História Islâmica

Rodrigo Diaz de Vivar (El Cid): Amigo de Mouros e Cristãos

Texto de: David Porrinas Gozáles

Rodrigo Díaz não só viveu em território muçulmano durante uma parte significativa de sua existência, mas sua relação com as pessoas dessas áreas condicionou alguns aspectos essenciais de sua biografia.

A trajetória vital e o significado histórico de Rodrigo Díaz, El Cid Campeador, não podem ser compreendidos sem sua relação com os muçulmanos. E é que a interação do cavalheiro castelhano com o Islã foi intensa e extensa, podendo afirmar que em sua vida adulta talvez tenha passado tanto ou mais tempo em terras islâmicas do que em territórios cristãos.

Alguns autores contemporâneos falam de Rodrigo Díaz como “moçárabe” (José Camón Aznar), ou como um “personagem transfronteiriço” (FJ Peña Pérez), o que ilustra a marca que o guerreiro de Burgos alcançou de Islã, um homem entre dois mundos, talvez não pertencendo realmente a nenhum dos dois. Por outro lado, a época em que viveu Rodrigo Díaz foi marcada pela desintegração política de al-Andalus, um processo de decomposição (fitna) que se iniciou nas primeiras décadas do século XI e atingiu o seu ápice no final desse século, momento mais crítico e um epílogo que é marcado pela entrada dos almorávidas na Península Ibérica. Precisamente os anos em que El Cid é mais ativo são durante o período mais dramático para alguns andaluzes, localizado entre a bigorna almorávida e o martelo cristão. Rodrigo Díaz se beneficiou e soube aproveitar essa situação de fraqueza e decomposição, de confrontos entre taifa para esculpir seu destino e conquistar e governar seu próprio domínio. O sucesso de Rodrigo Díaz não poderia ser compreendido sem a múltipla fratura de al-Andalus em diferentes taifas, sem aquele mosaico islâmico, um rio turbulento no qual o Campeador se desdobrava como um peixe na água. Porque se algo beneficia um guerreiro, é precisamente um estado generalizado de violência entre as partes, uma situação de confronto e enfrentamento persistente entre as diferentes unidades que antes eram uma entidade política homogênea. Em tais circunstâncias, um guerreiro e capitão experiente tinha uma chance muito melhor de prosperidade e riqueza do que em uma situação mais pacífica. Pode-se dizer, em suma, que uma das principais chaves para o sucesso vital do Cid Campeador é precisamente o estado crítico de al-Andalus de seu tempo.

A primeira vez que Rodrigo entrou em terras muçulmanas pode ter sido por volta do ano de 1063, quando é possível que tenha acompanhado o príncipe Sancho na campanha que culminou na batalha de Graus, onde o rei Ramiro de Aragón, tio de Sancho, morreu, presumivelmente nas mãos de um guerreiro muçulmano chamado Sadadá. Mas seu primeiro grande contato com a realidade de uma cidade islâmica acontecerá anos depois, quando, morto seu senhor Sancho II, Afonso VI se integra à sua corte e o mande a Sevilha com a missão de recolher os párias que essa taifa devia ao monarca leonês. Ele residiria naquela cidade por vários dias, possivelmente até meses, aprendendo sobre os muçulmanos, sua organização, sua economia, seus costumes, talvez chegando a alguns rudimentos mínimos da língua árabe. É também nesse contexto que ele terá seu primeiro contato com as formas islâmicas de lutar no campo de batalha, e onde atuaria no combate como comandante de uma hoste combinada de cristãos, seus próprios homens, e muçulmanos, os guerreiros do príncipe sevilhano. Essa combinação de forças cristãs e islâmicas será mais tarde uma das chaves para o sucesso militar de El Cid. Haveria várias conclusões que ele obteria daquela competição em Cabra (1079) que o colocaria contra o exército também híbrido liderado pelo conde García Ordóñez e por Abd Allah Ibn Buluggin de Granada. Esta batalha é um dos sinais de que as fronteiras entre o Islã e o Cristianismo não eram tão claras quanto podemos acreditar hoje.

Mas o seu contato mais prolongado e intenso com a realidade islâmica terá lugar nos anos entre 1080 e 1086, anos do seu primeiro exílio, em que atua ao serviço da Taifa de Saragoça. Durante este período, Rodrigo estará totalmente integrado na corte principesca de um senhor muçulmano, assumindo inclusive o comando militar do exército de Saragoça. Autores cristãos e muçulmanos da época concordam que o Vivar atuou durante aqueles anos como uma espécie de general da taifa de Saragoça, como uma espécie de protetor daquele principado. Nesse intervalo Rodrigo enriqueceria seu anfitrião com contingentes daquela taifa, que o acompanhariam integrados em suas fileiras até o fim de seus dias. Também é possível que aí tenha adquirido conhecimentos de astronomia, que mais tarde o serviriam na chefia das suas tropas, aprendou um pouco mais de árabe ou integrou na sua confiança um bilíngue de Saragoça que no futuro serviria de intérprete. Durante esses anos Rodrigo será verdadeiramente um “moçárabe” e também um “transfronteiriço”. Toda essa riqueza de informações o ajudaria a enfrentar uma tarefa tão árdua e complexa como a conquista de Valência, cidade localizada em uma região cercada por potências islâmicas por todos os lados.

Em suas várias idas e vindas, seu exército aumentaria, assim como seus sucessos militares e a riqueza e a fama derivadas deles. Não apenas haveria muitos cristãos que viajariam de seus lugares para servir a esse tipo de senhor da guerra independente tocado pela fortuna em suas batalhas. Muitos, talvez mais do que os primeiros, seriam muçulmanos dispostos a servir ao comandante estrangeiro em troca de um soldo [remuneração por serviços militares] e motivados pela aspiração de melhorar sua situação ao lado de cristãos bem-sucedidos em terras islâmicas. Na verdade, temos referências a esse tipo de combatente a serviço do Campeador, de muçulmanos anônimos que colocam suas armas a serviço de Rodrigo Díaz. Algumas fontes islâmicas, as cristãs sempre relutam em apontar este tipo de questões, afirmam que em alguma ocasião Rodrigo recrutou besteiros e operários locais em diferentes pontos de Valência, e que foi auxiliado pelo serviço prestado pelo chamado “dawair” (“tornadizo”), especialmente pela execução de ações repressivas, semeando o terror, no contexto do cerco valenciano. Afinal, não era novidade que os muçulmanos, descontentes com seus senhores, ou simplesmente motivados pelo desejo de lucro, ou pelo mais puro desejo de autopreservação, colocassem a fé em um plano secundário e em primeiro lugar no pragmatismo mais prosaico. O próprio Rodrigo Díaz teria feito algo semelhante durante os anos em que serviu aos príncipes de Zaragoza, serviu a um senhor muçulmano em suas guerras contra os inimigos cristãos. Mas é também que o Campeador encontrou em Valência um terreno fértil favorável para engrossar suas fileiras com os muçulmanos.

Antes da irrupção de El Cid na cena valenciana, Álvar Fáñez atuava ali como protetor e fiador dos interesses de Afonso VI na região. O fiel vassalo de Alfonso ficou encarregado por um tempo de garantir a segurança de al-Qadir, um governante fraco que fora a chave para o imperador cristão conquistar Toledo. Talvez tentando repetir o movimento que o tornara dono de uma cidade tão importante estratégica, simbólica e mentalmente, Alfonso manobrou o covarde al-Qadir para se tornar o novo príncipe de uma Valência dominada por convulsões, pela insurgência e por oscilações do governo. Alfonso de alguma forma controlava aquele remoto principado graças a um de seus homens de confiança, acompanhado por uma hoste de cavaleiros cristãos que se juntaram a muçulmanos locais que as fontes chamam de “malfeitores”, “garzones“, “travessos” (retorcidos), “almogávares”.

Mas Rodrigo não usa apenas os guerreiros muçulmanos no contexto valenciano. Ele até nomeia um muçulmano para importantes cargos administrativos e organizacionais. É o caso de seu almoxarife, chamado Abenabduz, encarregado de administrar a arrecadação de impostos (dízimo) e administrar a renda do Campeador, e que atuaria como seu “mordomo”, gestor dos direitos dos afluentes muçulmanos no subúrbio de Alcudia, antes da conquista da cidade. E é que Rodrigo Díaz construiu naquele subúrbio anexo a Valência um protótipo de aldeia islâmica, onde muçulmanos, cristãos e judeus viviam juntos, se aplicava a lei islâmica e havia uma certa liberdade de culto. El Campeador agia como fiador dos direitos dos habitantes de Alcudia, estimulando a organização dos mercados e o fluxo de mercadorias e riquezas para lá. Esta “cidade” logo prosperou, pois também cresceu paralelamente a cidade fortificada de Juballa, situada a quinze quilômetros de Valência, convertida em praça central Cidiana e ponto ativo de trocas comerciais e concentração dos frutos do saque bélico dos homens de Rodrigo Diaz.

Antes de assumir o controle de Valencia Rodrigo já atuava em seu ambiente como uma espécie de príncipe taifa, garantindo a segurança dos habitantes muçulmanos de sua região que lhe eram fiéis, fazendo seus próprios homens jurarem que de fato protegeriam aqueles súditos, especialmente para os agricultores, de modo que a atividade econômica permanecesse ativa e ocasionasse em seu benefício. Eles até ameaçam decapitar seus próprios que violam os fiéis muçulmanos e estão sujeitos a seu sistema tributário peculiar.

Conquistada a cidade, depois de tortuosas operações militares, tréguas e negociações, Rodrigo agiu em Valência à maneira de um príncipe taifa islâmico, e não só pelos compromissos adquiridos com os conquistados na capitulação, mas, antes, por simples e puro pragmatismo. Ele testou a fórmula no subúrbio de Alcudia e descobriu que funcionou perfeitamente. O contingente cristão do Campeador naquela época era consideravelmente menor do que os muçulmanos que o serviam, ativa e potencialmente. Nessa situação, ele precisava se mostrar mais como um senhor muçulmano do que como um conquistador cristão, pois precisava da população local para consolidar seu domínio sobre aquela cidade e seu território. Rodrigo nunca esperaria, pelo menos inicialmente, a chegada de grandes contingentes cristãos para povoar a cidade, e essa certeza o forçaria a se comprometer o máximo possível com o elemento muçulmano nativo. Mas nem todos aqueles muçulmanos seriam válidos para os planos de Rodrigo, que seria forçado a expurgar potenciais inimigos, algo que sabemos que fez, neutralizando e em alguns casos executando algumas pessoas notáveis ​​da cidade. Se os totonacs e tlaxcalaltecas foram essenciais para Hernán Cortés e seus seguidores na conquista e domínio do México, muitos muçulmanos não seriam menos essenciais para Rodrigo Díaz concluir com sucesso seu empreendimento. É preciso lembrar que não temos conhecimento do envio a Rodrigo de contingentes de reforço por aliados cristãos. Só depois da conquista receberá temporariamente a ajuda de D. Pedro I de Aragão, que se juntou a Rodrigo na campanha que culminou na batalha de Bairén contra os almorávidas, realizada em janeiro de 1097 e, portanto, dois anos e meio após a conquista da capital valenciana.

E é que Rodrigo Díaz não só viveu em espaços muçulmanos por uma parte significativa de sua existência, mas sua relação com as pessoas dessas áreas condicionou alguns aspectos essenciais de sua biografia. Rodrigo soube se adaptar ao seu tempo e às circunstâncias peculiares que o caracterizavam, mostrando-se um comandante hábil na aplicação e uso de conceitos de geopolítica e geoestratégia como insurgência e contra-insurgência. O Campeador não perdeu a oportunidade de estimular movimentos rebeldes e opositores no interior de Valência quando a sitiava. Sabemos que em várias ocasiões ele tentou introduzir vetores insurgentes dentro dos muros, aproveitando antigas disputas entre diferentes facções e famílias valencianas.

Depois de se tornar senhor de Valência, e ainda mais cedo em Alcudia, promove medidas que se enquadram na contra-insurgência que se tem desenvolvido, com sucesso ímpar, nos diversos conflitos da época contemporânea. Na verdade, as formas americanas atuais de travar a guerra são baseadas mais na aplicação de técnicas e práticas de contra-insurgência e no uso de comandos de elite e inteligência, para neutralizar líderes dissidentes e vencer vontades, do que na mobilização de grandes exércitos (“colocar as botas sobre o terreno”). A propaganda e a contra-insurgência, agora tão fomentadas em zonas de conflito como o Afeganistão foram habilmente aplicadas por Rodrigo Díaz em Valência e arredores. Louis Hubert Lyautey (1854-1934), general, marechal e depois ministro da guerra francês, cunhou uma expressão em 1895 que sintetiza a essência da política de contra-insurgência. No quadro das tensões provocadas na fronteira entre a China e a Indochina, onde a França tinha interesses coloniais, e face às ações de insurgência do grupo chinês Black Flags, o general francês afirmou que a chave do sucesso francês nesse complexo cenário era “conquistar corações e mentes” da população local. Rodrigo mostra com algumas de suas ações que esse seria seu objetivo em Valência, conquistar os corações e mentes de uma população muçulmana de que precisava para fazer de sua conquista militar um senhorio próspero e bem governado.

Parece que nem todos os muçulmanos eram iguais para Rodrigo Díaz, nem seriam iguais para os autores que nos falam sobre eles a partir de uma perspectiva cristã. O cronista anônimo que escreveu a Historia Roderici, um texto complexo possivelmente elaborado logo após a morte de El Cid e manipulado décadas depois, faz uma distinção sutil entre os muçulmanos que se relacionam com Rodrigo. Ele os divide em três categorias: “Sarracenos”, nome mais genérico e mais usado em seu discurso; “Ismaelitas” e “Moabitas”. Para este escritor, os ismaelitas são os muçulmanos de al-Andalus, os “moabitas” são os almorávidas, a quem às vezes chama de “sarracenos bárbaros”, o que pode ser interpretado como “muçulmanos estrangeiros, de fora”. Os líderes muçulmanos com os quais Rodrigo mantinha uma relação de amizade nunca são chamados de “sarracenos” ou “ismaelitas”, são simplesmente mencionados pelo nome, como o caso do taifa de Sevilha, Ibn Abbas, e dos príncipes de Saragoça al -Mutamin e al-Mustain. Não é surpreendente que autores cristãos como o da Historia Roderici tenham estabelecido essas distinções, os próprios andaluzes sabiam que eram algo diferente daqueles outros, também muçulmanos, que tinham vindo do outro lado do estreito de Gibraltar sob o comando de Yusuf ibn Teshufin. “Prefiro ser um condutor de camelos na África do que um pastor de porcos em Castela” é uma frase atribuída ao referido al-Mutamid de Sevilha por cronistas muçulmanos posteriores (Ibn Simak e al-Himyari, séculos XIII a XIV), e que ilustraria o sentimento geral de alguma taifa ameaçada pelos cristãos do norte, e que veria como sua única esperança de salvação aqueles cavaleiros do deserto que haviam assumido o controle de grande parte da África Ocidental e do Magrebe. Os governantes cristãos, incluindo o próprio Rodrigo Díaz, também conceberiam alguns e outros muçulmanos, os andaluzes e os almorávidas de uma maneira diferente. Os andaluzes eram vizinhos que podiam ser espremidos, dominados, subjugados ou conquistados, sem os melhores recursos militares, mais dedicados às atividades econômicas e culturais do que à guerra.

Os almorávidas, ao contrário, eram caracterizados por um estilo de vida espartano e belicoso, com noções de honra e valores semelhantes aos dos bravos cavaleiros cristãos, com uma cultura de guerra semelhante em mente. Os restos mortais de um califado que já foi glorioso acabaram se diluindo na época de um Rodrigo Díaz que sabia se comportar como governante muçulmano quando necessário e como príncipe cristão quando apropriado. Foi de fato o único “taifa” islâmico e “príncipe” cristão que conseguiu derrotar no campo de batalha, em até duas ocasiões, esta poderosa máquina de guerra norte-africana nas suas primeiras duas décadas de operação na Península Ibérica. E talvez tenha sido assim, entre outras coisas, porque talvez Rodrigo Díaz tenha sido o único líder de seu tempo que agiu como um híbrido puro, sabendo valorizar o cristão e o muçulmano, em um mundo dominado pelo caos, guerra e mudança, em que as fronteiras ideológicas nem sempre eram claramente definidas.

Bibliografia:

CAMÓN AZNAR, José: «El Cid, personaje mozárabe», en Revista de Estudios Políticos, nº 31-32 (1947), pp. 109-144.

DÍAZ PLAZA CASAL, Adrián: El Cid: entre el romance y la historia, Madrid, 2018.

FLETCHER, Richard: El Cid, 2ª ed., Madrid, 1999, (traducido del original inglés The Quest for El Cid, Londres, 1989).

MARTÍNEZ DÍEZ, Gonzalo: El Cid histórico. Un estudio exhaustivo sobre el verdadero Rodrigo Díaz de Vivar, Barcelona, 1999.

PEÑA PÉREZ, Francisco J.: El Cid, Historia, Leyenda y Mito, Burgos, 2000.

PORRINAS GONZÁLEZ, David: “Rodrigo Díaz, el Cid Campeador, un conquistador en el siglo XI”, en Martín F. Rios Saloma (dir.), El mundo de los conquistadores, Madrid, Sílex Ediciones, 2015, pp. 489-522.

VIGUERA MOLINS, María Jesús: “El Cid en las fuentes árabes”, en El Cid, Poema e Historia, César Hernández Alonso (coord.), Burgos, 2000.

Fonte: Al-Andalus y la Historia

Equipe História Islâmica

O História Islâmica é uma iniciativa com mais de meia década de existência, que visa preencher uma importante lacuna no conhecimento popular: a consciência do legado muçulmano. Sendo a maior página de seu gênero em língua portuguesa, buscamos sempre nos atualizar em pesquisas para trazer um conteúdo de qualidade ao nosso público.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar