DestaqueNotícias

Como uma princesa muçulmana inspirou a construção de um dos mais belos monumentos do mundo

Nascida em Agra, na Índia, em uma família de nobreza persa, Arjumand Banu Begum era filha de Abdul Hasan Asaf Khan e sobrinha (e depois nora) de Nur Jehan (que posteriormente se tornou esposa do imperador Jahangir). Como imperatriz da dinastia Mughal, Arjumand ficou mais conhecida pelo nome de Mumtaz Mahal, que significa “amado ornamento do palácio”.

Sim, o Mahal de seu nome é o mesmo do Taj Mahal, monumento que é considerado uma das sete maravilhas do mundo moderno.

Como Arjumand se tornou Mumtaz Mahal

Como princesa persa, ela era religiosamente muçulmana xiita e uma mulher de bom coração e mesmo durante sua vida, os poetas enalteciam sua beleza, graça e compaixão.

Aos 19 anos, casou-se com o príncipe Khurram (que mais tarde ascenderia ao Trono do Pavão como imperador mogol Shah Jahan I), em 10 de maio de 1612. Embora a união tenha sido prometida a Shah Jahan em 1607, Arjumand veio a se tornar sua terceira esposa, uma vez que o casamento demorou cinco ano para acontecer. No entanto, isso não significa que ela era preterida. Na verdade, ela era sua esposa favorita.

O atraso para a realização do casamento aconteceu por um bom motivo! Segundo os astrólogos da corte, o casal seria muito feliz se a sua união fosse celebrada sob o céu do dia 10 de maio de 1612 DC (1021 AH).

Após as celebrações do casamento, Khurram, “encontrando-a na aparência e no caráter eleito entre todas as mulheres da época”, deu a ela o título de ‘Mumtaz Mahal’ Begum (eleita pelo palácio).

A mais linda história de amor

À esquerda, representação da princesa Mumtaz Mahal. À direita, está representado Shah Jahan.
Reprodução / WikiMedia Commons

Nos anos seguintes, Khurram se casou mais duas vezes. Apesar disso, ele ficou tão impressionado com Mumtaz, que demonstrou pouco interesse em exercer seus direitos poligâmicos com as demais mulheres, optando por simplesmente cumprir com a sua função de ter um filho com cada uma delas.

Segundo o cronista oficial da corte Motamid Khan (como registrado em seu Iqbal Namah-e-Jahangiri), o relacionamento com suas outras esposas “não tinha nada além do status de casamento. A intimidade, o profundo carinho, atenção e favor que Sua Majestade tinha pelo berço da excelência (Mumtaz) excederam mil vezes o que ele sentia por qualquer outra”.

Mumtaz Mahal teve um casamento muito profundo e amoroso com Shah Jahan. Ela era sua companheira de confiança e viajava com ele por todo o Império Mughal. A cumplicidade entre os dois era tão intensa que ele até lhe deu seu selo imperial, o Muhr Uzah.

No decorrer da história, Mumtaz foi retratada como a esposa perfeita e sem aspirações ao poder político; ao contrário de sua tia, a imperatriz Nur Jehan, esposa do quarto imperador Jahangir, que exercia considerável influência no reinado anterior, intervindo em nome dos pobres e necessitados.

Apesar de suas frequentes gestações, Mumtaz viajou com a comitiva de Shah Jahan durante suas campanhas militares anteriores e a subsequente rebelião contra seu pai. Ela era sua companheira constante e o relacionamento deles era intenso. De fato, os historiadores da corte se esforçam para documentar o relacionamento íntimo e erótico do qual o casal desfrutava. Nos dezenove anos de casamento, eles tiveram quatorze filhos juntos, sete dos quais morreram no nascimento ou em uma idade muito jovem.

O fim do casamento de Mumtaz Mahal e Shah Jahan

Mumtaz morreu em Burhanpur em 1631 DC (1040 AH), ao dar à luz seu 14º filho. Ela acompanhava o marido enquanto ele fazia uma campanha no planalto de Deccan. Seu corpo foi enterrado temporariamente em Burhanpur, em um jardim de prazer conhecido como Zainabad, construído originalmente por Daniyal, tio de Shah Jahan, na margem do rio Tapti.

Os cronistas da corte contemporânea prestaram uma atenção incomum à morte de Mumtaz Mahal e à tristeza de Shah Jahan por sua morte. O imperador ficou inconsolável. Há evidências de que, após a morte da amanda, Shah Jahan entrou em luto isolado por um ano. Quando ele apareceu novamente, seus cabelos estavam brancos, suas costas estavam curvadas e seu rosto estava cansado. A filha mais velha de Shah Jahan, a devota Jahanara Begum, gradualmente o tirou da tristeza e tomou o lugar de Mumtaz na corte.

Burhanpur nunca foi planejado pelo marido como o local de descanso final de sua esposa. Por conta disso, o corpo de Mumtaz foi desenterrado em dezembro de 1631 e transportado em um caixão de ouro escoltado por seu filho Shah Shuja de volta a Agra. Lá, foi enterrado em um pequeno prédio às margens do rio Yamuna.

A história do Taj Mahal

Fotografia do Taj Mahal.
Reprodução / Unsplash – Tim van Kempen

Durante esse processo, Shah Jahan permaneceu em Burhanpur para concluir a campanha militar que originalmente o levara à região. Enquanto estava lá, ele começou a planejar o projeto e a construção de um mausoléu adequado e um jardim funerário em Agra para sua esposa. Essa empreitada levou mais de 22 anos para ser concluída, dando origem ao belíssimo Taj Mahal.

Nenhuma despesa foi poupada! E, naquela época, o Império Mogol era a nação mais rica do mundo. Técnicos e artesãos vieram de todo o mundo para trabalhar no monumento, sendo que, em grande parte, o trabalho foi feito por pedreiros venezianos.

O Taj Mahal foi construído todo em mármore branco e as superfícies do seu interior, assim como a base do exterior são cobertas com incrustações de pedras preciosas e semipreciosas: campos de flores em cornalina, jade e madrepérola; caligrafia monumental em ônix preto.

O monumento ocupa cerca de 17 hectares e conta com uma mesquita, uma casa de hóspedes e um grandioso pátio externo, além dos claustros, que são típicos da arquitetura religiosa. Toda a sua construção é simétrica. A sua localização ajuda a valorizar a sua beleza, com todo o verde a sua volta e azul do céu.

O Taj Mahal é considerado o maior feito da arquitetura indo-islâmica e até hoje é tido como um monumento definitivo ao amor e uma homenagem à a beleza e à vida. De acordo com o site oficial dedicado ao mausoléu [https://www.tajmahal.gov.in/], anualmente são recebidos entre 7 e 8 milhões de visitantes de todo o mundo.

A sucessão de Shah Jahan

Quando Shah Jahan adoeceu, em 1658 EC (1067 AH), Dara (filho mais velho de Mumtaz Mahal) assumiu o papel de regente no lugar de seu pai, o que rapidamente causou a animosidade de seus irmãos [https://historiaislamica.com.br/fratricidio-a-solucao-otomana-para-guerras-de-sucessao/]. Ao saber de sua suposição de regência, seus irmãos mais novos, Shuja, que era vice-rei de Bengala, e Murad, vice-rei de Gujarat, declararam sua independência e marcharam sobre Agra para reivindicar suas riquezas. Aurangzeb, o terceiro filho, e o mais capaz e mais viril dos irmãos, juntou-se a eles e foi colocado no comando principal. Eles atacaram o exército de Dara perto de Agra e o derrotaram completamente.

Embora Shah Jahan tenha se recuperado completamente de sua doença, Aurangzeb o declarou incompetente para governar e o colocou em prisão domiciliar em Agra Fort, onde permaneceu pelos próximos 8 anos.

Confinado na cama, Shah Jahan ficou progressivamente mais fraco até que, em 22 de janeiro de 1666 dC (1076 AH), ele comandou as damas da corte imperial, particularmente sua consorte nos últimos anos Akbarabadi Mahal, aos cuidados de Jahanara. Depois de recitar o Kalima e versos do Alcorão, ele morreu.

Jahanara planejou um funeral de Estado que incluiria uma procissão com o corpo de Shah Jahan, transportada por nobres eminentes, seguidos pelos notáveis ​​cidadãos de Agra e funcionários espalhando moedas para os pobres e necessitados.

A fortuna pessoal de Shah Jahan, que era avaliada em 10 milhões de rúpias, foi dividida entre Jahanara Begum, que recebeu metade, e o restante de seus filhos sobreviventes.

Amor até nos tempos mais difíceis

A cela de Shah Jahan no forte de Agra ainda é mostrada aos visitantes, porque tem uma única janela pequena, no alto da parede. Dizem que, polindo uma moeda de prata nas pedras da cela e anexando-a a um poste, Shah Jahan conseguiu vislumbrar o exterior; e a partir desse ponto, a única coisa visível era o Taj Mahal.

Depois de sua morte, seu corpo foi lavado de acordo com os ritos islâmicos, levado pelo rio em um caixão de sândalo para o Taj Mahal e foi enterrado ali ao lado do corpo de sua amada esposa Mumtaz.

Equipe História Islâmica

O História Islâmica é uma iniciativa com mais de meia década de existência, que visa preencher uma importante lacuna no conhecimento popular: a consciência do legado muçulmano. Sendo a maior página de seu gênero em língua portuguesa, buscamos sempre nos atualizar em pesquisas para trazer um conteúdo de qualidade ao nosso público.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar