Notícias

Embaixada Hispano-Muçulmana aos Vikings em 845: um relato da jornada de al-Ghazal para o Norte

Em 844, invasores nórdicos (comumente chamados de “vikings”) atacaram al-Andalus (Espanha muçulmana), saqueando Cádiz, Lisboa, Medina Sidonia antes de capturar Sevilha. Eles mantiveram o controle sobre Sevilha por pouco mais de um mês antes de serem derrotados por um exército enviado pelo emir de omíada, Abdul Rahmān II (r. 822-852) para repeli-los. A batalha, segundo a maioria dos relatos, foi bastante acirrada e terminou com a vitória dos muçulmanos andaluzes sobre uma grande força viking que consistia de cerca de 15.000 homens. Após a retirada, o emir – reconhecendo a vulnerabilidade do seu reino aos ataques e procurando evitar futuros confrontos dentro de seu próprio território – ordenou a construção de uma marinha (a primeira do tipo em al-Andalus) e enviou emissários para iniciar conversações de paz. com os vikings. Há muita disputa sobre as origens dos nórdicos que chegaram a al-Andalus. Se eles fossem noruegueses, seus ataques provavelmente teriam sido lançados da Irlanda, enquanto os dinamarqueses provavelmente partiriam do território que compreende a Dinamarca moderna. O relato sobrevivente da embaixada andaluza – incluída abaixo (que é uma versão ligeiramente revisada de WED Allen) – também é ambígua sobre esse ponto e menciona apenas que a corte do monarca nórdico estava localizada em uma “ilha” (o que poderia significar a Irlanda, onde o chefe Turgesius / Turgeis [d. 845]] era baseado, ou a ilha da Zelândia, onde a corte do rei Horik I [d. 854] era localizada). Pessoalmente, estou inclinado a acreditar que o relato se refere aos vikings na Irlanda, devido a alguns dos detalhes fornecidos no texto.

Mapa das invasões vikings entre os anos 800 e 1000.

A missão diplomática andaluza foi liderada por um renomado poeta e cortesão – Yahya b. Ḥakam al-Bakrī (mais conhecido como al-Ghazāl) – que já havia sido enviado como diplomata omíada de Córdoba para o imperador bizantino Teófilo (r. 829-842). A missão levou presentes para o rei viking e sua esposa e tentou estabelecer uma trégua para evitar futuros ataques nórdicos contra al-Andalus. De qualquer forma, parece que a embaixada teve pouco impacto a longo prazo, já que os nórdicos realizariam uma grande incursão contra a Ibéria em 859, apenas para ser repelida pela bem armada marinha da Andaluzia que não permitiria a repetição do desastre da 844.

O único relato detalhado da missão é preservado em uma fonte andaluza muito posterior – a antologia poética de Ibn Dihya al-Kalbī (d. 1235), intitulada al-Muṭrib min Ash’ār Ahl al-Maghrib – que lança muitos dos detalhes em questão. Como o relato sobrevive apenas dentro de um texto compilado quase 400 anos após o fato, muitos estudiosos, com razão, questionaram a autenticidade da narrativa e, outros, chegaram a duvidar que houvesse até uma embaixada enviada aos vikings de al-Andalus. Para aqueles que desejam ler mais sobre os vários debates sobre esta embaixada e a autenticidade da narrativa, leia The Poet and the Spae-Wife: An Attempt to Reconstruct al-Ghazal’s Embassy to the Vikings (Kendal: Titus Wilson and Sons Ltd., 1960), pp. 1–18. De qualquer forma, se alguém aceita ou não o texto como uma representação fiel da embaixada, isso é uma leitura interessante! Por um lado, o relato, em contraste com Ibn Fadlan (que os designa Rūs), refere-se aos nórdicos como majus (o termo árabe-islâmico para “zoroastristas”) e atribui distintamente práticas zoroastrianas – “adoração ao fogo” e o casamento entre irmãos. – para a fé nórdica pré-cristã. Ainda mais interessante é a afirmação de que os vikings haviam se convertido ao cristianismo, embora isso não tenha ocorrido até o século X. A estreita relação que al-Ghazāl desenvolve com Nud, a rainha viking, também é bastante notável (ainda que altamente embelezada) e ocupa a maior parte do relato. Além disso, a menção do papel de al-Ghazal como intermediário entre o chefe nórdico / rei e o rei das Astúrias (Ramiro I, 842-850) é um detalhe curioso. O aspecto mais fascinante do texto, no entanto, é como – em contraste com a imagem do bárbaro viking inculto que se encontra nas crônicas latinas e árabes – a corte nórdica é descrita como civilizada, com os estudiosos da corte presentes (referidos como ‘ulamā’) que envolvem al-Ghazāl no debate intelectual e (possivelmente?) disputa religiosa.

Tradução

“Quando os enviados do rei dos vikings (malik al-majus) chegaram ao sultão Abdul Rahmān para pedir paz após deixarem Sevilha, atacaram os arredores e foram derrotados lá com a perda do comandante da sua frota. Abdul Rahmān decidiu aceitar este pedido. Ele comandou al-Ghazāl para ir nesta missão com os enviados de seu rei, uma vez que al-Ghazāl possuía agudeza de espírito, rapidez de inteligência, habilidade em réplicas, coragem e perseverança, e conhecia seu caminho para dentro e para fora de cada porta. Ele foi acompanhado por Yahya b. Ḥabīb. Ele foi para a cidade de Shilb (Silves), onde um navio bem equipado foi preparado para eles. Eles deram uma resposta à mensagem do rei dos vikings e um presente em troca de seu presente. O enviado do rei viking embarcou no navio viking, no qual ele havia chegado, e navegou ao mesmo tempo que o navio de al-Ghazal. Quando eles estavam em frente à grande capa que se projeta para o mar e é o limite mais ocidental de al-Andalus, isto é, a montanha conhecida como Aluwiyah, o mar cresceu assustador contra eles, e uma poderosa tempestade soprou sobre eles, e eles alcançaram um ponto que al Ghazal descreveu da seguinte forma:

Yahya disse para mim, quando passamos entre as ondas tão altas quanto as montanhas

E os ventos nos dominaram do oeste e do norte

Quando as duas velas foram danificadas e os cabos foram cortados

E o anjo da morte nos alcançou, sem escapatória,

E nós vimos a morte quando o olho vê um estado após o outro

“Os marinheiros não têm capital em nós, ó meu companheiro!”

Quando al-Ghazāl foi salvo do terror e dos perigos desses mares, ele chegou à primeira das terras dos vikings (bilād al-majuss), em uma de suas ilhas, onde ficaram vários dias e consertaram seus navios e descansaram.  O navio viking foi até o rei e eles o informaram da chegada dos enviados. Com isso, ele se alegrou e mandou chamá-los, e foram para sua residência real, que era uma grande ilha (ou península) no oceano, com riachos e jardins. Foram três dias de navegação, isto é, trezentas milhas, do continente. Nele estão os vikings, numerosos demais para serem contados, e ao redor da ilha existem muitas outras ilhas, grandes e pequenas, todas povoadas por vikings. O continente adjacente também é deles por uma distância de muitos dias de viagem. Eles eram pagãos, mas agora seguem a fé cristã (dīn al-naṣranīya), e desistiram do culto ao fogo e de sua religião anterior, exceto pelo povo de algumas ilhas dispersas deles no mar, onde permanece a antiga fé, com adoração ao fogo, o casamento de mães e irmãs e vários outros tipos de abominação. Os outros fazem guerra contra eles e os escravizam. O rei ordenou a seu povo que preparasse uma boa habitação para eles [os emissários andaluzes] e enviou uma festa para cumprimentá-los. Os vikings se aglomeraram para olhá-los e se maravilharam muito com sua aparência e trajes. Eles foram então levados a seus alojamentos de uma maneira honrosa e passaram um dia lá.

Depois de dois dias, o rei convocou-os à sua presença, e al-Ghazal estipulou que ele não seria obrigado a se ajoelhar e que ele e seus companheiros não seriam obrigados a fazer nada contrário aos seus costumes. O rei concordou com isso. Mas quando eles foram até ele, ele sentou-se diante deles trajado com uma veste magnífica, e ordenou que uma entrada, através da qual ele deveria ser abordado, ficasse tão baixa que alguém pudesse apenas se ajoelhando. Quando al-Ghazal chegou a este ponto, sentou-se no chão, estendeu as duas pernas e arrastou-se para trás. E quando ele passou pela porta, ele permaneceu ereto. O rei preparou-se para ele, com muitos homens e grande pompa. Mas al-Ghazal não se intimidou com isso, nem se amedrontou. Ele ficou ereto diante dele e disse: “A paz esteja com você, ó rei, e com aqueles a quem o seu salão de assembléia contém, e respeitosos cumprimentos a você! Que você não deixe de desfrutar do poder, da vida longa e da nobreza que o leva à grandeza deste mundo e do próximo, que se torne duradoura sob a proteção do Vivente Eterno, além de quem tudo perece, a quem é o domínio e a quem nós retornamos ”[Se referido a passagem corânica. 28:88].

O intérprete explicou o que ele tinha dito, e o rei admirou suas palavras, e disse: “Este é um dos sábios e inteligentes de seu povo.” Ele perguntou porque Al-Ghazāl estava sentado no chão e entrou primeiro com os pés, e ele disse: “Procuramos humilhá-lo e ele nos cumprimentou com as solas dos seus sapatos. Se ele não fosse embaixador, teríamos tomado isso erroneamente.” Então al-Ghazāl lhe deu a carta do sultão Abdul Rahmān. A carta foi lida para ele e traduzida. Ele a apreciou e a tomou em sua mão, e a colocou contra o peito. Então ele ordenou que os presentes fossem trazidos e os cofres se abrissem, e examinou todas as roupas e os vasos que eles continham, e ficou encantado com eles. Depois disso, ele permitiu que eles se retirassem para suas moradias e os tratavam generosamente. Al-Ghazāl tinha sessões notáveis ​​e encontros famosos com eles, nos quais ele debatia com seus eruditos e os silenciava e lutava contra seus campeões e os superava.

Agora, quando a esposa do rei viking ouviu falar de al-Ghazāl, ela mandou chamá-lo para que pudesse vê-lo. Quando ele entrou em sua presença, ele a cumprimentou, então ele olhou para ela por um longo tempo, olhando para ela como alguém que ficou impressionado. Ela disse ao seu intérprete; “Pergunte a ele porque ele me olha assim. É porque ele me acha muito bonita, ou o contrário? ”Ele respondeu:“ É realmente porque eu não imaginei que houvesse um espetáculo tão bonito no mundo. Vi nos palácios de nosso rei mulheres escolhidas para ele dentre todas as nações, mas nunca vi entre elas belezas como esta ”. Ela disse ao seu intérprete:“ Pergunte-lhe; ele está falando sério, ou ele brinca? ”E ele respondeu:“ Sério mesmo. ”E ela disse a ele:“ Então não há mulheres bonitas em seu país? ”E al-Ghazāl respondeu:“ Mostre-me algumas de suas mulheres , para que eu possa compará-las com as nossas. ”Então a rainha mandou buscar mulheres famosas pela beleza, e elas vieram. Então ele os olhou de cima a baixo e disse: “Elas têm beleza, mas não é como a beleza da rainha, pois sua beleza e suas qualidades não podem ser apreciadas por todos e só podem ser expressas pelos poetas. Se a rainha deseja que eu descreva sua beleza, sua qualidade e sua sabedoria em um poema que será declamado em toda a nossa terra, farei isso. ”

A rainha ficou muito satisfeita e exultante com isso e ordenou-lhe um presente. Al-Ghazāl recusou-se a aceitá-lo, dizendo: “Não vou”. Então ela disse ao intérprete: “Pergunte porque ele não aceita meu presente. Será que ele não gosta do meu presente ou de mim? ”Ele perguntou a ele – e Ghazal respondeu:“ De fato, seu presente é magnífico, e recebê-lo é uma grande honra, pois ela é uma rainha e filha de um rei. Mas é presente o suficiente para eu vê-la e ser recebido por ela. Este é o único presente que eu quero. Só desejo que ela continue a me receber.” E quando o intérprete explicou suas palavras a ela, sua alegria e admiração por ele aumentaram ainda mais, e ela disse:“ Que seu presente seja levado para sua morada; e sempre que ele quiser me fazer uma visita, não deixe a porta fechada para ele, pois ele sempre tem a garantia de uma recepção honrosa. Al-Ghazāl agradeceu, desejou-lhe bem e partiu.”

Tammām b. “Alqama disse:” Eu ouvi Al-Ghazāl contar esta história, e eu perguntei a ele: “E ela realmente tinha esse grau de beleza que você atribuiu a ela?” E ele respondeu: “Por seu pai, ela tinha algum encanto; mas, falando dessa maneira, ganhei-lhe boas graças e obtive dela mais do que desejava.” Tammām b. Alqama também disse: “Um de seus companheiros me disse: ”A esposa do rei dos vikings estava apaixonada por al-Ghazāl e não podia passar um dia sem que ela mandasse busca-lo para ficar junto a ela e falar  da vida dos muçulmanos, da sua história, das suas terras e das nações que os unem. Raramente ele a deixava sem que ela lhe enviasse um presente para expressar sua boa vontade para ele – roupas, comida ou perfume, até que suas relações com ele se tornassem notórias, e seus companheiros a desaprovassem.”

Al-Ghazāl foi avisado sobre isso, e tornou-se mais cuidadoso, e chamou-a apenas a cada dois dias. Ela perguntou-lhe a razão disso e ele contou-lhe o aviso que recebera. Então ela riu e disse a ele: “Não temos tais coisas em nossa religião, nem temos ciúmes. Nossas mulheres estão com nossos homens apenas de sua própria escolha. Uma mulher fica com o marido contanto que lhe agrade fazê-lo, e o deixa se não lhe agrada mais.” Era costume dos vikings antes que a religião de Roma os alcançasse que nenhuma mulher se recusava a qualquer homem, exceto que se uma nobre aceitava um homem de status humilde, ela era culpada por isso, e sua família os mantinha separados.” Quando al-Ghazāl a ouviu dizer isso, ele foi tranquilizado e retornou à sua familiaridade anterior. ” Tammām relatou:“ Al-Ghazāl era impressionante na meia-idade; ele era bonito em sua juventude e, por essa razão, era apelidado de al-Ghazāl (a gazela). Quando ele viajou para a terra dos vikings, ele tinha mais de 50 anos e seu cabelo estava ficando cinza. Ele estava no entanto em pleno vigor, de forte corpo e belo aspecto. Um dia, a esposa do rei, cujo nome era Nud, perguntou a ele sua idade e ele respondeu com tom de brincadeira: “Vinte”. E ela disse ao intérprete: “Que jovem de vinte anos tem cabelos grisalhos?” E ele respondeu ao intérprete: “O que é tão improvável nisso? Você nunca viu um potro caído que é grisalho no nascimento? ”Nūd riu e ficou impressionado com as palavras dele.

E nesta ocasião al-Ghazāl exteriorizou:

“Você está sobrecarregado, ó meu coração, com uma paixão cansativa

Com a qual você luta como se estivesse com um leão.

Eu estou apaixonada por uma mulher viking

Que não deixa o sol da beleza, que vive no limite do mundo de Deus, onde quem vai em direção a ela, não encontra caminho.

O Nūd, ó jovem e justa,

De cujos botões surge uma estrela,

Ó tu, pelo meu pai, não vejo ninguém mais querido ou mais amado ao meu coração,

Se eu dissesse um dia que meu olho viu alguém como você, eu certamente estaria mentindo.

Ela disse: “Eu vejo que seus cabelos ficaram brancos”

Em tom de brincadeira, ela me fez brincar também

Eu respondi: “Pelo meu pai,

O potro nasce cinzento assim.

E ela riu e admirou minhas palavras

– O que eu só falei que ela poderia admirar.”

Se este poema tivesse sido composto por ‘Umar ibn Abī Rabī’a (d. 719) ou Bashshār b. Burd (m. 783) ou ‘Abbās b. al-Ahnaf (m. 809) ou qualquer outro dos poetas clássicos (orientais) que tomaram esse caminho, teria sido muito estimado. Mas o poema é esquecido, porque o poeta era um andaluz. Caso contrário, não teria sido deixado na obscuridade, pois tal poema não merece ser negligenciado. Você viu algo mais belo do que a linha: “Que não vai deixar o sol da beleza”, ou como a primeira linha desta peça, ou como a descrição da troca de piadas? Elas não são pérolas amarradas? E nós [poetas andaluzes] não somos injustiçados e tratados injustamente? Mas voltemos à história de al-Ghazāl. Quando ele recitou seu poema para Nud e o intérprete o explicou, ela riu e ordenou que ele usasse corante. Al-Ghazāl fez isso e apareceu diante dela na manhã seguinte com cabelos tingidos. Ela elogiou seu corante e disse que ele se tornou belo, ao que al-Ghazāl recitou os seguintes versos:

”De manhã, ela me cumprimentou com a escuridão do meu corante,

Foi como se me trouxesse de volta à minha juventude.

Mas eu vejo cabelos grisalhos e a tinta nele

Como um sol envolto em névoa.

Está escondido por um tempo, e então o vento o descobre,

E a cobertura começa a desaparecer.

Não despreze o brilho dos cabelos brancos;

É a flor da compreensão e inteligência,

Eu tenho o que você deseja na juventude

Bem como elegância de maneira, cultura e educação.”

Então al-Ghazāl os deixou e, acompanhado pelos enviados, foi para Shent Ya’qūb [Santiago de Compostela] com uma carta do rei dos vikings para o governante daquela cidade. Ele ficou lá, muito honrado, por dois meses, até o final de sua peregrinação. Em seguida, ele viajou para Castela com aqueles que foram enviados para lá, e daí para Toledo, eventualmente alcançando a presença do sultão Abdul Rahman após uma ausência de vinte meses”.

Fonte: https://ballandalus.wordpress.com/2014/09/11/a-hispano-muslim-embassy-to-the-vikings-in-845-an-account-of-al-ghazals-journey-to-the-north/

 

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar