Notícias

As Origens persas dos maiores mestres de Hadith do Islã Sunita

“Se o conhecimento fosse localizado nas Plêiades (uma constelação de estrelas), os persas certamente o alcançariam” – Profeta Muhammad

É um fato pouco conhecido que todos os seis autores/compiladores dos principais livros de sunitas ḥadīth – obras que são juntas conhecidas como Siḥāḥ al-Sitta – eram de origem persa/iraniana, ou da Ásia central persificada. Curiosamente, essas figuras eminentes são apenas seis das centenas de outros estudiosos persas que foram fundamentais para a formação da tradição religiosa e intelectual sunita. Em um esquema da história islâmica medieval que é dominado pelo árabe-centrismo e em um mundo contemporâneo em que a associação entre o Irã e o xiismo é tão central que não se pode pensar em um sem o outro, esse fato do persa ou iraniano ser a origem de algumas das mais importantes figuras de autoridade no Islã sunita torna-se cada vez mais relevante ao desafiar as narrativas e suposições dominantes que continuam a permear a compreensão histórica (e a visão contemporânea) do Islã e do Irã (na verdade, o Irã só se tornou xiita após a acensão da dinastia safávida no século XV, no qual a mesma impôs o xiismo duodecimano como religião do Estado). Ele também enfatiza que alguns dos desenvolvimentos mais importantes na erudição tradicionalista sunita no período medieval ocorreram no planalto iraniano.

(Neste contexto, a origem iraniana pretende transmitir que esses indivíduos eram: 1) descendentes dos habitantes indígenas do planalto iraniano; e 2) eram falantes do persa.

Mapa indicando a origem dos 6 maiores eruditos da ciência dos hadiths sunitas.

1) Abū ‘Abd Allāh Muhammad ibn Ismā’īl ibn Ibrāhīm ibn al-Mughīrah ibn Bardizbah al-Ju’fī al-Bukhārī (810–870), originalmente de Bukhara (localizado no atual Uzbequistão)

2) Abū al-Ḥusayn “Asākir ad-Dīn Muslim  ibn al-Ḥajjāj ibn Muslim ibn Ward ibn Kawshādh al-Qushayrī an-Naysābūrī (815-875), originalmente de Nishapur (localizado no atual Irã). Parece ter havido uma diferença de opinião sobre suas origens exatas, com Shams al-Dīn al-Dhahabī afirmando a forte possibilidade de que sua família fosse persa “mawālī” (clientes) de Qushayr, enquanto outros estudiosos (como Ibn al-Athīr e Ibn al-Salāh) afirmam que ele era na verdade um membro árabe daquela tribo. A inclusão habitual do nome Kawshādh dentro de sua linhagem sugere fortemente, pelo menos para mim, que ele era descendente de mawālīs persas. Além disso, até mesmo alguns desses estudiosos, afirmando que ele pertencia por sangue à tribo de Qushayr, afirmaram que sua família tinha migrado para o Irã quase dois séculos antes (após a conquista), sugerindo um grande grau de casamentos com a população indígena persa.

3) Aḥmad ibn Shuayb ibn Alī ibn Sīnān Abū ʻAbd ar-Raḥmān al-Nasā’ī (829–915), originalmente da Nasā (localizada no atual Turcomenistão)

4) Abū Dawūd Sulaymān ibn al-Ashʿath al-Azdī al-Sijistānī (817-889), originário do Sijistão (localizado no atual Irã). Há uma diferença de opinião sobre este estudioso com alguns estudiosos afirmando que ele era parcialmente descendente da tribo de Azd, enquanto outros afirmaram que sua família era “mawāli” (clientes), a tribo árabe de Azd, daí a nisbah da tribo.

5) Abu Muhammad ibn al-Sulam al-al-al-Būgh al-Tirmidh (824-892), originalmente de Termez (localizado no atual Uzbequistão)

6) Abū ʻAbdillāh Muḥammad ibn Yazīd Ibn Mājah al-Rab’ī al-Qazwīnī (824–889, originalmente de Qazvin (localizado no atual Irã) Sua família era “mawāli” (clientes) a tribo árabe de Rabī’a, portanto a nisbah tribal.

 

Fonte: https://ballandalus.wordpress.com/2015/05/15/the-iranian-origin-of-the-six-masters-of-sunni-hadith/

Victor Peixoto

Digital influencer, startuper e produtor de conteúdo com impacto em mais de 200 mil pessoas por mês. Estudante da história e religião Islâmica, falante de árabe, inglês e espanhol.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar