Notícias

O muçulmano iraniano que enganou nazistas para salvar judeus do Holocausto

Milhares de judeus iranianos e seus descendentes devem suas vidas a um diplomata muçulmano em na Paris da Segunda Guerra , de acordo com um novo livro. Em ”The Lion’s Shadow” (A Sombra do Leão), é contada a história de como  Abdol-Hossein Sardari arriscou tudo para ajudar outros iranianos a escapar dos nazistas.

Eliane Senahi Cohanim tinha sete anos quando fugiu da França com a família.

Ela se lembra de ter agarrado sua boneca favorita e deitado o mais imóvel que pôde, fingindo estar dormindo, sempre que o trem parava em um posto de controle nazista.

“Eu lembro de todos os lugares, quando estávamos fugindo, eles pediam nossos passaportes, e eu lembro que meu pai lhes entregava os passaportes e eles olhavam para eles. E então eles olhavam para nós. Era assustador. Era muito , muito assustador.”

A Sra. Cohanim e sua família faziam parte de uma pequena e unida comunidade de judeus iranianos que viviam em Paris e arredores. Seu pai, George Senahi, era um comerciante têxtil próspero e a família morava em uma casa grande e confortável em Montmorency, a cerca de 25 km ao norte da capital francesa.

Imagem relacionada
Sardari era membro da família real persa da dinastia Qajar, que governou o Irã entre 1789 e 1925.

Quando os nazistas invadiram, os Senahis tentaram fugir para Teerã, escondendo-se por algum tempo no interior da França, antes de serem forçados a retornar a Paris, agora sob o controle total da Gestapo.

“Eu me lembro da atitude deles. A maneira como eles andavam com suas botas pretas. Só de olhar para eles naquela época era assustador para uma criança, eu acho”, relembra a sra. Cohanim, falando em sua casa na Califórnia.
Como outros membros da comunidade judaica iraniana, Senahi pediu ajuda ao jovem chefe da missão diplomática do Irã em Paris.

Abdol-Hossein Sardari foi capaz de fornecer à família Senahi os passaportes e documentos de viagem que eles precisavam para uma passagem segura pela Europa ocupada pelos nazistas, uma jornada de um mês que ainda estava cheia de perigos. “Nas fronteiras, meu pai estava sempre tremendo”, lembra a sra. Cohanim, mas, acrescenta, ele era um “homem forte” que dera à família “garantia de que tudo ficaria bem”.

A avó de 78 anos morou nos últimos 30 anos na Califórnia com o marido Nasser Cohanim, um banqueiro de sucesso. A Sra. Cohanim não tem dúvida de a quem ela e seu irmão mais novo, Claude, devem suas vidas.

“Lembro-me de meu pai sempre dizendo que foi graças ao senhor Sardari que pudemos sair.” Meus tios, tias e avós moravam em Paris. Foi graças a ele que eles não ficaram feridos. “Aqueles que não tiveram sua ajuda, eles os pegaram e você nunca mais ouviu falar deles.” De Sardari, ela diz: “Acho que ele era como Schindler, na época, ajudando os judeus em Paris”.

Assim como Oskar Schindler, o industrial alemão que salvou mais de mil judeus durante o Holocausto, empregando-os em suas fábricas, Sardari era um herói improvável.

Em seu livro A Sombra do Leão, o autor Fariborz Mokhtari retrata a imagem de um bacharel e bon viveur que de repente se viu chefe da casa de legação do Irã, ou missão diplomática, no início da Segunda Guerra Mundial.

Embora oficialmente neutro, o Irã estava disposto a manter sua forte relação comercial com a Alemanha. Esse arranjo combinava com Hitler. A máquina de propaganda nazista declarou que os iranianos eram uma nação ariana e racialmente parecida com os alemães.

Os judeus iranianos em Paris ainda enfrentavam assédio e perseguição e eram frequentemente identificados pelas autoridades por informantes. Em alguns casos, a Gestapo foi alertada quando meninos judeus recém-nascidos eram circuncidados no hospital. Suas mães aterrorizadas foram obrigadas a relatar ao Escritório de Assuntos Judaicos para receber as manchas amarelas que os judeus eram forçados a usar em suas roupas e a ter seus documentos carimbados com sua identidade racial.

Mas Sardari usou sua influência e contatos alemães para obter isenções das leis raciais nazistas para mais de 2.000 judeus iranianos, e possivelmente outros, argumentando que eles não tinham laços de sangue com os judeus europeus.

Ele também foi capaz de ajudar muitos iranianos, incluindo membros da comunidade judaica, a retornar a Teerã, emitindo-lhes os novos passaportes iranianos de que precisavam para viajar pela Europa. Uma mudança de regime no Irã, em 1925, levou à introdução de um novo passaporte e carteira de identidade. Muitos iranianos que viviam na Europa não possuíam esse documento, enquanto outros, que haviam se casado com não-iranianos, não se deram ao trabalho de obter passaportes iranianos para seus cônjuges ou filhos.

Quando a Grã-Bretanha e a Rússia invadiram o Irã em setembro de 1941, a tarefa humanitária de Sardari tornou-se mais perigosa. O Irã assinou um tratado com os Aliados e Sardari foi ordenado por Teerã a voltar para casa o mais rápido possível.

Mas apesar de ter sido despojado de sua imunidade e status diplomáticos, Sardari resolveu permanecer na França e continuar ajudando os judeus iranianos, correndo risco considerável para sua própria segurança, usando dinheiro de sua herança para manter seu escritório funcionando.

A história que ele deu aos nazistas, em uma série de cartas e relatórios, foi que o imperador persa Ciro havia libertado exilados judeus na Babilônia em 538 aC e eles haviam retornado para suas casas. No entanto, ele disse aos nazistas, em um momento posterior, um pequeno número de iranianos começou a achar os ensinamentos do Profeta Moisés atraentes – e estes ”Mosaicos”, ou seguidores iranianos de Moisés, que ele apelidou de “Djuguten”, não faziam parte da raça judia.

Usando toda sua habilidade de advogado, ele explorou as contradições internas e as idiotices da ideologia dos nazistas para obter um tratamento especial para o “Djuguten”, como mostra o material do arquivo publicado no novo livro de Mokhtari. Investigações de alto nível foram lançadas em Berlim, com “especialistas” em pureza racial elaboradas para dar uma opinião sobre se essa seita iraniana – que o livro sugere que poderia ter sido invenção de Sardari – era judia ou não. Os especialistas não se comprometeram e sugeriram que mais recursos seriam necessários para a pesquisa.

Em dezembro de 1942, os pedidos de Sardari tinham chegado a Adolf Eichmann, o nazista sênior encarregado dos assuntos judaicos, que os rejeitou, em uma carta publicada no livro de Mokhtari, como “os habituais truques e tentativas judaicas de camuflagem”.

Mas Sardari de alguma forma conseguiu continuar ajudando famílias a escapar de Paris, numa época em que cerca de 100.000 judeus foram deportados da França para campos de extermínio. O número de passaportes em branco no cofre de Sardari é estimado entre 500 e 1.000. Em seu livro, Mokhtari sugere que, se cada um fosse emitido por uma média de duas a três pessoas, “isso poderia ter poupado mais de 2.000 indivíduos”.

Sardari nunca procurou reconhecimento por seu trabalho durante sua vida, insistindo que ele só estava cumprindo seu dever. Ele viveu seus últimos anos na Inglaterra no início dos anos 1980, depois de perder a pensão de embaixador e as propriedades de Teerã na revolução iraniana.

Acredita-se que ele tenha morrido em Nottingham, para onde ele se mudou para ficar perto de um sobrinho, depois de viver por um tempo em um pequeno apartamento em Croydon. Ele foi postumamente reconhecido por seu trabalho humanitário em 2004 em uma cerimônia no Simon Wiesenthal Center em Los Angeles.

Mokhtari espera que, contando sua história, através do testemunho de sobreviventes, incluindo Cohanim, ele a traga para um público mais amplo, mas também abale “equívocos populares” sobre o Irã e os iranianos.

“Aqui você tem um iraniano muçulmano que sai do seu caminho, arrisca sua vida, certamente arrisca sua carreira e propriedade e tudo mais, para salvar colegas iranianos”, diz ele. “Não há distinção ”eu sou muçulmano, ele é judeu’ ou o que for.” Ele acredita que a história ilustra a “propensão cultural geral dos iranianos a serem tolerantes”, que é frequentemente negligenciada no atual clima político.

 

Fonte: https://www.bbc.com/news/magazine-16190541?fbclid=IwAR1Rf0S_fgAKipPsHT96_fcbfFUR-F0WY7L0og1cpszENHx7lZZCKPpHftc

Equipe História Islâmica

O História Islâmica é uma iniciativa com mais de meia década de existência, que visa preencher uma importante lacuna no conhecimento popular: a consciência do legado muçulmano. Sendo a maior página de seu gênero em língua portuguesa, buscamos sempre nos atualizar em pesquisas para trazer um conteúdo de qualidade ao nosso público.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar