Notícias

846: O ano em que Muçulmanos saquearam Roma

”Ultores misit Deus paganos”, ou ”Deus enviou os pagãos vingadores” – fora a explicação cristã para o ataque dos muçulmanos a Roma, como se encontra em Liber Pontificalis. A igreja era corrupta e Deus decretou sua vingança pelas mãos dos sarracenos. Embora o termo “Saque de Roma” seja usado frequentemente para descrever o ataque dos muçulmanos a cidade em 846, isto é um tanto inverídico, já que o assalto
não foi dirigido contra a própria cidade de Roma, mas contra suas duas mais ricas igrejas, as basílicas de São Pedro e São Paulo. A pilhagem deve ser entendida no contexto maior das expedições de invasões marítimas árabes que ocorreram no inicio da Idade Média, e servem como um excelente exemplo do tipo de guerra invasora, ou ”ghazw”, com a qual os árabes tinham uma longa história.

Em seguida, devemos estudar brevemente o conceito próprio do termo invasão. O termo árabe este ato é ”ghazw” (غَزْوَة), e se tornou amplamente utilizado em muitas línguas europeias; razzia (em francês), razzia (em italiano), razia (em português), ràtzia (em catalão), razzia (em alemão), razzia (em sueco) e ratsia (em finlandês), para citar alguns. A ”Encyclopaedia of Islam” define o termo ”ghazw” como uma “expedição, geralmente de alcance limitado, conduzida com o objetivo de ganhar pilhagem”. A ghazw em si era uma antiga
instituição beduína que foi estabelecida bem antes do Islã. As incursões de camelos entre as tribos beduínas eram um meio importante para conquistar mais camelos e manter seus rebanhos, uma necessidade da vida no deserto. Os beduínos também costumavam invadir áreas habitadas por povos sedentários que viviam nas margens do deserto, a fim de ganharem dinheiro e riquezas econômicas. Portanto, as invasões nômades eram bem conhecidas entre os povos
residindo junto às areias do deserto, inclusive os romanos.

Por exemplo, em ”A Vida de Crasso”, Plutarco (46-120 d.c) refere-se aos nômades do deserto como assaltantes, e Amiano Marcelino (330-440 d.c) descreve o hábito árabe de invasão comparando os árabes com as aves de rapina, que rapidamente arrancam seu alvo e fogem de imediato. Os ataques eram geralmente bem planejados com antecedência, com o uso de espiões ou batedores, e depois executados de forma sistemática. A Batalha de Badr lançada pelo Profeta Muḥammad em 624 é um bom exemplo. Quando Muḥammad soube que havia uma rica caravana de Meca que retornava da Síria (após vender o que haviam tomado de seus seguidores), ele queria dar um golpe severo nos mecanos e ganhar o saque. Ele ordenou que seus companheiros observassem a caravana com antecedência para descobrir o número de homens que a acompanhavam e quais os bens que carregava.

Uma vez que a missão de reconhecimento fora realizada e a informação recebida, era hora de começar a emboscada da caravana. A viagem ao campo de batalha costumava ser realizada no lombo de camelos, que geralmente eram montados, como em Badr, de dois a quatro homens compartilhando cada camelo. Os ataques eram então
conduzido a pé ou montados em cavalos. Portanto, o propósito dos camelos era principalmente levar os homens à batalha e deixar os cavalos descansarem.

As invasões sarracenas no Mediterrâneo seguiram os velhos padrões de invasão do deserto, pois seu propósito era ganhar despojos e prisioneiros, que eram vendidos como escravos ou trocados por resgate. A maior diferença era no método de transporte. Na poesia árabe, os camelos eram conhecidos como os “navios do deserto” , mas para as razias ultramarinas, os saqueadores teriam que usar o que eu gostaria de chamar de “camelos do mar” – ou seja, navios. Portanto, parece que a instituição permanecia a mesma apesar da mudança nos meios e localização – do deserto ao mar. No caso da invasão sarracena a Roma, os agressores nunca conseguiram entrar na cidade e, aparentemente, não era nem mesmo sua intenção, pois os principais alvos, as igrejas, estavam fora das muralhas da cidade. Os invasores simplesmente queriam levar seus despojos sem pôr em perigo suas próprias vidas; portanto, não havia motivo para atacar a própria cidade. Assim, o ataque não foi tão destrutivo quanto os saques anteriores, que a cidade enfrentara há centenas de anos antes.

Mesmo assim, Roma não sobreviveu sem danos, o maior dos quais talvez fosse mais mental do que físico. Os romanos e seus aliados francos não esperavam um ataque tão atroz na cidade. Minha intenção é examinar as fontes primárias e comparar suas narrativas divergentes para traçar a origem dos atacantes e compreender a natureza da invasão e seus resultados. Isso é crucial; caso contrário, é impossível compreender a expedição como um todo. Ao fazê-lo, posso descrever a forma como a guerra marítima árabe funcionou neste caso da invasão de Roma e podemos estender isso a uma compreensão geral aprimorada das operações navais sarracenas no Mediterrâneo.

Após a expansão do domínio islâmico, que se espalhou rapidamente para o leste e para o oeste no século após a morte do Profeta Muḥammad em 632, as conquistas islâmicas árabes desaceleraram no século VIII e a guerra transformou-se em invasões endêmicas. Em primeiro lugar, o novo poder religioso não apresentava ameaças diretas ao cristianismo central do Mediterrâneo, à Itália e às ilhas vizinhas, além de algumas incursões no século VII. 

A primeira incursão da Sicília foi geralmente datada do ano 652, mas, de acordo com novas pesquisas, essa parece ser uma má interpretação das fontes e, portanto, o primeiro ataque árabe provavelmente teria sido no ano 667. Depois que os árabes se estabeleceram nas terras do norte da África no início do século VIII, as suas incursões tornaram-se mais comuns em toda a Itália e nas principais ilhas vizinhas, na Sicília, na Sardenha e em Córsega. Os norte-africanos não eram os únicos responsáveis por invasões, mas os seus irmãos de armas de al-Andalus também saquearam as ilhas e, especialmente, a costa sul do reino franco. 

A importância dessas incursões reside no fato de que as ilhas do Mediterrâneo central constituíram uma excelente fonte de saque. Mais tarde, quando algumas das ilhas foram tomadas pelos muçulmanos, elas serviram como refúgios e ancoradouros para lançar ataques ainda mais longe no continente europeu. Por razões de navegação, era crucial controlar grandes ilhas no Mediterrâneo para que as frotas pudessem ter ancoradouros em caso de mau tempo, bem como locais para reparar embarcações e reabastecer as provisões.

Assim, por exemplo, as Ilhas Baleares, a Sicília e Creta funcionaram como pontos-chave para atravessar o mar e controlar rotas marítimas e, portanto, sua posse ampliou drasticamente a esfera operacional das marinhas.
Os muçulmanos do norte da África, sob a dinastia Aglábida, começaram a conquistar a Sicília em junho de 827, e depois de anos de árduas batalhas conseguiram um controle mais firme na ilha ao capturarem Palermo com a ajuda dos muçulmanos espanhóis em 831.

Capturar toda a ilha não era uma tarefa fácil devido à resistência feroz dos bizantinos, e a luta sobre a Sicília continuou até 902, quando os aglábidas invadiram as últimas fortalezas bizantinas. Apesar do fato de que a conquista da ilha levou cerca de setenta e cinco anos para se completar, não impediu novos ataques islâmicos no continente italiano. Brindisi foi saqueada em 838 e Bari em 840-841 (a qual acabou por tornar-se um emirado muçulmano). A ilha de Ischia, que fica nas proximidades de Nápoles, foi saqueada antes do início da conquista da Sicília em 812, e os sarracenos foram contratados como mercenários pelos próprios napolitanos em 835. Eles iam passo a passo fazendo o seu progresso no continente.

Infelizmente, não são conhecidas fontes gregas ou árabes sobre o ataque e, portanto, devemos confiar em escritos latinos, como gesta, annales e chronica. Em geral, o objetivo principal da gesta era informar o leitor sobre os atos e feitos realizados por pessoas em destaque, em forma cronológica e biográfica. Os annales, por outro lado, geralmente consistiam em fatos regionais secos e curtos escritos ano a ano. 

As duas crônicas que usei são cronicas regionais cobrindo informações locais organizadas em ordem cronológica.
Eu categorizei as fontes latinas em dois grupos diferentes. O Grupo A consiste em fontes como Liber Pontificalis (LP), Cronicae Sancti Benedicti Casinensis (CBC), Chronica monasterii Casinensis (CMC) e Iohannis gesta episcoporum Neapolitanorum (GEN). Todas foram escritas na Itália e as duas primeiras foram escritas logo após a invasão sarracena de Roma. Chronica monasterii Casinensis foi escrita no final do século XI por Leo Marsicanus que usou fortemente o Cronicae Sancti Benedicti Casinensis como fonte. John, o autor de uma certa parte de Gesta episcoporum Neapolitanorum, escreveu algumas décadas após o ataque real, mas ele poderia ter tido a chance de questionar as pessoas que conheceram alguns dos saqueadores.

O grupo B contém três anuários francos, Annales Bertiniani (AB), Annales Fuldenses (AF) e Annales Xantenses (AX). Mesmo que seus dados tenham sido registrados bem pouco após o ataque, suas narrativas parecem superficiais, pois apenas relatam o incidente brevemente e não comparam com precisão as fontes do Grupo A. O mais problemático é que elas foram escritas longe da localização real dos eventos e elas não revelam as fontes de suas informações. 

Assim, existe uma possibilidade significativa de que a informação tenha sido distorcida antes de chegar aos mosteiros onde os anais foram escritos. No entanto, deve-se lembrar que esses anais eram produtos da história regional e, portanto, seu interesse não está na gravação precisa de eventos distantes; . Mesmo assim, é curioso que eles mencionem a incursão de Roma e ecoem como os francos viram o incidente. 

Em geral, as fontes do Grupo A são muito detalhadas em comparação com as fontes do Grupo B e, portanto, parecem mais confiáveis. Ao pesquisar a incursão de Roma, não encontrei nenhum caso em que os autores quisessem fazer uma distinção real entre etnias (por exemplo, entre berberes e árabes), ou entre religiões, exceto por apontar que não eram cristãos. 

As intenções dos escritores parecem ter sido puramente classificar os atacantes como um grupo de “infiéis” e “outros de outros lugares” e, portanto, não era importante registrar suas origens exatas ou sistema de crenças. O mais importante era, antes de tudo, relacionar o que afetou os próprios autores ou aconteceu no território em que viviam. Assim, eles tenderam a usar termos genéricos como ”saraceni” ou ”hagareni” para rotularem seus adversários do Oriente ou do Sul. Na Idade Média, esses termos tinham conotações bíblicas, como se pensava que os sarracenos eram derivados de Sara e Agar. 

Outro termo, ismaelitae, de Ismael, também estava em uso, mas não os encontrei nas fontes citadas. Além disso, percebi que o Grupo B usa o termo ”mauri”. De acordo com Pierre Guichard, o termo é usado principalmente em fontes francas para se referir a uma pessoa de origem berbere ou do Magrebe. No entanto, se esta declaração geralmente se aplica as fontes francas
(Grupo B), não se aplica às fontes italianas (Grupo A), como mencionei anteriormente. Portanto, neste caso, devemos tratar os termos das fontes francas como mauri e saraceni como sinônimo. Os autores italianos do Grupo A usam freqüentemente os termos saraceni, hagareni ou africani, e, em alguns casos, se referem aos atacantes como ”Filhos de Satanás” ou ”Belial”, ”Satane filii”, ”Belial filii”, ou ”inimigos de Deus”, Deo contrarii.

As fontes fornecem relatos diferentes das origens dos sarracenos que invadiram Roma. Por exemplo, a crônica papal (LP) e a crónica de Montecassino (CMC) mencionam que os sarracenos originalmente vieram da África. No entanto, Liber Pontificalis também diz que invadiram a Córsega antes de assaltar a cidade de Roma. A menção a Córsega é interessante, à medida que a ilha passou por uma série de ataques, especialmente pelos ”mauri” (mouros) dos omíadas da Espanha, durante o século IX. A ilha desempenhou um papel importante na guerra pelo controle do Mar Tirreno e, portanto, foi usada como base para o lançamento de ataques à Ligúria e à Toscana a partir do início do século IX.

Os anais de Fulda afirmam que os saqueadores eram mouros, ”mauri”, enquanto que os anais de Xanten afirmam que eles eram sarracenos ou mouros, que antes acampavam em Beneventum. O termo mauri é problemático, como geralmente se refere a antiga província romana de Mauretania e não a província da África. As fontes do Grupo B não indicam claramente de onde os saqueadores eram; eles simplesmente se referem a eles como mauri, o que remeteria a al-Andalus e o Magrebe. Mauri também poderia ser sinônimo de saraceni, já que os escritores das fontes do Grupo B não estavam interessados ​​em documentação precisa das origens estrangeiras dos incursores, mas usavam termos genéricos. É curioso que nenhuma fonte italiana de Grupo A faça qualquer referência a ”mauri”.

A crónica napolitana do bispo diz que os sarracenos chegaram às ilhas de Pontiae, hoje Ponza, para ameaçar a Itália. O comandante supremo do exército de Nápoles, Sérgio, decidiu se mover contra os sarracenos de Ponza junto com seus aliados de Amalfi, Gaeta e Sorrento. A coalizão navegou contra os sarracenos, derrotou-os e rapidamente seguiu para a ilha de Licosa, que estava rodeada pelo inimigo, e finalmente expulsou os sarracenos e libertou a ilha. Talvez agravado devido a perdas de bases militares, os sarracenos retornaram com uma grande força, capturando o valioso porto natural de Misenum perto de Nápoles.

De acordo com a crônica de Nápoles, os ocupantes não vieram
diretamente da África, mas de Panormus, a atual Palermo. A cidade foi capturada pelos africanos aglábidas com a ajuda de muçulmanos andaluzes em 831. O gesta de Nápoles afirma que a fortaleza de Misenum era o lugar de onde os atacantes sarracenos partiram para Roma em 846. O problema com a cronica napolitana reside no fato de que foi escrita um pouco mais tarde de que o saque real de Roma, isto é, entre o nono e o décimo séculos. Embora seja plausível que seu autor tenha a chance de questionar as pessoas que testemunharam esses eventos, também é possível que alguém tenha lembrado incorretamente os incidentes. No entanto, em geral, a crônica liga o saque de Roma aos sarracenos da Sicília.

Consequentemente, podemos apontar para três diferentes origens possíveis para os saqueadores de Roma: 1) vieram do Ocidente, ou seja, os omíadas da Espanha ou do Marrocos moderno; 2) originalmente vieram da África, devastando primeiro Córsega; 3) vieram da Sicília e fizeram sua base em Misenum, mas originalmente eram de origem africana, já que os invasores da Sicília eram principalmente aglábidas da Tunísia moderna. 

A primeira hipótese é problemática porque as fontes francas (Grupo B) são as únicas a mencionar ”mauri”, mas não localizam seu local de partida. Como observado anteriormente, os francos provavelmente usavam o mauri como sinônimo de saraceni, e, portanto, devemos descartar essa opção. Quanto aos dois últimos pressupostos, é difícil tirar conclusões sobre o fato de os saqueadores chegarem diretamente da África ou da Sicília. Em suma, a informação fornecida pelas fontes italianas do Grupo A parecem mais confiáveis por causa de sua documentação detalhada e precisa. Por isso, confio mais firmemente em sua conta sobre a origem dos atacantes, apesar do fato de que ainda não podemos tirar uma conclusão clara sobre se eles eram da Sicília ou da África das fontes.

A cronica Liber Pontificalis diz que o conde Adelvertus era o governador de Córsega quando os sarracenos chegaram, e ele foi o único a alertar a Roma de seu movimento. De alguma forma, Adelvertus havia adquirido informações de que os sarracenos estavam planejando um ataque a Roma e advertiu que a cidade enfrentaria um perigo iminente. A Crônica Papal nos informa que o exército de sarracenos era formidável, composto por 11 mil homens, 500 cavalos e 73 navios. Isso significa que, em
média, um navio teria levado 158 homens ou cavalos, um grande número de fato. 

Os árabes eram eventualmente conhecedores das táticas de guerra navais bizantinas, tendo até mesmo traduzido para seu idioma o guia de guerra naval do imperador bizantino Leão VI (886-912) . No entanto, a tradução foi realizada no século XIV e, portanto, não podemos fazer fortes pressuposições sobre o conhecimento árabe anterior. Embora não se conheça muito sobre os primeiros navios de guerra árabes no Mediterrâneo, eles provavelmente usaram navios inimigos capturados e, adicionalmente, construíram seus próprios navios com base neles. No Oriente, os árabes usavam navios de guerra bizantinos chamados δρóμων, ou um termo árabe genérico, shīnī. Dromon em si não se refere a um tamanho padrão
de navio, mas é um termo geral para navios militares de tamanhos variados, e dependendo do tipo de carga que transportava, ele poderia carregar um grupo combinado de fuzileiros navais de cem a trezentos homens. Os navios de guerra clássicos eram destinados a afundar os navios inimigos, mas nos tempos bizantinos essa tática mudou para imobilizar os navios inimigos com o ariete e capturar o navio usando o bico.

Outro tipo de navio de guerra bizantino era o galeão monorema, chelandion (em grego χελáνδιον, em árabe shalandī), cujo objetivo principal era o reconhecimento, e comportava uma tripulação de setenta a oitenta pessoas. Considerando o tipo ghazw de ataque, um galeão ágil parece ser mais apropriado para missões rápidas como invasões. No entanto, os termos do navio nos séculos oitavo e nono são intercambiáveis ​​e, portanto, o dromon também pode significar uma galera de monorema de 50 remos. Minha intenção não é discutir sobre os próprios termos, porque as fontes não revelam informações específicas sobre os tipos de navio, mas mais sobre a quantidade de tripulantes e soldados que poderiam carregar, e sua usualidade em gerras de saque.

Assim, ao considerar o exército sarraceno e a informação dada pela Crônica Papal, parece plausível que o autor dobrasse o tamanho do exército sarraceno; se fosse metade desse tamanho, cerca de 5.500 soldados e 250 cavalos, caberia em uma marinha de setenta a oitenta galés ágeis menores.
A Crônica Papal conta que Adelvertus enviou sua carta no dia 10 de agosto em 846, e provavelmente chegou a Roma poucos dias depois. Os romanos responderam indiferentemente, já que aparentemente costumavam ser falsos alarmes. Também é possível que os romanos não acreditassem que os sarracenos teriam ousado lançar um ataque contra Roma. No entanto, os nobres romanos reuniram-se para uma assembleia e decidiram informar seus vizinhos, vassalos e aliados sobre a possível ameaça sarracena. 

O aviso foi enviado no caso de o exército sarraceno realmente chegar. A resposta entre os vizinhos era aparentemente a mesma que em Roma, e apenas alguns responderam à chamada de ajuda. Depois de menos de duas semanas, na segunda-feira, 23 de agosto, a marinha sarracena chegou a terras perto do rio Tibre, perto de Ostia, a antiga cidade portuária de Roma. Os sarracenos marcharam com pressa para Ostia e capturaram-na sem resistência, pois seus cidadãos desertaram o assentamento depois de bloquear e barricar a cidade. Aparentemente, a chegada dos sarracenos não tomou os osteos de surpresa, pois tiveram tempo para preparar barricadas e zarpar. Provavelmente eles receberam a carta de Adelvertus e estavam preparados para o que poderia vir. ainda é curioso que Ostia foi abandonada imediatamente sem resistência. A cidade portuária não deveria ter sido uma presa fácil se tivesse sido defendida por uma unidade de combate, porque tinha restos de muralhas do período aureliano e
tinha sido fortemente fortificada pouco antes do ataque sarraceno, com altos muros, fossos e torres de catapultas construídas pelo papa Gregório IV (828-844). Além disso, é claramente indicado em Liber Pontificalis que as fortificações de Gregório foram feitas contra a crescente ameaça sarracena. De acordo com a “A Vida de Gregory IV”, “os odiados de Deus”, os ”hagarenos”, ”Deo odibilis Aggarenorum gens” haviam invadido as ilhas e os bairros próximos, levando angústia aos habitantes de Portus e Ostia.

No entanto, não há menções de luta em Ostia, por isso parece que a cidade foi tomada sem qualquer resistência. Portanto, é estranho que os romanos não usassem as fortificações para repelir os atacantes desembarcandos, mas, ao contrário, decidiram abandonar toda a fortificação e voltar suas costas para Roma.

Depois de saquearem Ostia, a força sarracena marchou contra a outra cidade portuária romana, chamada Portus, pilharam-a rapidamente e voltaram para Ostia. As noticias da incursão sarracena chegaram a Roma, possivelmente até no mesmo dia em que o inimigo pousou, já que a distância de Portus e Ostia a Roma é de cerca de vinte quilômetros. Os romanos rapidamente reuniram uma força de defesa composta por saxões, frísios e uma schola franca, e eles enviaram esse contingente para encontrar os sarracenos. 

As tropas eram uma unidade auxiliar de estrangeiros que moravam em Roma e consistiam em peregrinos e comerciantes, mas não de soldados profissionais. O exército de estrangeiros marchou perto de Ostia na terça-feira e montou acampamento. Os sarracenos notaram a presença das tendas, e eles fizeram um ataque surpresa na manhã da quarta-feira. Falhando no ataque e perdendo alguns homens, os sarracenos tiveram que recuar. Esta era apenas uma pequena escaramuça entre um número insignificante de homens. Mais tarde, os romanos decidiram enviar mais soldados para ajudar a unidade estrangeira, e com forças combinadas todos marcharam para Portus, apenas para descobrir o quão grande era o número dos sarracenos; eles foram forçados a fazer uma rápida retirada. 

O contingente de soldados romanos retirou-se para a cidade e deixou os estrangeiros para vigiar os sarracenos. Aparentemente, nenhum combate significativo ocorreu entre as duas partes neste momento, e ambos parecem ter planejado seus movimentos cuidadosamente. Anteriormente, sugeri que o tamanho do exército sarraceno fosse altamente superestimado por Liber Pontificalis. O exército romano, por outro lado, provavelmente não era muito maior que o de seu inimigo. No entanto, deve-se mencionar que Roma era responsável pela sua própria milicia de defesa, embora estivesse nominalmente sob proteção carolíngia. 

Ao considerarmos Roma durante a Alta Idade Média, é claro
que a cidade já havia passado por mudanças maciças desde a Antiguidade e era apenas um remanescente de sua glória passada. A população da cidade era de cerca de 30.000 ou um pouco mais no século IX, tendo diminuído muito devido a muitas calamidades na Antiguidade tardia. No período das Guerras Góticas (4º-6º séculos), Roma tinha cerca de 50 000 a 60 000 habitantes, mas, devido às guerras, a agricultura sofreu e a população diminuiu. Assim, ao calcular apenas a população masculina disponível para o serviço militar, podemos estar lidando com um exército de 5.000 a 10.000 homens.

No início da manhã de quinta-feira, 26 de agosto, os sarracenos tomaram o campo dos estrangeiros de surpresa e escorraçaram-os, seguindo-os até Ponte Galeria, no lado norte do Tibre. Seguindo as estradas da Via Campana e Via Portuensis, marcharam em direção à Igreja de São Pedro e esperaram que o resto de seus homens chegassem. Quando tudo estava preparado, os sarracenos invadiram a igreja de São Pedro na manhã de sexta-feira e levaram seus tesouros. Entretanto, os romanos afastaram seus homens da cidade e os organizaram no campo do Campus Neronis, que está situado entre o Vaticano atual e o Castelo de Sant Angelo. A Crônica Papal termina aqui, abruptamente, e deixa os encontros finais dos exércitos num mistério.

Só podemos assumir de outras fontes que uma batalha foi travada e terminou em derrota cristã ou vitória sarracena. Nada dramático poderia ter acontecido porque o exército sarraceno não foi expulsado das fronteiras de Roma, nem os sarracenos tentaram assediar a cidade ou levá-la por assalto. A única coisa clara é que a Igreja de São Pedro foi saqueada e os sarracenos deixaram a cidade, marchando para o sul na estrada de Via Appia.

Annales Fuldenses menciona que os mauri vieram a Roma para saquear a cidade, mas, ao fazê-lo, decidiram saquear a Igreja de São Pedro em vez disso. Os Anais Fuldan também omitem o saque da Igreja de São Paulo. Segundo a crônica de São Bento,
Os sarracenos mataram homens e mulheres, independentemente da idade; A crônica enfatiza que os sarracenos também mataram muitos saxões. A referência aos saxões provavelmente significa a unidade estrangeira que lutou contra os sarracenos antes do saque da Igreja de São Pedro. 

Annales Bertiniani narra que os sarracenos saquearam tudo o que puderam encontrar, especialmente enfatizando a profanação do sagrado altar da Igreja de São Pedro. Depois, a crônica continua, os sarracenos marchando a cerca de cem quilômetros ao sul de Roma e fazendo seu acampamento na montanha. Também nos dizem que alguns homens da horda invasora deixaram o grupo para saquear a Igreja de São Paulo, mas foram derrotados por um exército de Campania.

Curiosamente, nenhum outro autor se refere a isso. No entanto, a Vida de Sérgio em Liber Pontificalis não afirma explicitamente que os sarracenos saquearam São Paulo. Isso é mencionado mais adiante na “Vida de Leão IV”, onde é dito que o papa restaurou os danos que os sarracenos infligiram à igreja. Aqui, devemos seguir a narração – Liberação de Liber Pontificalis, como provavelmente é a conta da testemunha ocular de Anastasius Bibliothecarius, um bibliotecário-chefe dos arquivos papais. Como devemos considerar essas contas do saque? Os sarracenos realmente ameaçaram a cidade de Roma? Alguns estudiosos propuseram que os sarracenos tentaram atacar a cidade. Acho que esta proposição não é sólida porque apenas o 
Annales Fuldenses franco faz referência a isto, e nenhuma outra fonte faz uma reivindicação semelhante. 

Devemos considerar alguns aspectos da cidade e dos sarracenos. Primeiro, as muralhas da cidade romana eram essencialmente os muros aurelianos que o imperador Aureliano havia construído entre os anos 271 e 275. Eles passaram por muitas reconstruções nos séculos seguintes, as mais importantes foram por Maxentius no início do século IV, por Stilicho entre 401 e 403 e Belisarius em 536. Depois de todas essas renovações, as paredes tinham cerca de dezesseis quilômetros de comprimento e quase doze metros de altura, tendo 381 torres e um fosso. De acordo com fontes escritas, foram reparados novamente devido a ameaça lombarda no século VIII e, finalmente, sob o governo de Leão IV após O Saque de Roma.

Liber Pontificalis dá alguma indicação sobre a má condição das paredes antes do ataque sarraceno, pois observa que o papa Leão IV teve que reconstruir quinze torres colapsadas .Apesar do fato de que as paredes foram reparadas um século antes do saque muçulmano, elas ainda eram formidáveis ​​em sua altura e força, e teria sido inexpugnáveis para um inimigo despreparado. 

Assim, os sarracenos precisariam de um grande número de homens e máquinas de cerco para assaltar as muralhas, mas nada parece sugerir que eles se prepararam para uma operação de cerco. Eles podem ter tido um número considerável de soldados, especialmente se confiarmos na estimativa de 11.000 homens que a crônica papal sugere, mas, como já foi mencionado, acho isso exagerado. Assim, se levarmos em conta as galeras que os sarracenos usaram provavelmente, suponho que a força sarracena era de cerca de 5.000 homens. Era uma grande tropa de invasão, mas ainda não representava uma grande ameaça para a cidade. Em segundo lugar, as duas igrejas de grande importância, São Pedro e São Paulo, estavam fora das muralhas da cidade, tornando-as lucrativas e presas bastante fáceis para os saqueadores. Em terceiro lugar, também parece que os sarracenos sabiam exatamente o que estavam procurando, saqueando primeiro os dois portos romanos, movendo-se rapidamente para as igrejas importantes e depois partindo. Isso é uma reminiscência do conceito de guerra de invasão árabe, ghazw, onde alguém pilha rapidamente o território inimigo aproveitando o máximo possível antes de se retirar para se abrigar.

A crónica de Montecassino detalha os movimentos dos sarracenos após o saque das duas igrejas romanas: eles tomaram a Via Appia e seguiram-na para o sul. No entanto, nada é dito sobre o que os sarracenos fizeram durante a longa marcha alpina. Após a partida de Roma, as fontes indicam pela primeira vez uma presença sarracena perto de Fundi (Fondi), onde saquearam e queimaram a cidade. De lá, eles moveram aproximadamente vinte quilômetros para Caieta (Gaeta), onde montaram um acampamento.

A crônica de São Bertin não revela exatamente onde os sarracenos foram após atacarem as cercanias de Roma, mas afirma que eles acamparam a cerca de trinta quilômetros de distância, perto de Caieta. As crónicas de Nápoles e São Bertin apoiam isso contando a batalha de Caieta, e a última também menciona a captura de Fondi.

De acordo com a narrativa de São Bertin, os comandantes do imperador franco, Lothar (795-855), seguiram os sarracenos, mas foram derrotados. As cronicas de São Bento e Nápoles apoiam isso e a primeira nos informa que a data exata da batalha foi em 10 de novembro. Annales Bertiniani informa
que o filho de Lothar, Luís, o rei da Itália, lutou contra os próprios sarracenos e perdeu. No entanto, não está explicitamente indicado onde e quando a derrota de Louis
ocorreu assim, embora tenha sido na mesma batalha, não podemos ter certeza. Chronica monasterii Casinensis relata que um exército franco, exercitus, partiu de Spoleto e seguiu os sarracenos. Não se diz nada sobre o tamanho das tropas francas, mas, se realmente fora liderada pelo rei da Itália, poderia ter sido consideravelmente dimensionada. No entanto, se fosse apenas uma unidade estacionada em uma fronteira, provavelmente não era maior que algumas centenas ou menos do que alguns mil homens, consistindo de milícias locais e alguns soldados profissionais.

Os exércitos francos e sarracenos se encontraram em algum lugar perto de Caieta, resultando em uma infame derrota dos francos. Primeiro, os francos provavelmente marcharam por volta de cento e quarenta quilômetros para Roma, e de lá tomaram a Via Appia cerca de cento e trinta quilômetros ao sul. Os mapas revelam que Roma estava cercada por estradas que contornavam a cidade; Todos os caminhos levaram literalmente a Roma. A rota mais rápida, então, deve ter sido através de Roma e, portanto, o comprimento total da marcha deve ter sido de cerca de trezentos quilômetros. Os exércitos de César marchavam cerca de trinta a trinta e dois quilômetros por dia, e, se os francos pudessem ter marchado à mesma velocidade, teriam estado em Caieta em dez dias. Agora, se considerarmos que as igrejas romanas foram saqueadas em agosto e a primeira grande batalha foi travada no início de novembro, estamos lidando com um enorme hiato cronológico. Demorou muito tempo para que os francos reunissem seus homens e se preparassem para um contra-ataque. Em teoria, os francos de Spoleto poderiam ter conseguido chegar a Roma a tempo, se tivessem marchado lá imediatamente depois de receberem o aviso de Adelvertus. É curioso que eles não o fizeram, e especialmente por que demorou tanto tempo para formar qualquer resistência. Sabe-se que o Papado estava sob a proteção dos reis francos, mas claramente eles não prestaram assistência nos momentos de extrema necessidade. Quando a ajuda finalmente chegou, era muito tarde, e culminou em uma derrota absoluta dos francos.

Curiosamente, a narrativa mais precisa do combate é feita pela crônica de Nápoles. Ele afirma que os sarracenos usaram seu ardil habitual e se esconderam em um amplo defilado, aguardaram o momento certo, saíram de seus esconderijos e atacaram os francos. O signifer, o portador do estandarte militar padrão dos francos, foi morto imediatamente, fazendo com que as fileiras e a moral do exército colapsasse. Aparentemente, o comandante franco marchou precipitadamente e suas forças não estavam altamente espirituosas. 

A derrota poderia ter tido alguma coisa com o treinamento pobre dos soldados, o que indicaria que eram uma milícia e não um verdadeiro exército profissional. Por outro lado, a perda de moral pode ter sido causada pela perda do estandarte militar padrão. Estes eram insígnias sagradas para os francos, e da mesma forma que o padrão militar era sagrado para as legiões romanas.

A crônica de Nápoles diz como os francos emboscados e derrotados foram expulsos do campo e perseguidos até o litoral, onde as marinhas de Nápoles e Amalfi acabavam de ancorar. Após a batalha, diz-se, os sarracenos se alegraram em sua vitória e eles se prepararam para assaltar Caieta. Enquanto isso, navios napolitanos e amalfitanos se retiraram para o porto de Caieta para defendê-lo e repeliram o ataque sarraceno. Ele também disse que a marinha sarracena estava perto da cidade, mas foi fortemente danificada por uma tempestade. Os sarracenos tiveram que voltar para a costa para reparar seus barcos e chegaram a um acordo com o comandante napolitano para embarcar para casa quando o tempo permitisse. Aparentemente, os napolitanos não estavam ansiosos para enfrentar os sarracenos e estavam satisfeitos com o acordo, desde que os sarracenos não ficassem na Itália.

Intrigantemente, a visão napolitana dos incidentes após o saque de Roma difere das outras fontes. Por exemplo, descreve mais de perto o que aconteceu na batalha, contando sobre a marinha sarracena e o fracasso do saque de Caieta. Em termos de narrativa, a crónica parece confiável, pois fornece mais informações sobre os eventos, mas essa informação também pode haver adições intencionais. Também é possível que a marinha tenha testemunhado os movimentos sarracenos perto de Caieta, e alguns marinheiros puderam ter vivido para descrever ao autor o que tinham visto. 

Por outro lado, a crônica discute os assuntos que mais preocupam seu autor, um escritor napolitano que estava principalmente interessado no que aconteceu na esfera de Nápoles. Uma grande marinha sarracena navegando ao longo da costa italiana deve ter sido uma ameaça para a cidade marítima, que dependia fortemente de navios e rotas comerciais. Por algum motivo, a crônica não conta o que o exército sarraceno fez no interior, ao contrário das fontes de Montecassino, a força sarracena estava assolando as terras próximas ao mosteiro. A explicação para isso pode ser a abordagem regional regional que é observável na crónica de Nápoles. Talvez o escritor não tenha visto isso como importante para descrever o que aconteceu nas proximidades, pois não era uma informação crítica para a história da cidade. No entanto, a crônica concorda em pelo menos uma coisa com as outras fontes: também afirma que os navios sarracenos foram jogados em uma tempestade aterrorizante enquanto navegavam em casa, durante os quais eles morreram.

As crônicas do monastério de Montecassino retratam os movimentos sarracenos em seu território. De acordo com as crônicas, os sarracenos perseguiram os restos das tropas francas que fugiram até o rio Liris (Liri ou Garigliano), onde encontraram a Igreja de São Andrea, que fica a cerca de trinta quilómetros de Caieta. Aqui eles queimaram os prédios e mudaram-se a alguns quilômetros até Albianus (Sant ‘Apollinare), que saquearam. Se quisermos acreditar nas cronicas do mosteiro, os sarracenos pretendiam assaltar o mosteiro de Montecassino e roubar seus tesouros. Neste ponto, a narrativa muda para um louvor hagiográfico de São Bento, que guardava seu claustro e seus monges, oferecendo proteção divina. O tempo tinha sido bom até a chegada dos sarracenos, e o rio Liri era fácil de atravessar a pé. No entanto, de repente uma forte chuva começou, enchendo o rio tão rapidamente que começou a inundar os bancos e tornou-se impossível de atravessar. O plano dos sarracenos foi anulado; eles ficaram furiosos e obrigados a voltar para o acampamento em Caieta. Lá, nos dizem, eles montaram seus cavalos e partiram para a casa. Depois disso, uma outra história hagiográfica é apresentada. Quando a marinha sarracena estava finalmente perto de casa, dois homens apareceram em um barco navegando entre os navios, e os sarracenos espantados questionaram quem eram. Os dois homens eram, naturalmente, São Pedro e São Bento, que castigavam os sarracenos pela má conduta infligidas em suas terras, levantando uma terrível tempestade que assolou sua marinha.

A maioria das fontes, exceto Annales Fuldenses e Annales Xantenses, compartilham a história semelhante da destruição da marinha sarracena. Annales Bertiniani, Liber Pontificalis e a crónica de Nápoles nos lembram com um tom de temor a Deus que o naufrágio da marinha sarracena era um ato do Senhor, mas eles não mencionam a intervenção divina de São Bento. 

Sair dos atos milagrosos de São Bento é um ponto interessante nas outras cronicas beneditinas além de Chronica monasterii Casinensis e Cronicae Sancti Benedicti Casinensis, pois essa teria sido uma excelente oportunidade para louvar seus patronos. É claro que os dois últimos estão intimamente relacionados, e é óbvio que Leo Marsicanus usou Cronicae Sancti Benedicti Casinensis como fonte quando escreveu o seu Chronica monasterii Casinensis. Assim, isso nos deixa ponderando como Annales Bertiniani, Annales Fuldenses e Annales Xantenses adquiriram suas informações, porque não se referem a essas cronicas de Montecassino e não seguem sua agenda, embora Montecassino seja a mãe dos mosteiros beneditinos.

Algumas fontes dizem que toda a marinha foi perdida e outras dizem que apenas alguns homens conseguiram sobreviver, mas nunca nos disseram onde exatamente o naufrágio aconteceu ou
para que casa estavam indo. Uma exceção é a “Vida de Leão IV”, cujo autor menciona que ele encontrou uma narração, relativa, que afirmou que os sarracenos estavam navegando para a África.

As duas crônicas de Montecassino relacionam-se que a marinha estava tão perto de casa que os marinheiros podiam ver as montanhas. A referência às montanhas pode indicar a proximidade dos Apeninos ou a costa acidentada da Sicília. O litoral da África, a Tunísia moderna, é simples e nivelado em relação ao norte da Sicília. Annales Bertiniani diz que alguns tripulantes destruídos foram encontrados em uma praia, que poderia ter sido uma costa italiana ou apenas um detalhe inventado. Quanto à visibilidade no mar, com o tempo bom, um monte de trinta metros de altura é visível por 11,5 milhas náuticas (21,3 km) e uma colina de 305 m de altura é visível 67,2 km para o mar (36,3 nmi) . Panormus, Palermo, está situado no meio de colinas íngremes e, por exemplo, a vizinha Monreale tem 310 m de altura. 

Então, se os sarracenos navegassem para Panormus, eles teriam visto as montanhas a cerca de 70 km de distância. Outra opção é que essa referência às montanhas foi inventada para embelecer a história.

Aparentemente, a tropa de invasão sarracena não se apressou em sua partida da Itália. Chegou em Roma em agosto de 846, mas retirou-se talvez em abril de 847. A data de partida não é certa, mas aconteceu algum tempo após a morte do Papa Sergius II em 27 de janeiro de 847,80 e após a coroação do novo papa Lão IV.

Algumas fontes dizem que Leão foi coroado imediatamente após a morte do papa tardio, mas Liber Pontificalis propõe que o trono papal ficou vago por dois meses e quinze dias, o que significa que Leão IV foi promovido no dia 10 de abril. Em qualquer caso, é claro que os sarracenos não queriam sair imediatamente depois de terem daqueado as igrejas romanas; 

Em vez disso, eles estavam procurando por mais. Sua expedição de invasão foi bem planejada e feita com capricho. Primeiro, saquearam Ostia e Portus; Em segundo lugar, por uma batida rápida eles saquearam as igrejas; Em terceiro lugar, eles se mudaram rapidamente para o sul, seguindo a Via Appia, saqueando as principais cidades ao longo dela; e finalmente eles acamparam em Caieta ou em algum lugar próximo. 

Em Caieta encontraram sua frota, que provavelmente carregou a maior parte de seu saque romano. De Caieta se dirigiram para as terras de Montecassino, onde realizaram outro ataque e saque.

Obviamente, demorou algum tempo para reunir o butim antes de voltar para casa, mas ainda é curioso que eles decidiram ficar por tantos meses. Gostaria de apresentar a explicação da mare clausum. O chamado “mar fechado” é uma excelente descrição do Mar Mediterrâneo durante o período de setembro a outubro até meados de abril, já que é difícil para navegar. No período de mare clausum, o clima é muitas vezes muito nublado e nebuloso, dificultando a navegação no exterior devido a uma visibilidade fraca e, portanto, aumenta as chances de naufrágio.

Quem passa o tempo na Itália ou em Roma durante este período é consciente dos ventos violentos e das tempestades fortes que ocorrem de repente. Os sarracenos, talvez, estavam esperando o fim do mau tempo e, portanto, planejaram sua partida para abril. Eles não podem ter desconhecido as condições de navegação precárias que caracterizaram os meses de inverno, já que navegavam no Mediterrâneo há duzentos anos. Além disso, se sua frota fosse basicamente uma cópia da armada bizantina, eles provavelmente também conheciam técnicas de navegação bizantinas para diferentes períodos do ano; Isso incluiria o conhecimento dos perigos da navegação no inverno.

Ainda assim, como os sarracenos tinham um domínio tão profundo da geografia italiana? Ao reconstruir os movimentos da força de invasão sarracena, é claro que sabiam exatamente o que estavam procurando e como chegar a uma multidão de lugares de presa. É impossível entender a fonte da informação geográfica dos saqueadores exclusivamente a partir de nossas fontes latinas. É provável que os sarracenos usassem informantes italianos, capturados ou pagos, ou recebessem informações de viajantes muçulmanos que haviam navegado para a Itália mais cedo. 

Embora não tenhamos informações de informantes capturados ou pagos, sabemos que haviam comerciantes árabes que negociavam na Itália que espalhavam informações geográficas. Um geógrafo, Yāqūt (d. 1229), cita um erudito damaceno, al-Walīd ibn Muslim (d. A 194/810), que, por sua vez, ouviu uma história de um comerciante que viajou para Roma no final do oitavo século ou nos primeiros anos do século IX.

Em muitas partes, os relatos são muito exagerados, pois narram que em Roma havia quatro mil banhos e doze mil igrejas. No entanto, o comerciante não viajou para Roma a turismo, mas para o comércio e, portanto, a maior parte de sua conta é dedicada a descrever uma série de mercados romanos, pavimentados por mármore branco. Mais importante ainda, o visitante mencionou, por nome, a igreja apostólica de São Pedro e São Paulo – assumindo que havia uma igreja carregando esse nome – e disse que os santos foram sepultados ali.

Entre as cartas do Papa Adriano I (d. 795), encontramos uma indicação ainda mais antiga das experiências da escravidão sarracena. Nesta carta em particular, datada de 776, o papa Adriano respondeu a perguntas francas sobre os escravos cristãos vendidos a alguns sarracenos. A compra ocorreu na cidade portuária de Centumcellae, Civitavecchia moderna, que fica a apenas oitenta quilômetros ao norte de Roma. Ambas as fontes dão testemunho do fato de que os comerciantes sarracenos se moviam livremente ao longo do litoral italiano e, em alguns casos, transmitiam informações geográficas.

Outra conta interessante vem de um geógrafo persa, Ibn Khurradādhbih (d. 911), que nunca viajou extensivamente, mas que trabalhou como mestre dos gabinetes de inteligência nas províncias do califado abássida e em Bagdá. Mais tarde, sob o reinado do califa al-Mu’tamid (844-892), ele escreveu um relato geográfico do mundo, O Livro de Itinerários e Reinos (Kitāb al-masālik wa-l-mamālik) .

Nesta conta, ele dá uma breve e parcialmente exagerada
descrição de Roma, que se assemelha à descrição de Yāqūt. Ibn Khurradādhbih menciona que, em Roma, haviam duzentas igrejas, quatro mil banhos e mercados pavimentados com mármore. Além disso, ele descreve as riquezas das igrejas romanas, afirmando que elas possuíam estátuas douradas com olhos feitos de rubis. Mais importante ainda, ele também menciona, por nome, a igreja apostólica de Roma. Nenhuma dessas contas inclui nada sobre o saque dessas igrejas. No caso de Ibn Khurradādhbih, é lamentável que não conheçamos sua fonte de informação. Apesar de os dois santos serem agrupados em ambas as contas, podemos concluir que a igreja principal, a basílica de São Pedro, era evidentemente conhecida no mundo árabe em torno do final do século IX, quando a informação sobre eles chegou a todos -Walīd ibn Muslim e Ibn Khurradādhbih.

O ataque sarraceno foi surpreendentemente bem sucedido. Eles deram um golpe à capital eclesiástica do mundo ocidental sem grandes perdas para si mesmos, até que a tempestade finalmente os abalou. As igrejas dos apóstolos Pedro e Paulo eram proeminentes e ricas, e os papas há muito as adornavam com pródigos presentes. Apesar da importância dessas igrejas, elas não eram protegidas pelas antigas muralhas romanas, ao contrário do Palácio de Latrão, a curia papal. Assim, essas igrejas eram alvos fáceis para incursores que poderiam atravessar as defesas costeiras. Demorou alguns dias antes que os saqueadores pudessem marchar de Ostia para Roma, deixando algum tempo para que os defensores de Roma removessem e abrigassem os mais valiosos tesouros portáteis. 

Nem tudo podia ser levado, como o altar sagrado de São Pedro, que foi profanado pelos sarracenos de acordo com as crónicas Carolingias, ou os portões da Igreja de São Pedro.

Os escritores medievais não relacionam mais detalhes sobre o que foi roubado, pois eles provavelmente não sentiram que valia a pena mencionar, enquanto o Liber Pontificalis gasta a maior parte do seu espaço na biografia do Papa Leão IV, explicando as restaurações que o papa realizou e as doações que ele concedeu. Outro resultado importante da invasão foi a reconstrução de Roma e suas igrejas. A maior missão do Papa Leão agora seria melhorar as defesas romanas, reconstruindo completamente quinze torres e portões da Muralha de Aureliano. Ele também fechou a boca do rio Tibre com um sistema de torres, bloqueando o movimento no rio com uma corrente.

Isso, claro, pretendia impedir que os inimigos chegassem a Roma de navio, como os saqueadores sarracenos haviam feito durante o saque das igrejas. Por fim, Leão realizou o formidável projeto de fortificar o Vaticano com muros, um novo distrito chamado Leoniana, a Cidade de Leão. Segundo Krautheimer, no entanto, cercar o Vaticano com muros não era uma ideia nova, pois os romanos haviam considerado fazê-lo quase meio século antes.

O imperador carolíngio Lothar I (795-855) foi muito atraído pela incursão de Roma e ordenou a reconstrução da Igreja de São Pedro e circulação defensiva do Vaticano. Ele também ordenou que seu filho lançasse um assalto contra os sarracenos de Benevento. Podemos nos perguntar se ele quis realizar o ataque contra Benevento como uma ação punitiva por sua incursão em Roma, como é plausível já que os sarracenos beneventinos fizeram outra incursão mais tarde em 846 nas fronteiras de Roma.

O imperador não tinha recursos para enviar uma expedição até os sarracenos que controlavam a Sicília, e um inimigo ameaçador semelhante estava mais próximo – os sarracenos de Benevento eram um alvo muito mais fácil.

Ainda, aparentemente, os sarracenos não sentiram que haviam atacado Roma apropriadamente e eles prepararam outro ataque contra a cidade em 849. Naquela época, Leão IV e Lothar I prepararam e suas defesas. Uma considerável frota sarracena foi vista na Sardenha, que então navegou em direção a Portus e Ostia. Uma coalizão de cidades marítimas, incluindo Nápoles, Amalfi e Caieta, haviam navegado para Roma antes dos sarracenos para negociar com o papa Leão IV. Aparentemente, a coalizão havia descoberto que os sarracenos estavam vindo para a Itália e queriam se unir ao papa para vencê-los. Num primeiro momento, Leão IV chegou a duvidar do por que a coalizão havia chegado a Roma, mas quando ele entendeu a gravidade da situação, ele ficou encantado de se aliar com eles. 

A marinha sarracena chegou logo, e a batalha de Ostia foi travada. Desta vez, os sarracenos não tiveram sorte. Sua marinha estava espalhada por ventos desfavoráveis, oferecendo a seus inimigos uma ótima oportunidade de atacar. A batalha tornou-se um desastre para os sarracenos, resultando em muitos navios afundados e marinheiros afogados. Aqueles que conseguiram alcançar a costa foram instantaneamente mortos ou capturados. Eventualmente, muitos dos prisioneiros ou acabaram como trabalhadores forçados, construindo o muro ao redor do Vaticano, ou foram enforcados perto de Portus, no local onde os saqueadores sarracenos tiveram, apenas três anos antes, uma grande quantidade de despojos. Agora, era a hora da vingança italiana.

Após a Batalha de Ostia em 849, os sarracenos não tentaram novos ataques importantes contra a cidade de Roma. Uma incursão menor de 870 é registrada em Gesta episcoporum Neapolitanorum quando, estranhamente, os hagareni napolitanos foram responsáveis ​​pela invasão. As fontes dizem que os mercenários sarracenos tinham um pacto com Nápoles e moravam na cidade quando fizeram sua incursão. Mais tarde, o pacto foi quebrado. Paradoxalmente, Nápoles contratou os sarracenos apesar do fato de terem lutado contra Nápoles apenas duas décadas antes. 

A incursão de Roma em 846 mostrou o quão pobre os romanos se prepararam para a ameaça recebida, mas agora eles provaram com qual rapidez eles poderiam responder à ameaça sarracena construindo novas fortificações e restaurando velhas defesas. É importante que a coroa carolíngia concedeu auxílio substancial a Roma, fornecendo apoio monetário para as despesas de construção. Após a Batalha de Ostia em 849, os romanos obrigaram os sarracenos capturados construírem as fortificações. Eles tornaram a vexação sarracena em benefício romano.

Nós vimos como todas as fontes existentes apresentam diferentes relatos da invasão de Roma e que essas diferenças dependem mais de onde o relato foi escrito. Os autores estavam principalmente interessados ​​nos assuntos que estavam intimamente relacionados com suas próprias esferas de vida. O regionalismo é flagrante e, portanto, todas as narrações devem ser comparadas entre si, a fim de criar uma imagem mais completa dos eventos. Além disso, a terminologia utilizada para os sarracenos é aparentemente diferente nas fontes francas e italianas, e, portanto, devemos ter cuidado ao ler diferentes registros e antes de fazer pressupostos muito rapidamente sobre as origens dos sarracenos. Apesar das informações variadas, é mais plausível assumir que a força sarracena que atacou Roma veio da antiga província romana da África ou da Sicília.

Este estudo de caso amplia amplamente a compreensão acadêmica atual do ataque sarraceno de Roma, bem como os meios sarracenos de se comunicar e atuar sobre a informação na época. As implicações dessas descobertas podem ser aplicadas a outros ataques sarracenos em todo o Mediterrâneo no período para obter uma visão adicional. Eu forneci um exemplo do fenômeno marítimo e mostrei como os grupos sarracenos operavam suas missões de incursão na Idade Média. Da mesma forma que o Profeta usou informantes antes em suas incursões para planejá-las, assim como os invasores sarracenos posteriores em 846.

Como aprendemos com os geógrafos árabes e as cartas papais, o conhecimento sarraceno veio de informações derivadas de comerciantes que tinham visitado a Itália e Roma. O Profeta usou camelos, os “navios do deserto”, em suas missões de incursão, mas devido à mudança de ambiente, de terra em mar, os invasores da Itália tiveram que confiar em navios, os quais chamo de “camelos do mar”. Enquanto os árabes dominaram há muito tempo o transporte no deserto, eles também adquiriram rapidamente conhecimento marítimo, o que lhes permitiu realizar ataques marítimos de longo alcance. 

A invasão por velas era obviamente muito diferente do ataque no deserto, e exigia muitas habilidades novas, bem como elementos do conhecimento natural, como o mau clima de inverno, ou mare clausum. A longo prazo, a navegação fez com que as campanhas de invasão fossem menos rápidas do que as incursões por camelos. Ainda assim, a própria base da invasão permaneceu a mesma coisa. Os sarracenos evitavam um contato próximo com o inimigo; Eles preferiam colocar emboscadas de que lutar diretamente. Eles também atacavam alvos vulneráveis, que não estavam bem protegidos, como as Igrejas Apostólicas. A segurança do saque foi conduzida rapidamente, com os sarracenos agindo como aves de rapina, como Amiano Marcelino havia observado sobre os ataques árabes.

Pelo menos durante a incursão de Roma, a força sarracena tinha um claro plano de movimentos e parecia ter preparado seu ataque bem. Quase tudo provavelmente seguiu como planejado. Primeiro, eles equiparam uma força de invasão eficiente e grande que os romanos e os francos não conseguiram combinar. Em segundo lugar, eles tinham uma forte compreensão da geografia italiana, sabendo onde navegar e marchar, e assim suas forças terrestres e navais se moviam logicamente e rapidamente de acordo com seus planos. Isso é mostrado pela chegada deles em Ostia, onde eles sabiam onde ir por terra e o caminho mais curto para Roma. 

Eles também sabiam que a Via Appia era o caminho mais rápido para o sul para outros alvos lucrativos, que atingiram após o saque das duas igrejas romanas. Perto de Caieta, eles encontraram um excelente local para montar acampamento, e aqui encontraram seus navios. Outro exemplo de seu conhecimento geográfico é exibido por sua rápida expedição às terras de Montecassino, embora o mau tempo as tenha os impedido de atacar talvez outro grande alvo, o mosteiro de Montecassino. Em terceiro lugar, eles estavam cientes das condições climáticas no Mar Mediterrâneo, quando decidiram navegar em abril, quando o tempo de inverno tempestuoso, a mare clausum, deveria ter terminado. No entanto, tiveram um destino ruim, quando uma tempestade repentina capturou e destruiu-os. Em resumo, a ghazw de 846 foi claramente executado e efetiva pois os sarracenos saquearam, rapidamente, as igrejas mais importantes da região. Em 849, quando a nova incursão foi dirigida contra Roma, a cidade foi muito melhor defendida e preparada do que tinha sido três anos antes, que acabou em um desastre sarraceno na Batalha de Ostia. Os sarracenos nunca mais tiveram a chance de superar Roma. No entanto, por causa de sua implacável eficácia na arte do saque e transferência de sua mentalidade de deserto profundamente arraigada para os mares, em 846, os sarracenos realmente apareceram aos romanos como os vingadores de Deus, ”ultores misit Deus paganos”.

Texto: ”The Saracen Raid of Rome in 846 – An example of maritime ghazw.”

Fonte: https://www.academia.edu/7054388/The_Saracen_Raid_of_Rome_in_846_An_example_of_maritime_ghazw._pp._93_120_

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar