Notícias

Ibn Jubayr, século XII: ”Muçulmanos preferiam ser governados pelos Cruzados”

Ibn Jubayr (1145-1217), foi um geógrafo árabe-espanhol, viajante e poeta de al-.Andalus cuja crônica de viagens descreve a peregrinação que ele fez a Meca de 1183 a 1185, nos anos que antecederam a Terceira Cruzada. Sua crônica descreve os domínios de Saladino no Egito e no Levante pelos quais ele passou a caminho de Meca. Além disso, em sua viagem de volta, ele passou pela Sicília cristã, que só havia sido recapturada dos muçulmanos um século antes, e faz várias observações sobre a cultura poliglota híbrida que florescia por lá.

Ibn Jubayr nasceu em 1145 em Valência, Espanha, para uma família árabe da tribo Kinanah. Ele era um descendente de ‘Abdal-Salam ibn Jabayr que em 740 acompanhou um exército enviado pelo califa de Damasco para acabar com uma revolta berbere em suas províncias espanholas. Ibn Jubayr estudou na cidade de Xàtiva, onde seu pai trabalhava como funcionário público. Mais tarde ele se tornou secretário do governador almóada de Granada.

Na introdução de sua Rihla, ou Livro de Viagens, Ibn Jubayr explica o motivo de sua jornada. Como secretário do governante de Granada em 1182, ele foi forçado, sob ameaça, a beber sete copos de vinho como punição por um suposto erro que havia cometido. Tomado pelo remorso, o governante encheu sete xícaras de dinares de ouro em compensação e lhe deu. Para expiar seu ato ímpio, embora forçado sobre ele, Ibn Jubayr decidiu realizar o dever santo islâmico da peregrinação a Meca. Ele deixou Granada em 3 de fevereiro de 1183 acompanhado por um médico da cidade.

Ibn Jubayr deixou Granada e cruzou o Estreito de Gibraltar para Ceuta, então sob o domínio muçulmano. Ele embarcou em um navio genovês em 24 de fevereiro de 1183 e partiu para Alexandria. Sua jornada marítima levou-o além das Ilhas Baleares e atravessou a costa oeste da Sardenha. Ainda no mar, ele ouviu falar do destino de 80 homens, mulheres e crianças muçulmanos que haviam sido sequestrados do norte da África e vendidos como escravos (sim, não eram só muçulmanos que atacavam a costa européia em busca de escravos, o contrário também era comum). Entre a Sardenha e a Sicília, o navio sofreu uma forte tempestade. Ele disse que os cristãos italianos e muçulmanos a bordo, que tinham experiência no mar, “concordaram que nunca viram em suas vidas uma tempestade tão grande”. Depois da tempestade, o navio passou pela Sicília, Creta, depois virou para o sul e atravessou a costa norte-africana. Ele chegou em Alexandria em 26 de março.

Ao chegar a Alexandria, Ibn Jubayr se enfureceu com as autoridades alfandegárias que insistiam em levar o zakat aos peregrinos, independentemente de serem obrigados a pagá-lo ou não. Na cidade, ele visitou o Farol de Alexandria, que na época ainda estava de pé, e ficou impressionado com seu tamanho e esplendor.

”Uma das maiores maravilhas que vimos nesta cidade foi o farol que o Grande e Glorioso Allah erigira pelas mãos daqueles que foram forçados a tal trabalho como “De fato, são sinais para aqueles que discernem”. Alcorão 15:75 e como um guia para os viajantes, pois sem ele eles não poderiam encontrar o verdadeiro curso para Alexandria. Pode ser visto por mais de setenta milhas, e é de grande antiguidade. É mais fortemente construído em todas as direções e compete com os céus em altura. A descrição dele fica aquém, os olhos não conseguem compreendê-lo, e as palavras são inadequadas, tão vasto é o espetáculo.”


Após uma estadia de oito dias, partiu para o Cairo.

Ele chegou ao Cairo três dias depois. Na cidade, ele visitou o cemitério de al-Qarafah, que continha os túmulos de muitas figuras importantes da história do Islã. Ele notou, enquanto no Cairo de Saladino, os muros da cidadela estavam sendo estendidos pelos mamelucos com o objetivo de reforçar a cidade inteira de qualquer futuro cerco dos cruzados. Outro trabalho de construção que ele viu foi a construção de uma ponte sobre o Nilo, que seria alta o suficiente para não ficar submersa na inundação anual do rio. Ele viu um espaçoso hospital gratuito que foi dividido em três seções: uma para homens, mulheres e loucos. Ele viu as pirâmides, embora não soubesse para quem foram construídas, e a Esfinge. Ele também viu um dispositivo que foi usado para medir a altura da inundação do Nilo.

Em todos os lugares que Ibn Jubayr viajou no Egito, ele relata que estava cheio de elogios ao novo líder sunita, Saladino, que havia posto fim ao reinado dos xiitas fatímidas. Por exemplo, ele diz dele que: “Não há nenhuma mesquita congregacional ou ordinária, nenhum mausoléu construído sobre um túmulo, nem hospital, nem faculdade teológica, onde a generosidade do sultão não se estende a todos que buscam abrigo ou vivem neles.” Ele aponta que quando o Nilo não inunda o suficiente, Saladino remete o imposto sobre a terra dos fazendeiros. Ele também diz que “tal é a justiça dele (Saladino), e a segurança que ele trouxe para suas estradas, que os homens em suas terras podem cuidar de seus assuntos à noite e de suas trevas não apreenderem nenhum temor que os deteria.”

No Cairo, observa Ibn Jubayr, estão as faculdades e centros sufis e hospedarias erguidos para estudantes e homens piedosos de outras terras pelo sultão Saladino. Nos colégios, os estudantes encontram alojamento e tutores para ensinar-lhes as ciências que desejam, e também subsídios para cobrir suas necessidades. O cuidado do sultão também concede a eles banhos, hospitais e a nomeação de médicos que podem até mesmo visitá-los em seu lugar de estada, e que seriam responsáveis ​​por sua cura. Um dos outros atos generosos do sultão Saladino foi que, todos os dias, dois mil pães eram distribuídos aos pobres. Também impressionando Ibn Jubayr naquela cidade estava o número de mesquitas, estimado entre 8 e 12 mil; muitas vezes quatro ou cinco delas na mesma rua.

Ibn Jubayr também viajou para Medina, Meca, Damasco, Mosul, Acre e Bagdá. Em Basra, ele viu como a madeira indiana era cuidadosamente usada para fazer navios de vela latinas, retornando em 1185 pela Sicília. Seu caminho não foi sem problemas, incluindo um naufrágio. Em ambas as ocasiões ele viajou em navios genoveses.

Freqüentemente citada é a famosa descrição de Jubayr dos muçulmanos que prosperavam sob o reino cristão cruzado de Jerusalém:

”Nós nos mudamos de Tibnin (fortaleza cruzada no Sul do Líbano) – que Deus a destrua – ao amanhecer de segunda-feira. Nosso caminho era através de fazendas contínuas e assentamentos ordenados, cujos habitantes eram todos muçulmanos, vivendo confortavelmente dentro dos Francos (cruzados)… Eles entregam metade de suas colheitas aos francos na época da colheita, e pagam também uma taxa de um dinar e cinco qirat para cada pessoa. Diferente do que eles não são interferidos, exceto por um imposto leve sobre o fruto de suas árvores. As casas e todos os seus efeitos são deixados à sua completa posse. Todas as cidades costeiras ocupadas pelos francos são administradas dessa maneira, seus distritos rurais, as aldeias e fazendas pertencem aos muçulmanos. Mas seus corações foram seduzidos, pois eles observam o quão diferente deles em facilidade e conforto estão seus irmãos nas regiões muçulmanas sob seus governadores (muçulmanos). Este é um dos infortúnios que afligem os muçulmanos. A comunidade muçulmana lamenta a injustiça do proprietário de sua própria fé e aplaude a conduta de seu oponente e inimigo, o senhorio franco, e está acostumada à justiça dele.”

Na Sicília, nos últimos estágios de suas viagens (dezembro de 1184 a janeiro de 1185), Ibn Jubayr conta outras experiências, dentre as quais mais lhe impressionaram foi a explosão de um vulcão.

Também marcante para Ibn Jubayr foi a cidade de Palermo. Ele descreve da seguinte forma:

”É a metrópole dessas ilhas, combinando os benefícios da riqueza e do esplendor, e tendo tudo o que você poderia desejar de beleza, real ou aparente, e todas as necessidades de subsistência, madura e fresca. É uma cidade antiga e elegante, magnífica, graciosa e sedutora de se ver. Orgulhosamente situada entre seus espaços abertos e planícies repletas de jardins, com amplas estradas e avenidas, deslumbra os olhos com sua perfeição. É um lugar maravilhoso, construído no estilo de Córdoba (antiga capital muçulmana omíada da Espanha), inteiramente de pedra cortada conhecida como kadhan [um calcário macio]. Um rio divide a cidade, e quatro nascentes jorram em seus subúrbios … O rei vagueia pelos jardins e quadras para diversão e prazer … As mulheres cristãs desta cidade seguem a moda das mulheres muçulmanas, são fluentes de fala, envolvem suas capas sobre elas e são veladas.”

Jubayr viajou para o Oriente em duas outras ocasiões (1189-1191 e 1217), sem deixar qualquer relato. Ele morreu em 29 de novembro de 1217 em Alexandria durante a segunda dessas viagens. Ibn Jubayr fornece uma descrição altamente detalhada e gráfica dos lugares que ele visitou durante suas viagens. O livro difere de outros relatos contemporâneos em não ser uma mera coleção de topônimos e descrições de monumentos, mas contém observação de detalhes geográficos, bem como questões culturais, religiosas e políticas. Particularmente interessantes são suas notas sobre a queda da fé de seus companheiros muçulmanos em Palermo depois da recente conquista normanda, e sobre o que ele percebeu como os costumes influenciados pelos muçulmanos do rei Guilherme II da Sicília.

Referencias:

– Broadhurst, Ronald J.C. (1952). The Travels of Ibn Jubayr: being the chronicle of a mediaeval Spanish Moor concerning his journey to the Egypt of Saladin, the holy cities of Arabia, Baghdad the city of the Caliphs, the Latin kingdom of Jerusalem, and the Norman kingdom of Sicily. London: Cape.

Victor Peixoto

Digital influencer, startuper e produtor de conteúdo com impacto em mais de 200 mil pessoas por mês. Estudante da história e religião Islâmica, falante de árabe, inglês e espanhol.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar