, França e Inglaterra, até sua morte em janeiro de 1167.

Tomando o trabalho de Abenezra como um todo, consiste em popularizar o conhecimento andaluz em diferentes campos em solo latino e saxão. Vários de seus trabalhos científicos foram traduzidos para o latim: um por Henry Bate em 1281 e 1292, outro por Pedro de Abano em 1293 e um terceiro por Arnoul de Quinquempoix algum tempo antes de 1326. Uma tradução foi feita independentemente do original hebraico para o catalão por Martin de Osca (ou Huesca), Aragão. Desta versão catalã, O Livro das Natividades foi traduzido para o latim por Louis de Angulo em 1448.

Nº 4 – Abubacer; Abentofail – Abu Bakr Muhammad Ibn Tufayl al-Qays.

Biografia: Filósofo, médico e oficial da corte andaluz (ca. 1100-1185 DC). Nasceu em Andaluzia e morreu no Marrocos, onde foi nomeado vizir e médico de Abu Yaqub Yusuf, o califa almoada, a quem recomendou Ibn Rushd como seu próprio sucessor quando se aposentou em 1182. Ibn Tufayl é famoso por Hay Ibn Yaqzan (Filho vivo de Awake), um romance filosófico e conto alegórico. A história de Hayy Ibn Yaqzan é semelhante à história posterior de Mogli em O Livro da Selva de Rudyard Kipling, em que um bebê é abandonado em uma ilha tropical deserta, onde é cuidado e alimentado por uma mãe loba.

Uma tradução latina da obra, intitulada Philosophus autodidactus, apareceu pela primeira vez em 1671, preparada por Edward Pococke. A primeira tradução para o inglês foi publicada em 1708. Mas o legado intelectual de Ibn Tufayl era conhecido na Europa desde a Idade Média.

Veja o texto em árabe de Hayy bin Yaqzan no Wikisource; Tradução para o inglês: The History of Hayy Ibn Yaqzan, traduzido do árabe por Simon Ockley (Londres: Chapman and Hall, 1929).

Nº 5 – Abulfeda – Abu l-Fida, Ismail Ibn Kathir Imad al-Din

Biografia: Historiador e estudioso sírio (1273-1331). Entre suas obras: Al-Bidaya wa al-nihaya (O começo e o fim), Taqwim al-buldan (Um esboço dos países), Tarikh Abu-‘l-Fida, sua principal obra histórica, também chamada de Mukhtassar tarikh al- bashar (A história concisa da humanidade ou um resumo da história na raça humana), na forma de anais que se estendem desde a criação do mundo até o século 1300. Abu l-Fida também aprendeu muito em diversos campos, como botânica e medicina. Ele escreveu uma obra em muitos volumes sobre medicina intitulada Kunash, e um livro sobre o equilíbrio.

Seus livros de história (Tarikh) e geografia (Taqwim) eram conhecidos no Ocidente. O Taqwim Al-Buldan possuía muitas traduções para o latim, parciais ou completas. Um deles é: Abulfedae Tabula Syriae: cum excerpto geographico ex Ibn ol Wardii Geographia et historia naturali / Arabice nunc primum edidit, Latine vertit, notis explanavit Io. Bernhardus Koehler; accessere Io. Iacobi Reiskii… (Lipsiae, 1766).

Nº 6 – Albatênio; Albatêngio; Albategnius – Al-Batani, Abu Abdullah Muhammad Ibn Jabir Ibn Sinan al-Harrani as-Sab.

Biografia: Astrônomo e matemático, nascido em Harran (agora na Turquia) por volta de 853 EC. Ele morreu em 929 em Qasr al-Jiss, perto de Samarra, no Iraque. Entre suas realizações: a determinação do ano solar em 365 dias, 5 horas, 46 minutos e 24 segundos; a produção de uma série de relações trigonométricas; ele também usou a ideia de tangentes de al-Marwazi para desenvolver equações para calcular tangentes e cotangentes, compilando tabelas delas. Seu trabalho mais importante é o Zij, ou conjunto de tabelas astronômicas, conhecido como al-Zij al-Sabi com 57 capítulos, que por meio da tradução latina como De Motu Stellarum por Platão de Tivoli em 1116 (impresso em 1537 por Melanchthon, anotado por Regiomontanus), teve grande influência na astronomia europeia. Copérnico mencionou sua dívida para com Al-Battani e o citou no De Revolutionibus (1543).

Nº 7 – Alboacen – Abu Al-Hasan Ali Ibn Muhammad Ibn Habib al-Mawardi

Biografia: Estudioso em ciência política, sociologia, jurisprudência e ética. Ele nasceu em 972 CE em Basra. Um jurista da escola Shafi’i, ele também fez contribuições para interpretações do Alcorão, filologia e literatura. Ele serviu como juiz em vários distritos iraquianos, incluindo Bagdá, e como embaixador do califa abássida em vários estados muçulmanos. Os trabalhos de Al-Mawardi sobre governança islâmica são reconhecidos como clássicos na área. Sua contribuição na ciência política e sociologia compreende uma série de livros monumentais, o mais famoso dos quais é Al-Ahkam al-Sultaniyya w’al-Wilayat al-Diniyya (As Ordenações do Governo), Qanun al-Wazarah (Leis relativas aos Ministros), Kitab Nasihat al-Mulk (O Livro do Conselho Sincero aos Governantes), Kitab Aadab al-Dunya w’al-Din (A Ética da Religião e deste Mundo).

Nº 8 – Albohali – Abu Ali al-Khayyat / Yahya Ibn Ghalib

Biografia:  Foi um astrônomo-astrólogo (c.770-c.835), autor de obras traduzidas do árabe para o latim por Platão Tiburnitus, como Albohali arabis astrologi antiqvissimi, ac clarissimi de Ivdiciis natiuitatu, Liber Unus (Nurnberg, 1549). Este livro foi editado recentemente: The Judgments of Nativities (Os Julgamentos das Natividades), de Yahya Ibn Ghalib Khayyat (Tempe, Arizona: The American Federation of Astrologers, 1988).

Nº 9 – Albucasis – Abu l-Qasim Khalaf ibn Abbas al-Zaharawi.

Biografia: Médico e cirurgião andaluz (936 – 1013). Ele é considerado o pai da cirurgia moderna e o maior cirurgião do Islã, cujos textos médicos abrangentes, combinando medicina islâmica e influências antigas, moldaram os procedimentos cirúrgicos islâmicos e europeus até o Renascimento. Sua maior contribuição para a história é o Kitab al-Tasrif, uma enciclopédia de trinta volumes de práticas médicas. Incluía seções sobre cirurgia, medicina, ortopedia, oftalmologia, farmacologia, nutrição, etc.

Al-Tasrif foi traduzido para o latim por Gerard de Cremona no século XII. Por cerca de cinco séculos, foi a principal fonte de conhecimento médico europeu e serviu de referência para médicos e cirurgiões. Sua influência continuou na medicina europeia por pelo menos cinco séculos, estendendo-se até o Renascimento.

Veja o artigo Cirurgião Árabe Albucasis (al-Zahawi), e os trechos da transcrição de um dos 30 volumes da enciclopédia al-Tasrif: MS G21, Biblioteca Nacional do Marrocos em Rabat.

Nº 10 – Abulmasar – Abu Mashar Jafar ibn Muḥammad ibn Umar al-Balkhi.

Biografia: Matemático, astrônomo, astrólogo e filósofo afegão (10 de agosto de 787 em Balkh, Afeganistão – 9 de março de 886 em Wasit, Iraque). Muitas de suas obras foram traduzidas para o latim e eram bem conhecidas entre muitos astrólogos, astrônomos e matemáticos europeus durante a Idade Média europeia.

Abu Mashar desenvolveu um modelo planetário que alguns interpretaram como um modelo heliocêntrico. Isso se deve ao fato de suas revoluções orbitais dos planetas serem dadas como revoluções heliocêntricas ao invés de revoluções geocêntricas. Seu trabalho sobre a teoria planetária não sobreviveu, mas seus dados astronômicos foram registrados posteriormente por al-Hashimi e al-Biruni [ver Bartel Leendert van der Waerden (1987). “The Heliocentric System in Greek, Persian and Hindu Astronomy”, Annals of the New York Academy of Sciences 500 (1), 525–545; especialmente pp. 534-537].

Alguns historiadores modernos argumentaram que os escritos de Albumasar foram muito provavelmente a fonte original mais importante das teorias da natureza de Aristóteles para estudiosos europeus, começando um pouco antes de meados do século XII.

O tratado astronômico e astrológico de Albumasar, Kitab al-mudkhal al-kabir ila ‘ilm ahkam an-nujjum, foi traduzido para o latim como Introductorium in Astronmiam por João de Sevilha em 1133 e novamente por Hermann da Caríntia em 1140.

Nº 11 – Alcabitius – Al-Farabi, Abu Nasr Muhammad Ibn Tarkhan.

Biografia: Um grande cientista e filósofo (ca. 870-950), cujas obras foram traduzidas para o latim muito cedo e tiveram ampla difusão e influência. Al-Farabi fez contribuições notáveis em matemática, filosofia, epistemologia e música.

Ver Al-Farabi as Source of the History of Philosophy and of Its Definition; “Al-Farabi, Abu Nasr (c.870-950)”; e Robert Hammond, The Philosophy of Alfarabi and Its Influence on Medieval Thought (1947).

 

Nº 12 – Alfragano – Abu al-Abbas Ahmad ibn Muhammad ibn Kathir al-Farghani.

Biografia: Um dos astrônomos famosos do século IX. Nascido em 805 em Ferghana (atual Uzbequistão), trabalhou em Bagdá, onde esteve ligado ao grupo de estudiosos liderados pelos irmãos Banu Musa. Mais tarde, mudou-se para o Cairo, onde escreveu um tratado muito importante sobre o astrolábio por volta de 856. Lá, ele também supervisionou a construção do grande Nilômetro na ilha de al-Rawda (no Cairo Antigo) em 861. Al-Farghani morreu por volta de 880.

Ele esteve envolvido na medição do diâmetro da Terra junto com uma equipe de cientistas sob o patrocínio do califa al-Mamun em Bagdá. Seu livro Elementos de astronomia sobre os movimentos celestes, escrito por volta de 833, foi traduzido para o latim no século 12 e permaneceu muito popular na Europa até a época de Regiomontanus. No século 17, o orientalista holandês Jacob Golius publicou o texto árabe com base em um manuscrito que ele adquiriu no Oriente Próximo, com uma nova tradução para o latim e notas extensas. A cratera Alfraganus na Lua foi nomeada em sua homenagem.

Ver “Alfragano e os Elementos da Astronomia”.

Nº 13 – Algazali – Abu Ḥamid Muhammad ibn Muhammad aṭ-Ṭusiyy al-Ghazali.

Biografia: Nasceu e morreu em Tus, no Khurasan (província oriental do Irã) entre 1058 e 1111 EC. Ele foi um teólogo, jurista, filósofo e místico muçulmano. Al-Imam al-Ghazali continua sendo um dos estudiosos mais famosos da história do pensamento islâmico. Seu pensamento teve uma influência importante tanto sobre os filósofos muçulmanos quanto sobre os filósofos medievais cristãos. Margaret Smith escreve em seu livro Al-Ghazali: The Mystic (Londres 1944): “Não pode haver dúvida de que as obras de Al-Ghazali estariam entre as primeiras a atrair a atenção desses estudiosos europeus”. Ela acrescenta: “O maior desses escritores cristãos que foi influenciado por Al-Ghazali foi São Tomás de Aquino (1225–1274), que fez um estudo dos escritores árabes e admitiu sua dívida para com eles. Ele estudou na Universidade de Nápoles, onde a influência da literatura e cultura árabe era predominante na época ”.

Visite o site Al-Ghazali e veja o texto completo de Incoerência dos Filósofos e uma extensa lista de livros de Al-Ghazali de Fons Vitae Livros: série Fons Vitae al-Ghazali Spiritual Masters. Ver também “Visões de Al-Ghazali sobre a Educação Infantil”.

Nº 14 – Alcuarismi – Abu Abdullah Mohammed ben Musa AlKhwarizmi

Biografia: Um matemático, astrônomo e geógrafo muçulmano que escreveu em algarismos hindu-arábicos e foi um dos primeiros a usar o zero como marcador de posição na notação de base posicional. A palavra algoritmo deriva de seu nome. Seu tratado de álgebra Hisab al-jabr w’al-muqabala nos dá a palavra álgebra e pode ser considerado o primeiro livro a ser escrito sobre álgebra. Ele nasceu por volta de 780 em Khwarizm (hoje Khiva, Uzbequistão) e morreu por volta de 850. Ele trabalhou a maior parte de sua vida como estudioso na Casa da Sabedoria em Bagdá.

Seu Kitab fi ‘l-jabr wa-‘l-muqabala (Livro sobre álgebra e em oposição) foi o primeiro livro sobre a solução sistemática de equações lineares e quadráticas. Consequentemente, ele é considerado o pai da álgebra. As traduções latinas de sua aritmética, nos algarismos indianos, introduziram o sistema de numeração posicional decimal no mundo ocidental no século XII.

Para obter uma biografia e uma revisão da contribuição matemática de al-Khwarizmi: Biografia completa de MacTutor. Veja também “Al-Khwarizmi, Abdu’l-Hamid Ibn Turk e o Lugar da Ásia Central na História da Ciência”.

Nº 15 – Algizar – Ahmed Bin Jaafar Bin Brahim Ibn Al Jazzar Al-Qayrawani

Biografia: Médico tunísio, nascido por volta de 878 em Kairouan, onde morreu aproximadamente em 980. Cerca de quarenta trabalhos médicos são atribuídos a ele, muitos deles foram traduzidos para o latim: Kitab al-adwiya al-mufrada (Tratado sobre Drogas Simples) (Liber de Gradibus Simpleium), cuja tradução latina foi realizada por Constantino, o Africano. Seu Tibb al-fuqara ‘wa al-masakin (Medicina para os Pobres) representa um tema literário que se tornou especialmente popular durante a Idade Média, quando obras desse tipo foram escritas por diferentes autores, como, por exemplo, al-Razi e Pedro da Espanha.

A obra mais importante e mais influente de Ibn al-Jazzar é seu Zad al-musafir wa-qut al-hadir (Provisões para o viajante e a alimentação dos estabelecidos), traduzido por Constantino, o Africano, como Viaticum peregrinorum em 1124. Esta obra, consistindo de sete livros, não é, como o título sugere, um guia para o viajante, mas um manual médico sistemático, discutindo as diferentes doenças e seu tratamento, um “capite ad calcem” (da cabeça aos pés) de forma concisa.

Ver Ibn Al Jazzar.

Nº 16 – Alhazém – Al-Hassan Ibn al-Haytham, Abu Ali.

Biografia: Cientista polímata iraquiano, que viveu no Egito (965 – 1039-40), chamado al-Basri, por conta de sua cidade natal na cidade de Basra. Morreu no Cairo, onde teve uma esplêndida carreira científica. Ele fez contribuições significativas para os princípios da óptica, bem como para a anatomia, astronomia, engenharia, matemática, medicina, oftalmologia, filosofia, física, psicologia, percepção visual e para a ciência em geral com suas reflexões sobre o método científico.

O trabalho mais importante de Ibn al-Haytham é Kitab al-manazir (Livro de Óptica), que contém o modelo correto de visão: a recepção passiva pelos olhos dos raios de luz refletidos dos objetos, não uma emanação ativa de raios de luz dos olhos. Combina experimentação com raciocínio matemático. O trabalho contém uma formulação completa das leis de reflexão e uma investigação detalhada da refração, incluindo experimentos envolvendo ângulos de incidência e desvio. A refração é explicada corretamente pelo movimento da luz mais lento em meios mais densos. O trabalho também contém o “problema de Alhazém” – determinar o ponto de reflexão de um plano ou superfície curva, dado o centro do olho e o ponto observado – que é declarado e resolvido por meio de seções cônicas.

Uma tradução latina da maior obra Óptica de Ibn al-Haytham foi feita por um estudioso desconhecido, provavelmente no início do século XIII. O trabalho teve uma grande influência não apenas em pensadores do século XIII, como Roger Bacon, mas também em cientistas posteriores, como Kepler (1571–1630).

Ver Roshdi Rashed, “A Polymath in the 10th Century”, Science Magazine, 2 de agosto de 2002, p. 773; e A. I. Sabra, “Ibn al-Haytham: Breve vida de um matemático árabe”, Harvard Magazine, setembro-outubro de 2003; Richard Lorch, “Ibn al-Haytham”, Encyclopædia Britannica Online, 2007. Ver também “Ibn Al-Haitham the Muslim Physicist”.

Nº 17 – Alquindi; Alquindo – Abu Yusuf Yaqub ibn Isḥaq as-Sabbah alKindi.

Biografia: Um polímata árabe muçulmano que floresceu em Bagdá (c. 801–873 d.C.). Ele foi um filósofo, cientista, astrônomo, químico, matemático, músico, médico e físico. Al-Kindi foi o primeiro dos filósofos peripatéticos muçulmanos e, entre suas inúmeras outras realizações, é bem conhecido por seus esforços para introduzir a filosofia grega no mundo árabe e como um pioneiro na criptologia e na física.

Para biografias e bibliografias detalhadas, ver FSTC (2007), Al-Kindi; Al-Kindi; Peter Adamson, “Al-Kindi” em The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Winter 2006, edição online); M. al-Allaf, “Al-Kindi’s Mathematical Metaphysics“; e o site Al-Kindi em Islamic Philosophy Online.

Nº 18 – Hametus; Ametus filius Iosephi – Ahmed Ibn Yusuf Ibn Ibrahim al-Misri Ibn ad-Daya.

Biografia: Ahmed Ibn Yusuf nasceu em Bagdá e mudou-se para Damasco em 839, depois para o Cairo, onde morreu em 912 EC. Ele era um matemático, como seu pai Yusuf Ibn Ibrahim.

Entre suas obras que lhe trouxeram fama e influência está seu Risala fi ‘l-nisba wa‘ l-tanasub (Tratado sobre proporção e proporcionalidade). Foi traduzido para o latim por Gerard de Cremona. Influenciou os primeiros matemáticos europeus, como Fibonacci. Além disso, em “Sobre arcos semelhantes” ele comentou sobre o Centiloquium de Ptolomeu. Ele também escreveu um livro sobre o astrolábio, um predecessor do octante e do sextante. Ele inventou métodos para resolver problemas fiscais em Liber Abaci. Ele também foi citado por matemáticos como Thomas Bradwardine, Jordanus Nemorarius e Luca Pacioli.

Seu livro Sobre arcos semelhantes influenciou os matemáticos europeus, pois Ahmed Ibn Yusuf prova que arcos de círculos semelhantes podem ser iguais e não iguais. A prova, como a de razão e proporção, é baseada em Euclides. Desta vez, são as Proposições 20 e 21 do Livro III dos Elementos de Euclides que são as principais ferramentas usadas por Ahmed. O texto árabe completo deste tratado foi editado por D. Schrader.

Ver J.J. O’Connor & E.F. Robertson, “Ahmed Ibn Yusuf al-Misri”; D. Schrader, The Epistola de proportione et proporionalitate of Ametus Filius Iosephi, PhD Dissertation, Madison, University of Wisconsin, 1961.

Nº 19 Anaritius – Abul-Abbas al-Fadl ibn Hatim al-Nairizi.

Biografia: Um matemático de Nayriz, uma cidade perto de Shiraz. Ele floresceu entre ca. 875 e ca. 940. Pouco se sabe sobre sua vida, mas sabemos que ele dedicou algumas de suas obras ao califa al-Mutadid (reinou de 892-902), então quase certamente se mudou para Bagdá e trabalhou lá para o califa. Ele escreveu comentários sobre o trabalho de Ptolomeu e Euclides, compilou tabelas astronômicas, escreveu um livro para al-Mutadid sobre fenômenos atmosféricos. Os comentários de Al-Nayrizi sobre Ptolomeu e Euclides foram traduzidos para o latim por Gerard de Cremona. Ele usou a chamada umbra (versa), o equivalente a tangente, como uma linha trigonométrica genuína. Ele escreveu um tratado sobre o astrolábio esférico, que é muito bem elaborado e parece ser a melhor obra árabe sobre o assunto.

Al-Nayrizi escreveu um livro sobre como calcular a direção da sagrada Caaba em Meca (era importante para os muçulmanos poderem fazer isso, pois eles tinham que olhar para aquela direção cinco vezes por dia ao realizar a oração diária). Neste trabalho, ele usa efetivamente a função tangente, mas não foi o primeiro a usar essas ideias trigonométricas.

Nº 20 – Alpetrágio – Abu Ishaq Nur ad-Din al-Bitrudschi al-Ischbili ou Nur ad-Din al-Bitrudschi.

Biografia: Astrônomo andaluz do século 12 (ele morreu cerca de 1204 DC). Nascido no atual Marrocos, ele se estabeleceu em Sevilha, tornou-se discípulo de Ibn Tufayl e foi contemporâneo de Ibn Rushd [Averróis].

Ele escreveu o Kitab al-hay’a que foi traduzido para o hebraico e depois para o latim (impresso em Viena em 1531). Neste livro, ele apresentou uma teoria sobre o movimento planetário em que desejava evitar epiciclos e excêntricos, e explicar os fenômenos peculiares às estrelas errantes, combinando rotações de esferas homocêntricas. Esta foi uma modificação do sistema de movimento planetário proposto por seus predecessores, Ibn Bajjah (Avempace) e Ibn Tufayl. Mas seus esforços não tiveram sucesso em substituir o modelo planetário de Ptolomeu, devido às previsões numéricas das posições planetárias em sua configuração serem menos precisas do que a do modelo Ptolomaico, principalmente porque ele seguiu a noção de Aristóteles de movimento circular perfeito.

Ver Osman Bakar, “The Golden Age of Andalusian Science“.

Nº 21 – Arzaquel –  Abu Ishaq Ibrahim ibn Yahya al-Naqqash al-Zarqali alTujibi.

Biografia: Um importante estudioso e o mais importante astrônomo de sua época (1028–1087). Ele floresceu em Toledo, onde construiu instrumentos e conduziu pesquisas teóricas e observacionais em astronomia. Combinando conhecimento teórico com habilidade técnica, destacou-se na construção de instrumentos de precisão para uso astronômico. Ele construiu um astrolábio plano que era “universal”, pois poderia ser usado em qualquer latitude, e ele construiu um relógio de água capaz de determinar as horas do dia e da noite e indicar os dias dos meses lunares.

Al-Zarqali também escreveu um tratado sobre a construção de um instrumento (um equatório) para calcular a posição dos planetas usando diagramas do modelo ptolomaico. Esta obra foi traduzida para o espanhol no século XIII por ordem do rei Alfonso X em uma seção dos Libros del Saber de Astronomia.

Seu trabalho foi traduzido para o latim por Gerard de Cremona no século XII e contribuiu para o renascimento de uma astronomia de base matemática na Europa. Quatro séculos depois, Copérnico mencionou sua dívida para com Al-Zarqali e o citou, no livro que deu novos significados ao termo “revolução”, De Revolutionibus Orbium Coelestium.

Ver os artigos do FSTC em https://muslimheritage.com: “Transmissão da astronomia muçulmana para a Europa” e “Al-Zarqali”.

Nº 22 – Avempace – Abu Bakr Muhammad ibn Yahya ibn as-Saigh at-Tujibi ibn Bajja.

Biografia: Cientista andaluz que também foi filósofo. Ele deixou trabalhos em astronomia, filosofia, medicina e física. Ele nasceu em Saragoça, onde hoje é a Espanha, e morreu em Fez, Marrocos, em 1138.

Seus pensamentos tiveram um efeito claro sobre Ibn Rushd e Alberto Magno. A maioria de seus escritos e livro não foram concluídos (ou bem organizados) por causa de sua morte prematura.

Veja Ibn Bajja, “Abu Bakr Muhammad Ibn Yahya Ibn as-Say’igh (d. 1138)“; “Avempace”.

Nº 23 – Averróis – Abu al-Walid Muhammad ibn Ahmad ibn Muhammad ibn Rushd.

Biografia: Filósofo, médico e polímata da Andaluzia, mestre em filosofia, lei islâmica, astronomia, medicina, física e ciência. Ele nasceu em Córdoba e morreu em Marrakech (1126-10 de dezembro de 1198 CE). Sua escola de filosofia é conhecida como Averroísmo. Ele foi descrito como o pai fundador do pensamento secular na Europa Ocidental.

Famoso por seus comentários sobre Aristóteles e por seu trabalho na medicina, uma enciclopédia médica chamada Al-Kulliyat fi ‘l-ttib (Generalidades na medicina), conhecida em sua tradução latina como Colliget. Ele também fez uma compilação das obras de Galeno (129-200 CE) e escreveu um comentário sobre O Cânon da Medicina (Al-Qanun fi ‘t-tibb) de Ibn Sina. Na astronomia, Ibn Rushd rejeitou os diferentes excêntricos e o modelo ptolomaico e, em vez disso, defendeu um modelo estritamente concêntrico do universo.

Jacob Anatoli traduziu várias das obras de Ibn Rushd do árabe para o hebraico nos anos 1200. Muitos deles foram posteriormente traduzidos do hebraico para o latim por Jacob Mantino e Abraham de Balmes. Outras obras foram traduzidas diretamente do árabe para o latim por Michael Scot. Muitos de seus trabalhos em lógica e metafísica foram perdidos para sempre, enquanto outros, incluindo alguns dos comentários mais aristotélicos, sobreviveram apenas na tradução para o latim ou hebraico. A versão mais completa de suas obras está em latim e faz parte da edição Juntine de vários volumes de Aristóteles publicada em Veneza (1562-1574).

Ver H. Chad Hillier (2006). Ibn Rushd (Averroes) (1126 – 1198 DC), Internet Encyclopedia of Philosophy: Ibn Rushd (Averroes) (1126 – 1198 DC); e Ibn Rushd, Kitab fasl al-maqal (Sobre a Harmonia das Religiões e Filosofia).

Nº 24 – Avenzoar -Abu Marwan Abd al-Malik ibn Zuhr.

Biografia: Famoso médico de al-Andaluz e um dos maiores médicos clínicos do califado ocidental. Nasceu em Sevilha em 1091 e estudou em Córdoba. Após uma breve estada em Bagdá e no Cairo, ele retornou ao Ocidente islâmico e trabalhou para os Almorávidas como médico. Mais tarde, Ibn Zuhr trabalhou para Abd al-Mumin, o primeiro governante Muwahid, tanto como médico quanto como ministro. Ele dedicou sua carreira em Sevilha e morreu em 1161 C.E.

Ibn Zuhr limitou seu trabalho apenas à medicina, área na qual compôs vários livros monumentais. Vários de seus livros foram traduzidos para o latim e hebraico e tiveram grande demanda na Europa até o século XVIII. Apenas três de seus grandes livros sobreviveram: Kitab al-Taysir fi al-Mudawat wa al-Tadbir (O Livro de Simplificação sobre Terapêutica e Dieta), Kitab al-Iqtisad fi Islah Al-Anfus wa al-Ajsad (Livro do Meio Curso sobre a Reforma das Almas e dos Corpos) e Kitab al-Aghdhiya (Livro sobre Alimentos).

Nº 25 – Avicena – Abu Ali al-Husayn ibn Abd Allah ibn Sina.

Biografia: O famoso filósofo e cientista muçulmano cuja liderança é comprovada por seu título, al-Shaykh al-Ra’īs. Ele nasceu em 980 em Kharmaithen (perto de Bukhara, agora no Uzbequistão) e morreu em junho de 1037 em Hamadan (agora no Irã).

Ele escreveu quase 450 obras sobre uma ampla gama de assuntos, dos quais cerca de 240 sobreviveram. Em particular, 150 das obras sobreviventes concentraram-se na filosofia e 40 deles concentraram-se na medicina. Suas obras mais famosas são O Livro da Cura (Al-Shifa) e O Cânon da Medicina, que era um texto médico padrão em muitas universidades islâmicas e europeias até o século XVIII.

Muitos de seus livros foram traduzidos para o latim e publicados na Itália durante os séculos XV e XVI; parte dele no De Anima apareceu em Pavia (1490) como o Liber Sextus Naturalium. As edições latinas de parte dessas obras foram modificadas pelas correções que os editores europeus lhes aplicaram. Trata-se de Liberatio (An-Najat), bem como Philosophia Orientalis (al-Hikma al-Mashriqiya) e outros textos.

Ver Ibn Sina (Avicena), “Ibn Sina’s writing on Beauty“, e Salim Kemal, Ibn Sina, Abu ‘Ali al-Husayn (980-1037).

Nº 26 – Azofi -Abdul Rahman al-Sufi.

Biografia: Astrônomo bem conhecido (nascido em 7 de dezembro de 903 – 25 de maio de 986). Ele morava na corte do Emir Adhud ad-Dawla em Isfahan, onde conduziu sua pesquisa científica. Ele fez observações astronômicas, o que lhe permitiu contribuir com várias correções para a lista de estrelas de Ptolomeu e fez sua própria contribuição e estimativas de magnitude que frequentemente se desviavam daquelas no Almagesto de Ptolomeu. Ele identificou a Grande Nuvem de Magalhães, que é visível do Iêmen, embora não de Isfahan; não foi visto pelos europeus até a viagem de Magalhães no século XVI.

Ele projetou uma nova nomenclatura completa de nomes de estrelas e constelações, relacionando a herança antiga ao conhecimento local dos países árabes e islâmicos neste campo.

A primeira observação registrada da Galáxia de Andrômeda foi feita por ele em 964; ele a descreveu como uma “pequena nuvem”. Ele observou que o plano da eclíptica é inclinado em relação ao equador celeste e calculou com mais precisão a duração do ano tropical. Ele observou e descreveu as estrelas, suas posições, suas magnitudes e suas cores, estabelecendo seus resultados constelação por constelação. Para cada constelação, ele forneceu dois desenhos, um de fora de um globo celestial e o outro de dentro (visto da Terra). Al Sufi também escreveu sobre o astrolábio, encontrando vários usos adicionais para ele. Seu livro mais famoso, traduzido para o latim, é o Livro das estrelas fixas.

Nº 27 – Dreses – Abu Abd Allah Muhammad alIdrisi al-Qurtubi al-Hasani al-Sabti.

Biografia: Cartógrafo, geógrafo e viajante marroquino (ca. 1100-ca. 1165). Ele nasceu em Sebta, norte do Marrocos sob os almorávidas. Morreu em sua cidade natal após uma longa estada em al-Andaluz e na Sicília, onde viveu na corte do rei Rogério II.

A obra mais conhecida de Al Idrissi é seu mapa do mundo Lawh al-tarsim (Prancheta de rascunho), desenhado em 1154 enquanto ele estava na Sicília. Ele trabalhou nos comentários e ilustrações por 18 anos. Seu mapa agora é conhecido como ‘Tabula Rogeriana’, seu livro como ‘Geografia’. Juntos, eles foram chamados de Nuzhat al-Mushtak fi Ikhtiraq al-Afaq, dedicado a Rogério (daí o apelido do livro, al-Kitab al-Rujari, Livro do Rogério). Seus mapas foram usados ​​extensivamente durante as explorações na Renascença. Al-Idrisi tornou-se famoso na Europa mais do que outros geógrafos muçulmanos e vários de seus livros foram traduzidos para o latim. Diz-se que Cristóvão Colombo usou o mapa que foi originalmente retirado do trabalho de Al-Idrissi.

Ver “Idrisi (1100-1165 C.E.): A Scholar at the Court of Palermo”.

Nº 28 – Geber -Abu Musa Jabir ibn Hayyan.

Biografia: Um proeminente polímata muçulmano (c. 721-c. 815), que se destacou em muitos ramos científicos, mas foi imortalizado por suas contribuições na química, que ele praticou em seu sentido antigo, isto é, misturando-o com considerações alquimistas herdadas dos tempos antigos. Ele também foi astrônomo e astrólogo, engenheiro, filósofo, farmacêutico e médico.

Ibn Hayyan é amplamente referido como o “pai da química”. Ele é amplamente creditado com a introdução do método experimental na alquimia e com a invenção de numerosos processos importantes ainda usados ​​na química moderna, como a síntese de ácidos clorídrico e nítrico, destilação e cristalização. Suas obras originais são altamente esotéricas e provavelmente codificadas. Superficialmente, sua carreira alquímica girava em torno de uma elaborada numerologia química baseada em consoantes nos nomes árabes das substâncias e no conceito de takwin, a criação artificial da vida no laboratório alquímico.

Muitos de seus livros foram traduzidos para o latim desde a fase inicial da transmissão árabe-latina de conhecimento. Eles contribuíram muito para o lançamento da tradição europeia de química e alquimia.

Nº 29 – Geber –Abu Muhammad Jabir ibn Aflah.

Biografia: Matemático e astrônomo andaluz, nativo de Sevilha (n. 1100-d. Ca. 1150) e contemporâneo de Musa Ibn Maymun (Maimonides, 1135-1204). Ele compartilha com Jabir Ibn Hayyan o patronímico latino de Geber. Sua principal obra, Islah al-majisti (Correção do Almagesto), provou ser uma forte influência sobre estudiosos de todo o mundo latino na Idade Média.

Ibn Aflah desenvolveu um teorema em trigonometria esférica que leva seu nome e criou um instrumento chamado em latim de torquentum para fazer transformações entre coordenadas esféricas.

Ver Muçulmanos e a Lua e Jabir Ibn Aflah.

Nº 30 – Haly Abbas; Masoudi – ibn al-Abbas al-Majusi.

Biografia: Um famoso médico persa. Nascido em Ahwaz, ele floresceu sob o comando do sultão Buwayhid Adhud al-Dawla. Ele morreu em 994. É considerado um dos três maiores médicos do Califado Oriental de seu tempo. Entre seus livros importantes, uma enciclopédia médica chamada Al-Kitab al-kamil as-sina’a at-tibbiyya (O livro completo da arte médica), também conhecida como Al-Kitab al-Maliki, título sob o qual foi traduzido para o latim como Liber regalis. Outro título dado à obra é o Liber pantegni em uma versão interpretada por Constantino, o Africano.

O Maliki está dividido em 20 discursos, sendo que a primeira metade trata da teoria e a outra da prática da medicina. Alguns exemplos de tópicos abordados são dietética e matéria médica, uma concepção rudimentar do sistema capilar, observações clínicas interessantes e prova dos movimentos do útero durante o parto (por exemplo, a criança não sai; é empurrada para fora).

Ver Charles Burnett e Danielle Jacquart (Editores), Constantine the African e ‘Ali Ibn Al-‘Abbas Al-Magusi: The Pantegni and Related Texts (Leiden: E. J. Brill, 1995); A. Kaadan, “Genital Tract Diseases as Viewed by Ali Ibn al-Abbas al-Majusi” (em árabe).

Nº 31 – Haly Rodoan; Haly Heben Rodoan -Ali Ibn Ridhwan Abu al Hasan al-Misri.

Biografia: Um médico egípcio, astrólogo e astrônomo, nascido em Jiza (ca. 998-ca. 1061). Ele foi um comentarista da medicina grega e, em particular, de Galeno e Hipócrates. Ele também é conhecido por sua observação da Supernova que apareceu no céu em 1006, que ele mencionou em seu comentário sobre o Tetrabiblos de Ptolomeu.

Entre suas obras: De revolutionibus nativitatum (As Revoluções das Natividades), editado por Luca Gaurico, impresso em Veneza (1524); Tractatus de cometarum significationibus per XII signa zodiaci (Tratado sobre o significado dos cometas nos doze signos do zodíaco), impresso em Nürnberg (1563).

Veja Margaret Donsbach, The Scholar’s Supernova; O Mensageiro Celestial de 1006.

Nº 32 – Haly Abenragel -Ali Ibn Abi l-Rijal Abu l-Hasan

Biografia: Astrônomo e matemático andaluz (morreu após 432 H / 1041 d.C.). Ele era mais conhecido por seu livro Al-Bari ‘fi ahkam l-nujum (O excelente livro sobre as posições das estrelas), que foi muito influente na astrologia medieval e foi traduzido para o castelhano antigo por Jehudah ben Moshe, depois para o latim por Aegidius de Tebaldis e Pedro de Regio em 1256: Albohazen Haly filius Abenragel, Praeclarissimus liber completus in judiciis astrorum (impresso em Veneza 1585 e Basel 1551). A versão latina foi posteriormente traduzida para o hebraico, português, francês e inglês.

Nº 33 – Isaac Judaeus; Isaac; Isaac Israeli – Yaqub Ishaq Ibn Sulayman al-Israili.

Biografia: Médico, astrônomo e filósofo judeu. Nasceu no Egito ca. 850, ele viveu e trabalhou em Kairouan, onde morreu por volta de 955. Ele era considerado o pai do neoplatonismo judeu medieval.

Nº 34 – Johannes Bukhtishu -Yuhanna Ibn Bukhtishu.

Biografia: Um médico persa do século IX do Khuzistão. Ele era membro de uma família proeminente de médicos cristãos nestorianos, os Banu Bukhtishu (ou Bakhtishu) originalmente de Jundishapur no Khuzistão que trabalhou em Bagdá do século VIII ao século X.

Yuhanna Ibn Bukhtishu era filho de Jabril Ibn Bukhtishu (falecido em 870 d.C.), que era médico dos califas al-Mamun, al-Wathiq e Al-Mutawakkil em Bagdá. Ele trabalhou em Bagdá por volta de 892, é conhecido por ter escrito um tratado sobre o conhecimento astrológico necessário para um médico, mas o tratado foi perdido. É incerto se ele foi de fato o autor de um tratado sobre matéria médica que é atribuído a ele nas cópias existentes. Ele se tornou bispo de Mosul em 893 EC.

Nº 35 – Johannitius -Hunayn Ibn Ishaq Abu Zayd.

Biografia: Um famoso estudioso cristão nestoriano cujas traduções de Platão, Aristóteles, Galeno, Hipócrates e os neoplatônicos tornaram acessíveis aos filósofos e cientistas árabes as fontes significativas do pensamento e da cultura gregos. Ele nasceu em Al-Hira em 809, perto de Kufa, e morreu em 873 em Bagdá.

Hunayn estudou medicina em Bagdá e tornou-se versado em grego antigo. Ele foi nomeado pelo califa al-Mutawakkil para o cargo de médico-chefe da corte, cargo que ocupou pelo resto de sua vida. Ele viajou para a Síria, Palestina e Egito para reunir manuscritos gregos antigos e, da escola de tradutores em Bagdá, ele e seus alunos transmitiram versões árabes e siríacas dos textos gregos clássicos por todo o mundo islâmico. Especialmente importantes são suas traduções de Galeno, a maioria dos manuscritos gregos originais dos quais se perdeu.

Além de seu trabalho de tradução, Hunayn escreveu tratados sobre medicina geral e vários tópicos específicos, incluindo uma série de obras sobre os olhos que permaneceram influentes até o século XV. Ele era o pai de Ishaq Ibn Hunayn que o ajudou com suas traduções e foi um famoso estudioso e tradutor.

Nº 36 – Machometus Bagdedinus -Muhammad al-Baghdadi Abu Mansur Abd al-Qahir Ibn Tahir Ibn Muhammad Ibn Abdallah al-Tamimi.

Biografia: Ele era um matemático árabe (c. 980–1037) de Bagdá, mais conhecido por seu tratado al-Takmila fi’l-Hisab. Ele contém resultados em teoria dos números e comentários sobre trabalhos de al-Khwarizmi que agora estão perdidos.

Para dar apenas um exemplo de suas obras traduzidas para o latim, citamos seu trabalho sobre as divisões de superfícies: De superficierum divisionibus liber Machometo Bagdedino ascriptis nunc primum Ioannis Dee londinensis, et Federici Commandini urbinatis opera in lucem editus. Federici Commandini de eadem re libellus, impresso em Pesaro em 1570. A influência desse livro perdurou até o século XVII, quando o destacado matemático jesuíta Christoph Clavius, do famoso Collegio Romano, o utilizou em sua Geometria Prática.

Entre seus escritos, al-Takmila fi’l-Hisab, é uma obra de grande importância na história da matemática na qual al-Baghdadi considera diferentes sistemas de aritmética. Esses sistemas derivam da contagem nos dedos, do sistema sexagesimal e da aritmética dos algarismos e frações indianos. Ele também considera a aritmética de números irracionais e a aritmética de negócios. Ele ainda enfatiza os benefícios de cada um dos sistemas, mas parece favorecer os numerais indianos.

Veja sobre a contribuição matemática de al-Baghdadi e sua biografia científica em MacTutor History of Mathematics.

Nº 37 – Messala; Messahalla -Mashallah Ibn Athari al-Basri.

Biografia: Um importante astrólogo e astrônomo judeu iraquiano do século VIII da cidade de Basra. Quando jovem, ele participou da fundação de Bagdá em 762, trabalhando com um grupo de astrólogos liderados por Naubakht para escolher um horóscopo eleitoral para a fundação da cidade. Ele escreveu mais de 20 obras sobre astrologia, que se tornaram oficiais nos séculos posteriores, primeiro no Oriente Médio e depois no Ocidente, quando a astrologia horoscópica foi transmitida para a Europa no início do século XII.

De suas muitas obras, poucas permanecem em árabe original, mas há muitas traduções medievais para o latim e o hebraico. Um de seus livros mais populares na Idade Média foi o De scientia motus orbis, traduzido por Gerard de Cremona. Seu outro tratado De mercibus (Sobre os Preços) é aparentemente o trabalho científico mais antigo existente em árabe. Ele também escreveu tratados sobre astrolábios.

Nº 38 – Mesue; Johannes Damascenus -Abu Zakariya Yūhannā (Yahyā) b. Māsawayh.

Biografia: Médico e figura conhecida da farmacologia árabe de Bayt al-hikma em Bagdá. Ele morreu em Samarra em 243 H / 857 CE). Ele era cristão e diretor do hospital de Bagdá e médico nos tribunais dos califas, começando com Harun al-Rashid até al-Mutawakkil (847-861). Ele escreveu muitas obras médicas em siríaco e árabe e traduziu obras gregas. Seu “Desordem do Olho” (Daghal al-ayn) foi o primeiro tratado sistemático de oftalmologia.

Nº 39 – Maimônides -Musa Ibn Maymun Abu Imran Ibn Abdallah al-Qurtubi al-Israili.

Biografia: Influente médico e filósofo judeu andaluz (30 de março de 1135 Córdoba – 13 de dezembro de 1204 Fostat, Egito). Membro da escola peripatética andaluza dos seguidores de Aristóteles, escreveu também copiosas obras sobre o direito e a ética judaica.

Ver A Influência do Pensamento Islâmico em Maimônides.

Nº 40 – Omar Tiberiadis; Omar Alfraganus Tiberiadis -Umar Al-Tabari Abu Hafs Ibn Farkhan.

Biografia: Astrônomo e astrólogo de Bagdá que floresceu por volta de 760-770, conhecido em latim por suas obras como Omar Tiberiadis astronomi preclarissimi Liber de natiuitatibus & interrogationibus (Venitiis, 1503), cujo título original é Kitab al-Mawalid (‘Livro das Natividades ‘). Traduzido por João de Sevilha na primeira metade do século XII, este livro foi tão influente que teve pelo menos 16 manuscritos existentes e cinco edições impressas de 1503 a 1551. No conteúdo, é um tratado padrão sobre a interpretação dos presépios, ou horóscopos de nascimento, em três livros, citando Ptolomeu, Messahallah e Hermes. Começa com “Omar Belnalfargdiani Tiberiadis dixit: Scito quod diffinitiones nativitatum in Nutrition sunt quatuor…”

Veja F.J. Carmody, Arabic Astronomical and Astrological Sciences in Latin Translation. A Critical Bibliography, Berkeley-Los Angeles, 1956, pp. 38-39; F. Sezgin, Geschichte des arabischen Schrifttums, VII, Leiden, 1979, p. 112 (nr. 3), e Omar, De nativitatibus.

Nº 41 – Rasis -Abu Bakr Muhammad ibn Zakariyya alRazi.

Biografia: Um médico, filósofo e acadêmico, nascido em Rayy, Irã, em 251 H / 865 CE, e morto lá em 313/925. Ele fez contribuições fundamentais e duradouras para os campos da medicina, alquimia e filosofia, registradas em mais de 184 livros e artigos em vários campos da ciência.

Nº 42 –  Serapionis; SerapionYuhanna Ibn Sarabiyun

Biografia: Médico e geógrafo do século III H / século IX d.C. Seu trabalho médico ficou bem conhecido no mundo latino europeu após a tradução de alguns de seus livros, como Ioannis Serapionis De simplicium medicamentorum historia libri septem (Venetiis: apud Andream Arriuabenium, 1552), e Serapionis medici arabis celeberrimi Practica studiosis medicinae utilissima quam postremo Andreas Alpagus Bellunensis in Latinum convertit, cujus translatio nunc primum exit in lucem (Venetiis: Apud Iuntas, 1550).

Ele escreveu um Pequeno e um Grande Compêndio, ambos em siríaco. Os originais siríacos infelizmente se perderam, mas ainda temos fragmentos de diferentes traduções para o árabe, bem como versões completas em latim e hebraico do Pequeno Compêndio. Este livro é uma enciclopédia médica em sete livros.

Como geógrafo, Ibn Sarabiyun escreveu um livro sobre geografia: Kitab ‘aja’ib al-aqalim al-sab’a ila nihayat al-‘imara, contendo uma descrição dos vários mares, ilhas, lagos, montanhas e rios do mundo. Suas descrições do Eufrates, do Tigre e do Nilo são muito significativas. Seu relato dos canais de Bagdá é nossa principal base para a reconstrução do plano medieval daquela cidade.

Veja em suas obras Manfred Ullmann, “Yuhanna Ibn Sarabiyun. Untersuchungen zur Ueberlieferungsgeschichte seiner Werke ”, em Medizinhistorisches Journal 6, 1971, pp. 278-296; Peter E. Pormann: “Yuhanna Ibn Sarabiyun: Estudos Adicionais na Transmissão de Suas Obras”, em Ciências Árabes e Filosofia (2004), 14: 233-262; e “Ibn Serapion: Um médico na encruzilhada entre o Oriente e o Ocidente”. Veja também “Yuhanna Ibn Sarabiyun”.

Nº 43 – Sorsanus -Abu Ubayd Abd al-Wahid Ibn Muhammad al-Juzjani.

Biografia: Um médico persa de Juzjan no Afeganistão (980-1037). Ele foi o discípulo mais próximo de Ibn Sina. Ele passou muitos anos com seu mestre em Isfahan, tornando-se seu companheiro de vida. Nosso conhecimento da vida de Ibn Sina se deve em parte à biografia composta por al-Juzjani. É publicado em inglês com o título Avicenna, his Life and Work (Londres, 1958). Gilbert Sinoué tomou como base para seu livro Avicenne ou la route d’Ispahan (Paris, 1989).

Esta biografia foi traduzida para o latim por Niccolò Massa como Vita (ipsius) Avicennae ex Sorsano Arabe ejus discipulo no século XVI.

Nº 44 – Thebith -Thabit Ibn Qurra Ibn Marwan al-Sabi al-Harrani.

Biografia: Astrônomo e matemático bem conhecido. Thabit nasceu em Harran (Mesopotâmia, na atual Turquia) em 836 EC. A convite de Muhammad bin Musa bin Shakir, um dos irmãos Banu Musa, acompanhou-o a Bagdá onde teve uma brilhante carreira científica, além de médico e acadêmico. Da religião sabei, ele nunca abraçou o islamismo, mas isso não impediu sua carreira nem a integração da comunidade sabei nos círculos mais elevados da elite científica e intelectual abássida. Thabit morreu em Bagdá em 18 de fevereiro de 901 DC.

Thabit e seus alunos viveram no meio de um ambiente mais vibrante intelectualmente em Bagdá. Ele se ocupou com matemática, astronomia, astrologia, mecânica, medicina e filosofia. Sua língua nativa era o siríaco, o dialeto aramaico oriental de Edessa, e ele também conhecia bem o grego. Ele lidou com as traduções para o árabe do grego das obras de Apolônio, Arquimedes, Euclides e Ptolomeu. Ele teve a missão de revisar e editar várias dessas traduções, além de ser autor de seus próprios trabalhos científicos.

A teoria astronômica medieval da trepidação dos equinócios é frequentemente atribuída a Thabit. De acordo com Copérnico, Thabit determinou a duração do ano sideral em 365 dias, 6 horas, 9 minutos e 12 segundos (um erro de 2 segundos). Copérnico baseou sua afirmação no texto latino atribuído a Thabit. Na matemática, Thabit descobriu uma equação para determinar os números amigáveis. Ele também escreveu sobre a teoria dos números e estendeu seu uso para descrever as relações entre as quantidades geométricas, um passo que os gregos nunca deram. Outra importante contribuição de Thabit para a geometria foi sua generalização do teorema de Pitágoras, que estendeu de triângulos retângulos especiais a todos os triângulos em geral, junto com uma prova geral.

Na física, Thabit rejeitou as noções peripatéticas e aristotélicas de um “lugar natural” para cada elemento. Em vez disso, ele propôs uma teoria do movimento em que ambos os movimentos para cima e para baixo são causados ​​pelo peso, e que a ordem do universo é o resultado de duas atrações concorrentes (jadhb): uma delas sendo “entre os elementos sublunares e celestiais”, e o outro sendo “entre todas as partes de cada elemento separadamente”. Em mecânica, ele é o autor de Kitab fi ‘l-qarastun, o livro que estabeleceu a teoria do equilíbrio da balança como um modelo mental para a ciência árabe dos pesos. Este tratado inovador foi traduzido para o latim por Gerard de Cremona sob o título Liber karastonis.

Ver “Al-Sabi Thabit Ibn Qurra al-Harrani” no arquivo do MacTutor History of Mathematics, e “Islamic mathematics”.

Nº 45 – Trium FratumBanu Musa Ibn Shakir al-Munajjim (Muhammad, Ahmad e al-Hassan).

Biografia: Os irmãos Banu Musa (“Filhos de Musa Ibn Shakir”) foram três estudiosos em Bagdá, ativos na Casa da Sabedoria: Jafar Muhammad Ibn Musa (800-873), que se especializou em astronomia, engenharia, geometria e física, Ahmad Ibn Musa Ibn Shakir (805-873), que se especializou em engenharia e mecânica, Al-Hasan Ibn Musa (810-873), que se especializou em engenharia e geometria.

Os irmãos Banu Musa estavam entre o primeiro grupo de matemáticos que enfrentou a difícil tarefa de levar adiante os desenvolvimentos matemáticos na civilização islâmica na primeira metade do século IX. Seu tratado mais famoso é Kitāb ma’rifat masāhat al-ashkāl al-basīta wa ‘l-kuriya (O Livro da Medição de Figuras Planas e Esféricas), no qual eles fizeram importantes contribuições matemáticas. Este trabalho tornou-se conhecido através da tradução para o latim por Gerard de Cremona sob o título Liber trium fratum de geometria.

Os três irmãos são mais conhecidos por suas conquistas na mecânica. Seu livro Kitāb al-hiyal (O Livro dos Dispositivos Engenhosos) é uma contribuição notável no campo das ciências mecânicas. Embora seja atribuído a eles em conjunto, certos testemunhos o atribuem a Ahmad Ibn Musa, que parece ser o mecânico do grupo.

Veja A Mecânica de Banu Musa à Luz do Sistema Moderno e Engenharia de Controle; “Irmãos Banu Musa” no arquivo MacTutor History of Mathematics.

Nº 46 – Pseudo Alhazen – Abu Abdullah Muhammad Ibn Yusuf Ibn Ahmad Ibn Muadh al-Jayyani.

Biografia: Um brilhante matemático andaluz (n. 989, Córdoba, Al-Andalus – m. 1079, Jaen, Al-Andalus). Ele escreveu comentários importantes sobre os Elementos de Euclides e escreveu o primeiro tratado sobre trigonometria esférica. Pouco se sabe sobre sua vida. Algumas de suas obras traduzidas para o latim foram atribuídas a Alhazen, o nome latinizado de Ibn al-Haytham, como o famoso Liber de crepusculis (Tratado sobre o crepúsculo), em que a altura da umidade atmosférica responsável pela refração dos raios solares é calculada. Este trabalho, geralmente atribuído a Alhazen, é o trabalho de al-Jayyani.

Entre suas obras conhecidas, Tabulae Jahen cum regulis suis é um conjunto de tabelas astronômicas para Jaen, uma cidade andaluza.

Fonte: Muslim Heritage

Equipe História Islâmica

O História Islâmica é uma iniciativa com mais de meia década de existência, que visa preencher uma importante lacuna no conhecimento popular: a consciência do legado muçulmano. Sendo a maior página de seu gênero em língua portuguesa, buscamos sempre nos atualizar em pesquisas para trazer um conteúdo de qualidade ao nosso público.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar