CuriosidadesNotícias

Omar Khayyam – O Homem que calculou a Circunferência da Terra no século XI

Omar Khayyam (1048 —1131) foi um poeta, matemático, astrônomo e filosofo persa dos séculos XI e XII. As numerosas transformações políticas e etnológicas no mundo islâmico trouxeram altos e baixos para o desenvolvimento da astronomia e da matemática. Alguns centros desapareceram enquanto outros floresceram por algum tempo. Por volta do ano 1000. surgiram novos governantes no norte da Pérsia, os seljúcidas. Aqui viveu Omar Khayyam, o homem que calculou a circunferência da terra.

Ficou conhecido no ocidente como poeta e autor do Rubaiyat, (em português, “quadras” ou “quartetos”), que ficariam famosos a partir da tradução de Edward Fitzgerald, em 1839. Muitas coisas se contam sobre Omar Khayyam, porém de poucas podemos ter certeza.

Omar Khayyam nasceu em Nishapur, uma das principais metrópole de Khorasan, durante a idade média, que atingiu o clímax da prosperidade no século XI sob a dinastia seljúcida. Nishapur era religiosamente um importante centro dos zoroastrianos . É provável que o pai de Khayyam fosse um zoroastriano que se converteu ao Islã.Ele nasceu em uma família de fabricantes de tenda (khayyam). O historiador Abu’l-Hasan al-Bayhaqi, familiarizado pessoalmente com Omar, fornece todos os detalhes de seu horóscopo: “ele era Gêmeos, o sol e Mercúrio estavam no ascendente.” Isso foi usado por estudiosos modernos para estabelecer sua data de nascimento em 18 de maio de 1048.

Sua infância foi passada em Nishapur. Seus dons foram reconhecidos por seus primeiros tutores que o enviaram para estudar com o Imam Muwaffaq Nīshābūrī, o maior professor da região de Khorasan que atendia aos filhos da mais alta nobreza. Em 1073, aos vinte e seis anos, entrou ao serviço do sultão Malik-Shah I como conselheiro. Em 1076 Khayyam foi convidado para Isfahan pelo vizir e figura politica de peso Nizam al-Mulk para aproveitar as bibliotecas e os centros do saber daquela grande metrópole persa. Seus anos em Isfahan foram produtivos. Foi nessa época que ele começou a estudar muito mais o trabalho dos matemáticos gregos Euclides e Apolônio.

Mas depois da morte de Malik-Shah e seu vizir (mas mãos dos membros da seita dos assassinos), Omar decaiu das graças na corte e, como resultado, ele logo partiu em sua peregrinação a Meca. Um possível motivo ulterior para sua peregrinação relatado por Al-Qifti, é que ele foi atacado pelo clero por seu aparente ceticismo. Então ele decidiu realizar sua peregrinação como forma de demonstrar sua fé e libertar-se de toda suspeita de heterodoxia. Ele foi então convidado pelo novo sultão Sanjar para Marv, possivelmente para trabalhar como astrólogo da corte. Mais tarde, ele foi autorizado a retornar a Nishapur devido à diminuição de sua saúde. Ao retornar, parece ter tomado uma vida reculsa. Khayyam morreu em 1131.

Khayyam era famoso durante sua vida como matemático. Seus trabalhos matemáticos sobreviventes incluem: “Um Comentário sobre as Dificuldades relativas aos Postulados dos Elementos de Euclides (Risāla fī šarḥ mā aškala min muṣādarāt kitāb Uqlīdis, concluída em dezembro de 1077), “Na Divisão de um Quadrante de um Círculo” (Risālah fī qismah rub‘ al-dā’irah, sem data, mas completado antes do tratado sobre álgebra), e em ”Provas de Problemas Relacionados à Álgebra” (Maqāla fi l-jabr wa l-muqābala, provavelmente concluída em 1079 ). Além disso, escreveu um tratado sobre a extração da raiz de números naturais, que foi perdido..

Em 1074, Omar Khayyam foi contratado pelo sultão Malik Shah I para construir um observatório em Isfahan e reformar o calendário persa. Havia um painel de oito estudiosos trabalhando sob a direção de Khayyam para fazer observações astronômicas em larga escala e revisar as mesas astronômicas. Recalibrar o calendário fixado no primeiro dia do ano no momento exato da passagem do centro do sol através do equinócio vernal. Isso marca o início da primavera ou Nowrūz, um dia em que o Sol entra no primeiro grau de Áries antes do meio-dia. O calendário resultante foi nomeado em honra a Malik-Shah como o calendário Jalālī (“majestoso”), e foi inaugurado na sexta-feira, 15 de março de 1079. O próprio observatório foi destituído após a morte de Malik-Shah em 1092.

Em 1911, o calendário de Jalali tornou-se o calendário nacional oficial do Irã sob a dinastia Qajar. Em 1925, este calendário foi simplificado e os nomes dos meses foram modernizados, resultando no calendário iraniano moderno. O calendário de Jalali é mais preciso do que o calendário gregoriano de 1582, com um erro de um dia acumulando mais de 5.000 anos, em comparação com um dia a cada 3.330 anos no calendário gregoriano. Moritz Cantor considerou o calendário mais perfeito já elaborado.

Khayyam se considerava intelectualmente estudante de Avicena (Ibn Sina). De acordo com al-Bayhaqi, ele estava lendo sobre metafísica em ”O’ Livro da Cura de Avicena’ no seu leito de morte. Há dois papéis filosóficos principais de Khayyam. O primeiro, sobre a existência (Fi’l-wujūd), está escrito em Persa e trata do assunto da existência e da sua relação com os universais. O segundo artigo, intitulado ”A Necessidade de contradição no mundo, determinismo e subsistência” (Darurat al-tadād fi’l-‘ālam wa’l-jabr wa’l-baqā ‘), está escrito em árabe e lida com o livre arbítrio e determinismo. Estes documentos indicam que Khayyam era um filósofo da escola de Avicena e que operava dentro de um paradigma filosófico monoteísta.

Omar Khayyam foi considerado em alta estima por seus contemporâneos. Ele foi principalmente venerado como erudito e cientista, de acordo com anedotas contemporâneas principalmente por sua experiência em astrologia horoscópica. Não era incomum que a ele fosse dado epítetos floridos, como “Prova de Verdade”, “Filósofo do Mundo”, “Senhor dos sábios do Oriente e do Ocidente”. Shahrazuri (d. 1300) o chama de “Sucessor de Avicena” e Al-Qifti (D. 1248), embora discorde de seus pontos de vista admite que ele era “incomparável em seu conhecimento de filosofia natural e astronomia”. Al-Zamakhshari (d. 1143/4) o chama de “Sábio do Mundo” ou “Filósofo do Universo”.

Bibliografia:

– Turner, Howard R. (1997). Science in Medieval Islam: An Illustrated Introduction. University of Texas Press.

– “The Tomb of Omar Khayyâm”, George Sarton, Isis, Vol. 29, No. 1 (Jul., 1938), 15.

– Edward FitzGerald, Rubaiyat of Omar Khayyam, Ed. Christopher Decker, (University of Virginia Press, 1997)

The Cambridge History of Iran, Volume 4. Cambridge University Press (1975): Richard Nelson Frye

Equipe História Islâmica

O História Islâmica é uma iniciativa com mais de meia década de existência, que visa preencher uma importante lacuna no conhecimento popular: a consciência do legado muçulmano. Sendo a maior página de seu gênero em língua portuguesa, buscamos sempre nos atualizar em pesquisas para trazer um conteúdo de qualidade ao nosso público.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar