Notícias

Como pinturas falsas são utilizadas para fabricar a “Ciência Islâmica” atualmente – Nir Shafir

”Quando me preparei para dar uma aula sobre “Ciência e Islã” na primavera passada, notei algo peculiar sobre o livro que estava prestes a atribuir aos meus alunos. Não foi o texto – uma tradução maravilhosa de uma enciclopédia árabe medieval – mas a capa. Sua ilustração mostrava estudiosos em turbantes e vestimentas medievais do Oriente Médio, examinando o céu estrelado através de telescópios. A miniatura pretendia ser do Oriente Médio pré-moderno, mas algo estava errado.

Além de as cores serem um pouco vívidas e as pinceladas um pouco limpas demais, o que me perturbou foram os telescópios. O telescópio era conhecido no Oriente Médio depois que Galileu o inventou no século XVII, mas quase nenhuma ilustração ou miniatura jamais retratou tal objeto. Quando localizei a imagem completa, mais duas figuras surgiram: uma também olhando através de um telescópio, enquanto a outra fazia anotações enquanto sua mão girava um globo – outro instrumento que raramente era desenhado. A maior contradição, no entanto, foi a pena na quarta figura. Estudiosos do Oriente Médio sempre usaram canetas (de bambu) para escrever. A essa altura, não havia como negar: a ilustração da capa era uma falsificação moderna, disfarçada de ilustração medieval.

Eis a imagem em questão:

A imagem completa da miniatura otomana do século XXI, supostamente do século XVII. Alegadamente da Biblioteca da Universidade de Istambul. Foto de DEA / Getty.

Contudo, a miniatura falsa que representa os astrônomos muçulmanos está longe de ser um caso isolado. Uma imagem popular circulando tanto no Facebook como no Pinterest apresenta demônios parecidos com minhocas, que se movem dentro de um molar. Ela pretende ilustrar a concepção otomana de cáries dentárias, uma versão que agora entrou na Biblioteca Bodleiana de Oxford como parte de sua coleção sobre “Obras-primas de livros não-ocidentais”. Outra mostra um médico tratando um homem com o que parece ser varíola. Essas imagens contemporâneas, na verdade, não são “reproduções”, mas “produções” e até mesmo falsificações – feitas para atrair um público contemporâneo, alegando retratar a ciência de um passado islâmico distante.

Uma miniatura falsa representando a preparação de medicamentos para o tratamento de um paciente que sofre de varíola, supostamente do Cânon de Medicina de Avicena (980-1037). Alegadamente na Biblioteca da Universidade de Istambul. 

Das lojas turísticas de Istambul, estas obras se aventuraram muito longe. Elas encontraram seu caminho em cartazes de conferências, sites de educação e coleções de museus e bibliotecas. O problema vai além dos turistas ingênuos e dos acadêmicos ocasionais sendo enganados: muitos dos que estudam e publicamente apresentam a história da ciência islâmica se comprometeram com um tipo similar de falsidade. Agora existem museus inteiros cheios de objetos re-imaginados, feitos nos últimos 20 anos, mas destinados a representar as veneráveis ​​tradições científicas do mundo islâmico.

A ironia é que essas miniaturas e objetos falsos são o produto de um desejo bem-intencionado: o desejo de integrar os muçulmanos a uma comunidade política global através da narrativa universal da ciência. Esse desejo parece ainda mais urgente em face de uma onda crescente de islamofobia. Mas o que acontece quando começamos a fabricar objetos para as estórias que queremos contar? Por que rejeitamos os remanescentes materiais reais do passado islâmico para suas contrapartes confeccionadas? Qual é exatamente a imagem da ciência no Islã que esperamos encontrar? Essas falsificações revelam mais do que apenas uma preferência pela ficção sobre a verdade. Em vez disso, elas apontam para um problema maior sobre as expectativas de que acadêmicos e o público assemelham-se ao passado islâmico e ao seu legado científico.

Não há muitos livros no mercado dos antigos livreiros em Istambul hoje – mas existem algumas miniaturas falsas, vendidas aos turistas que se dirigem ao Grande Bazar ao lado. Algumas dessas miniaturas mostram imagens de navios ou monstros, enquanto outras provocam uma risada juvenil com sua exibição de atos sexuais. Muitas vezes, elas são acompanhados por um pouco de árabe rabugento escrito com uma mão trêmula. Muitas, talvez a maioria, são representações da ciência no Oriente Médio: um farmacêutico vendendo drogas para homens de turbante, um médico castrando um hermafrodita, um grupo de acadêmicos observando através de um telescópio ou reunindo-se em torno de um mapa.

Miniaturas falsas à venda no Mercado de Livreiros (Sahaflar Çarsısı) em Istambul.

Para os olhos perspicazes, a maioria das miniaturas que esses homens vendem são reconhecidamente falsas. Os pigmentos artificiais são muito brilhantes, os temas são muito grosseiros. Sem surpresa, eles ainda encontram compradores dispostos entre turistas locais e estrangeiros. Algumas imagens, por vezes, afirmam que são criações modernas, com o artista assinando uma data recente no calendário islâmico. Outras são mais dúplices. Os falsários rasgam páginas de manuscritos antigos e livros impressos, e repintam o texto para dar verniz de escrita e papel antigos. Eles podem até carimbar selos de propriedade falsos na imagem.

Com essas adições, as miniaturas rapidamente se tornam difíceis de identificar como fraudulentas, uma vez que deixam os limites do mercado e seguem para a internet. Os serviços de fotografia, em particular, desempenham um papel fundamental na divulgação dessas imagens, tornando-as prontamente disponíveis para uso em apresentações e artigos em blogs e revistas. A partir daí, as imagens passam para as principais plataformas da nossa cultura visual vernacularizada: Instagram, Facebook, Pinterest e Google. Nesse ambiente digital, até mesmo especialistas no mundo islâmico podem confundir essas imagens com as autênticas e antigas.

A própria internet se tornou uma fonte de inspiração fantástica para os falsificadores. O desenho supostamente retratando a visão otomana das cáries dentárias, por exemplo, surgiu depois que uma imagem semelhante de um marfim francês do século XVIII surgiu na internet. Outros falsificadores simplesmente copiam miniaturas conhecidas, como a ilustração do observatório de curta duração na Istambul do século XVI, em que homens de turbante fazem medições com uma variedade de instrumentos em uma mesa. Esta miniatura – localizada de maneira confiável na Biblioteca de Livros Raros da Universidade de Istambul – é encontrada em uma crônica persa que elogia o sultão Murad III, que ordenou a construção do observatório em 1574 e, posteriormente, o demoliu alguns anos depois.

Mesmo que suas imitações pareçam cruéis, elas ainda encontrarão plateias – como aquelas que visitaram o site da exposição “Science in Islam” de 2013 no Museu da História da Ciência em Oxford. O site, que tem como objetivo educar as crianças do ensino médio, tirou a imagem de um site semelhante dirigido pelo Museu Whipple da História da Ciência da Universidade de Cambridge – que por sua vez adquiriu um ano antes de um revendedor em Istambul, de acordo com aos registros do próprio museu. Enquanto isso, outra instituição muito respeitada, a Wellcome Collection, em Londres, é especializada em objetos da história da medicina; inclui várias miniaturas mal copiadas que demonstram modelos islâmicos do corpo, escritos com um pseudo-árabe bizarro e sem nenhuma fonte dada.

Um falso diagrama anatômico com um roteiro absurdo, semelhante ao árabe, supostamente representando um modelo islâmico das veias e artérias do corpo. Foto cedida pela Wellcome Collection.

Algumas imagens, no entanto, são totalmente inventadas, como a representação de um homem com o que parece ser varíola, consultando nervosamente um farmacêutico e um médico. Mais preocupantes ainda são as imagens que os artistas alteram para corresponder às nossas próprias expectativas. A foto na capa do livro que eu ia designar para meus alunos, com homens olhando para o céu noturno através de um telescópio, pegava emprestada as figuras da miniatura do observatório de Istambul. No entanto, o falsificador transforma facilmente um erudito levantando um sextante para o olho, para medir a distância angular entre corpos astronômicos, em um homem usando um telescópio na mesma pose. É uma mudança sutil, mas altera significativamente o significado da imagem – colando em um instrumento do qual não temos representações visuais em fontes islâmicas, mas que prontamente associamos ao ato da astronomia hoje.

Na esquina do Parque Gülhane em Istambul, descendo a colina do antigo palácio otomano e Hagia Sofia, encontra-se o Museu de História da Ciência e Tecnologia do Islã (İslam Bilim ve Teknoloji Tarihi Müzesi). Um visitante começa com instrumentos astronômicos – astrolábios e quadrantes (felizmente sem telescópios). Conforme você passa pelas exibições, as exposições mudam de instrumentos de guerra e ótica para exemplos de química e mecânica, tornando-se cada vez mais fantásticos em cada sala. Gaiolas de vidro de béqueres seguem alambiques em engenhocas elaboradas. No final, chega-se à seção de engenharia. Aqui, você encontra as máquinas bizarras de Ismail al-Jazari, um erudito do século XII, muitas vezes chamado de pai muçulmano da engenharia. Suas engenhocas lembram versões medievais das máquinas de Rube Goldberg: pense em um relógio de água na forma de um mahout, sentado em cima de um elefante ou outras peças.

Há apenas uma captura. Todos os objetos em exibição são, na verdade, reproduções ou objetos completamente imaginados. Nenhum dos objetos tem mais de uma década ou duas e, de fato, não há objetos históricos no museu. Em vez disso, os astrolábios e quadrantes, por exemplo, são recriados de peças de outros museus. As máquinas de guerra e os gigantescos instrumentos astronômicos são tipicamente modelos reduzidos que podem caber em uma sala de tamanho médio. As intricadas engenhocas de química, das quais nenhuma cópia foi encontrada no Oriente Médio, são criadas unicamente para povoar o museu.

Por si só, esse ato de conjuração não é necessariamente um problema. Algumas das peças são genuinamente raras e outras podem não existir hoje, mas são úteis para serem recriadas em modelos e miniaturas. O que torna este museu único é sua quase total recusa em coletar objetos históricos reais. O museu nunca aborda ou justifica explicitamente o fato de que toda sua coleção é composta de recriações; Ele simplesmente os apresenta em vitrines de vidro, sem nenhuma tentativa de situá-las em uma narrativa sobre a história do Oriente Médio, além de simplesmente indicar as datas e a localização de seus originais.

As origens da maior parte da coleção do museu ficam mais claras quando você olha para as fotografias por trás das telas: muitos objetos foram recriados a partir das ilustrações de manuscritos medievais contendo dispositivos semelhantes. As mais famosas delas são as imagens extraordinárias das engenhocas de al-Jazari, tiradas de seu livro ”O Livro do conhecimento de dispositivos mecânicos engenhosos”. Embora as máquinas devam funcionar, em teoria, nenhuma é conhecida por sobreviver ao tempo. Pode até ser que o designer delas não tenha planejado que fossem criadas em primeiro lugar.

Qual é o papel de um museu, especificamente um museu de história, que não contém objetos históricos genuínos? O museu da ciência islâmica de Istambul não é um caso isolado. A mesma abordagem marca o Museu de História da Medicina Sabuncuoğlu, em Amasya, no norte da Turquia, bem como o museu Leonardo da Vinci, em Milão, que dá vida aos mecanismos febris que o inventor desenhou nas páginas de seus cadernos.

Ao contrário das miniaturas falsas, estas instituições não foram construídas com o propósito de enganar turistas e museus desavisados. O homem por trás do museu de ciência islâmica em Istambul é o falecido Fuat Sezgin, anteriormente na Universidade de Frankfurt. Ele era um respeitado estudioso que compilou e publicou várias fontes sobre a ciência islâmica. Mas seu projeto compartilha certas qualidades-chave com as miniaturas falsas. Eles criam objetos que aderem à nossa compreensão contemporânea do que “faz ciência” e tratam imagens da ciência islâmica como se fossem representações literais e diretas de objetos e pessoas que existiam no passado.

Mais importante, talvez, tanto as falsificações quanto o museu sejam feitos para evocar maravilhas nos telespectadores de hoje. Não há nada inerentemente errado com admiração, é claro; pode estimular os espectadores a questionar e investigar o mundo natural. Zakariya al-Qazwini, o autor do século XIII que descreveu os fenômenos curiosos e espetaculares do mundo em seu livro “Maravilhas da Criação”, definiu maravilha como aquele “sentimento de perplexidade que uma pessoa sente por causa de sua incapacidade de entender a causa de uma coisa”. Os príncipes costumavam ler os livros fortemente ilustrados de al-Jazari dessa maneira, não como manuais de engenharia práticos, mas como descrições de dispositivos que estavam além de sua compreensão. E nós ainda olhamos para os itens recriados de al-Jazari com um senso de admiração, mesmo que agora compreendamos sua mecânica – só que, hoje, nos maravilhamos com o fato de que eles foram feitos por muçulmanos.

O que impulsiona a disseminação dessas imagens e objetos é o desejo de usar alguma visão totêmica da ciência para redimir o Islã – como religião, cultura ou povo – da islamofobia dos últimos tempos. Igualar a ciência e a tecnologia à modernidade é bastante comum. Antes da atual toxicidade política, eu teria ensinado uma aula sobre a ciência árabe, ao invés de islamismo e ciência. No entanto, em um mundo que está muito disposto a vilipendiar o Islã como a antítese da civilização, parece melhor tentar defender uma mensagem de que a ciência é um projeto global no qual toda a humanidade participou.

Este sentimento abrangente está por trás do “1001 Inventions”, uma exposição itinerante sobre a ciência islâmica que frequentou muitos dos museus do mundo, e agora se tornou uma entidade permanente e peripatética. O lema do projeto diz: “Descubra uma era dourada, inspire um futuro melhor”. Para os não-muçulmanos, isso pode sugerir que os seguidores do Islã são seres racionais afinal, capazes de participar de uma civilização compartilhada. Para os crentes muçulmanos, entretanto, isso poderia implicar que um mundo perdido de maestria tecnológica estava realmente disponível para eles, se tivessem permanecido no caminho certo. Desta forma, o ”1001 Inventions” desenha uma linha quase direta entre o vôo reportado do topo da Torre de Gálata na Istambul do século XVII e a exploração da Lua no século XX.

Com esses ideais em mente, os fins justificam os meios? Usar uma reprodução ou falsificação para chamar a atenção para o legado intelectual rico e frequentemente ignorado do Oriente Médio e do Sul da Ásia pode ser um pequeno preço a pagar para ampliar o círculo de curiosidade intercultural. Se o material remanescente da ciência não existe, ou não se encaixa na narrativa que queremos construir, então talvez seja aceitável reconstruí-los imaginativamente. Diante da lacuna entre nosso conhecimento escasso dos verdadeiros esforços intelectuais de muçulmanos antigos e o imaginado passado islâmico sobre o qual depositamos nossas pesadas expectativas, nos entregamos à “liberdade” de recriar. Livros didáticos e museus correm para publicar provas das explorações científicas dos muçulmanos. Dessa maneira, intencional e inconscientemente, eles propagam imagens que eles acreditam exemplificar uma versão idealizada da ciência islâmica: aqueles telescópios, relógios, máquinas e instrumentos médicos que gritam “modernidade!” Até mesmo para o observador mais casual ou cético.

No entanto, há um lado negro nesse impulso progressivo. É um desdobramento de uma tendência rasteira e paternalista de rejeitar as peças reais da herança islâmica para suas contrapartes recriados. Algo se perde quando reduzimos a história da ciência islâmica a alguns objetos reconhecidamente modernos e chegamos ao ponto de evocar imagens do nada. Perdemos de vista importantes tradições de aprendizado que não foram representadas visualmente, seja artesanal ou escolástica. Também deixamos de lado aqueles domínios considerados irracionais ou não-modernos, como a alquimia e a astrologia.

Esta seleção não é apenas uma questão de preferências, mas também de prioridades. Em vez de gastar milhões de dólares para construir e abrigar essas produções reinventadas, os museus poderiam ter comprado, coletado e reunido objetos reais. Até recentemente, por exemplo, a Rebul Pharmacy em Istambul exibia sua própria coleção particular de instrumentos médicos históricos – enquanto o Museu para a História da Ciência e Tecnologia no Islã optou por fabricar instrumentos novos. Uma escolha propositiva, portanto, foi feita para ignorar objetos existentes, porque o que resta não se presta à narrativa que o museu deseja contar.

Talvez exista a preocupação de que os remanescentes da ciência islâmica simplesmente não possam despertar a maravilha necessária; talvez eles não possam revelar adequadamente que os muçulmanos também criaram obras de gênio reconhecível. Usar artefatos reais para atingir esse objetivo pode demandar mais espectadores e exigir um modo de explicação diferente e mais complexo. Mas deixar de aceitar esse desafio significa que perdemos uma oportunidade de expandir o escopo do que contava como genialidade ou refletiu maravilhas no passado islâmico. Esse achatamento do tempo e do espaço empobrece as audiências e enfraquece seus preconceitos, sem o conhecimento deles e mesmo enquanto se apresenta como enriquecimento.

Ainda nos resta a questão, no entanto, do dano causado pela proliferação dessas imagens e objetos reinventados. Quando a levantei com colegas, alguns argumentaram que, mesmo que esses trabalhos não sejam autênticos, pelo menos eles convidam os alunos a aprender sobre o Oriente Médio pré-moderno. O sentimento seria familiar ao historiador Anthony Grafton, que observou que a linha entre o falsificador e o crítico é extremamente fina. Cada um estabelece, com muitas das mesmas ferramentas, tornar o passado relevante de acordo com as circunstâncias em mudança do presente. É apenas que, enquanto o falsificador veste novos objetos nas roupas do passado para se adequar às nossas preocupações atuais, o crítico explica que as circunstâncias de hoje diferem daquelas do passado, e retém e descarta certos aspectos como bem entender.

Grafton acaba se aproximando da crítica: o falsificador, diz ele, é fundamentalmente “irresponsável”; porém bons seus fins e elegantes suas técnicas, ele mente. Parece inevitável, então, que uma cultura que tolera a falsificação irá degradar sua própria moeda intelectual, às vezes após a redenção. ” Como falsificações e ficções entram em nossa corrente sanguínea digital, elas começam a substituir as imagens originais e transformam nossas noções básicas do que realmente foi a ciência do passado. No caso das falsas miniaturas, muitas são pintadas nas páginas rasgadas de manuscritos seculares para adicionar à sua historicidade, literalmente destruindo artefatos autênticos para criar novas falsificações.

Em uma era em que mercadores de dúvidas e propagadores de notícias falsas manipulam o discurso público, reafirmar-nos à transparência e à crítica parece ser a única solução. Certamente, uma boa dose dessas virtudes faz parte de qualquer cura. Mas em todos esses casos, como no museu, nunca fica claro quem é responsável pela fraude. Frequentemente desejamos descobrir uma mente planejadora por trás de cada ato de falsificação, seja o estado russo ou um pseudo-acadêmico insatisfeito – explorando os laços sociais de nossa confiança e cuja fraude só pode ser retificada por uma autoridade maior. A responsabilidade de estabelecer a verdade, no entanto, não está apenas nas mãos dos críticos e falsários, mas também em nossas próprias ações como consumidores e disseminadores. Cada vez que escolhemos compartilhar uma imagem online, ou patrocinar certos museus, nós lhes emprestamos credibilidade. No entanto, a solução também pode exigir mais do que uma simples reafirmação do valor da verdade sobre a ficção, dos fatos sobre a mentira. Afinal, todo trabalho da história, seja um livro ou um museu, é também parcialmente um ato de ficção em sua tentativa de contar um passado que não podemos mais acessar.

A uma milha de distância do museu da ciência islâmica em Istambul, aninhado nos becos do bairro Çukurcuma, reside outro museu de objetos inventados e contos. Este, porém, é dedicado não a invenções científicas islâmicas, mas à visão melancólica de um autor sobre amor e, como acontece, sobre o passado material de Istambul. O Museu da Inocência é a obra do escritor turco ganhador do Prêmio Nobel Orhan Pamuk, cujos objetos coletados e criados formam o esqueleto sobre o qual seu livro de 2008, com o mesmo nome, é construído. Seu protagonista, Kemal, leva lentamente o leitor e o frequentador de museus através de sua relação abortada com sua amada, Füsun. Cada capítulo corresponde a um dos pequenos dioramas do museu, que exibem uma coleção de objetos do romance. Cartões de restaurante vintage, garrafas antigas de raki e cães cerâmicos em miniatura para serem colocados em cima de televisores são delicadamente organizados em pequenas exposições, muitas vezes com pinturas de Pamuk como pano de fundo.

Por trás do museu, no entanto, está uma narrativa ficcional – e esse fato desestabiliza nossas expectativas sobre o que os objetos de um museu podem e devem fazer. Pamuk escreveu o romance e depois colecionou objetos para encaixá-lo, ou vice-versa? Nunca é totalmente claro o que veio primeiro. A obra de Pamuk nos confronta com uma pergunta: contamos histórias dos objetos que coletamos ou coletamos os objetos para contar as histórias que desejamos? As diferentes abordagens são, na verdade, dois lados da mesma moeda. Coletamos materiais que aderem às nossas histórias imaginadas e criamos nossas narrativas de acordo com os objetos e fontes disponíveis.

O museu de Pamuk, no entanto, consegue um equilíbrio. Quando se fica diante das exibições de relógios de bolso e fotografias de concursos de beleza de Pamuk, examinamos lentamente os objetos, imaginando como eles foram usados, talvez ouvindo uma gravação das histórias de Pamuk para animá-los. É através de suas vitrines, pinturas e textos que os objetos ganham vida. No entanto, os espectadores também veem as garrafas de rakı e outras efemérides fora dos limites da narrativa de Pamuk. Ele demonstra um compromisso com os próprios objetos e permite que eles contem sua história sem ter uma crença ingênua em seu poder objetivo. Essa abordagem concede ao museu de Pamuk uma honestidade intelectual que falta no museu de ciência islâmica de Sezgin.

O que está faltando nas miniaturas falsas, e do Museu de História da Ciência e Tecnologia no Islã, são as vidas dos indivíduos que enchem o museu de Pamuk. Diante da fantasia ou da falsificação, ficamos admirados com os telescópios e alambiques, maravilhados com o fato de que os muçulmanos os construíram, mas pouco conhecendo os verdadeiros artesãos e acadêmicos, muçulmanos e não-muçulmanos. Nessas vidas está a verdadeira história da ciência no mundo islâmico: a preparação das ervas pela parteira; uma lista de medicamentos do hospital para os pobres piedosos; horóscopo de um astrólogo para um aspirante a tenente; as medições astronômicas de um imã para cronometrar o chamado à oração; o julgamento de um lógico de um novo silogismo; a experimentação metalúrgica de ourives; classificação de plantas de um enciclopedista; ou cálculos algébricos de um juiz para dividir uma herança. Essas vidas não são facilmente pesquisadas, como demonstrado pelo estado anêmico do campo. No entanto, recusando-se a coletar e exibir objetos históricos reais, e ao invés defender seus equivalentes recriados, apagamos essas pessoas do passado.

Concentrar-se nessas vidas requer alguma ficção, com certeza. Um museu ou livro teria que abraçar as ausências e lacunas do nosso conhecimento. Em vez de timidamente cutucando os objetos reais fora de vista, e enchendo as lacunas de invenções, precisaria trazer à tona artefatos históricos reais. Pode se inspirar no Museu Whipple e até coletar falsificações de instrumentos científicos como importantes objetos culturais por si mesmos. Sim, podemos ter que abandonar as imagens de astrônomos de turbante com telescópios que nossa cultura obcecada por imagens parece desejar. Teríamos que adaptar uma visão diferente da ciência e da cultura visual, uma mais sutil que não reduza a prática científica a alguns emblemas da modernidade. Mas talvez seja isso que significa cultivar um “senso de perplexidade”, usar a frase de al-Qazwini – um novo sentimento de admiração que desperta a maravilha da vida de mulheres e homens no passado. Essa seria uma forma genuinamente nova de ver; um reconhecimento de que algo pode ser valioso, mesmo quando não o reconhecemos.

Fonte: https://aeon.co/essays/why-fake-miniatures-depicting-islamic-science-are-everywhere

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar